Momento Tecnologia

Louvre processa Pornhub por exposição online de nudes clássicos

Publicados

em


source
Pornhub é processado
Unsplash/franco alva

Pornhub é processado

O Pornhub , um dos maiores sites de conteúdo pornográfico do mundo, anunciou recentemente a exposição on-line ” Classic Nudes “, que visa exibir ao público os melhores pornôs do mundo que estejam expressados em obras de artes.

Apesar de parecer inovador, a ideia do site passa por cima de grandes instituições de arte do mundo que são os responsáveis por muitas das obras em questão, como The Metropolitan Museum of Art (MET), Museo Nacional del Prado, Louvre e a galeria Uffizi.

O Louvre , um dos maiores museus do mundo, e a Uffizi entraram com um processo contra a exposição do Pornhub, afirmando que o site não tem direito de expor as obras com fins lucrativos.

Você viu?

“Na Itália, o código do patrimônio cultural prevê que para usar imagens de um museu, obras compactadas para fins comerciais, é necessário ter a permissão, que regulamenta os métodos e fixa a taxa relativa a pagar. Tudo isso obviamente se o museu conceder a autorização que, por exemplo, dificilmente teria sido emitida neste caso”, afirmou um porta-voz da galeria italiana Uffizi ao portal Inside Hook.

Leia Também:  Xiaomi Civi: nova linha de celulares tem imagens e detalhes vazados

O museu parisiense, por sua vez, emitiu uma declaração curta direcionada aos responsáveis pela exposição on-line. “O Pornhub ouviu falar de nossos advogados. Esperamos que as obras sejam removidas imediatamente”.

O fundador do Pornhub, Asa Akira, relatou à imprensa que existe um tesouro escondido por trás da arte erótica, que envolve muitos nudes e orgias que não estão disponíveis no site.

Para Akira, a exposição on-line levará as pessoas a fazerem um tour diferenciado por essas obras, abandonando as “gravações entediantes de auto-tour” que foram disponibilizadas pelos sites oficiais dos grandes museus durante a pandemia da Covid-19 que impediu o passeio presencial em diversos lugares do mundo.

Propaganda

Momento Tecnologia

Movimentar 1 bitcoin gera mesmo lixo eletrônico que descarte de 2 iPhones

Publicados

em


source
iPhone
Divulgação

iPhone

Enquanto muito se fala sobre os impactos que a mineração de bitcoin (BTC) tem sobre o clima devido ao seu alto consumo de energia, um novo estudo trouxe outra perspectiva sobre o assunto: o lixo eletrônico gerado pela rede da criptomoeda. Isso porque movimentar um único bitcoin equivale ao descarte eletrônico de dois iPhones.

De acordo com uma nova análise realizada por economistas do banco central da Holanda em conjunto com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), o bitcoin e sua crescente atividade de mineração é um enorme incentivo à compra e descarte de eletrônicos. Segundo o estudo, uma única transação de bitcoin é responsável por gerar a mesma quantidade de lixo eletrônico que descartar dois iPhones 12 minis.

Mineração de bitcoin incentiva rotatividade de hardware

A enorme competitividade pelo processamento dos blocos de dados da rede do bitcoin acarreta em uma grande rotatividade de hardware. Os mineradores não podem ficar para trás de seus concorrentes e as máquinas responsáveis pela atividade devem sempre ser renovadas pelas mais potentes e de melhor custo-benefício do mercado.

Os aparelhos especializados em extrair bitcoin chamados ASICs são vendidos com o único propósito de executar os algoritmos que sustentam a rede da criptomoeda. Porém, além da competitividade do setor, os mineradores precisam colocar na balança a relação de gasto energético com lucro gerado pela máquina.

Leia Também:  Samsung Galaxy S21 FE é homologado pela Anatel para venda no Brasil

Novamente, os mineradores se veem com a necessidade de constantemente substituir seus modelos nem tão antigos de ASICs por mais novos para otimizar o lucro da atividade. O resultado desse constante processo é a geração de muito lixo eletrônico.

ASICs são trocadas a cada 1,29 anos

“A vida útil dos dispositivos de mineração de bitcoin permanece limitada a apenas 1,29 anos”, escrevem os pesquisadores Alex de Vries e Christian Stoll no artigo intitulado “O crescente problema de lixo eletrônico do Bitcoin”, publicado na revista Resources, Conservation and Recycling.

“Como resultado, estimamos que toda a rede bitcoin atualmente descarta 30,7 quilotons métricos de equipamentos por ano. Esse número é comparável à quantidade de pequenos resíduos de aparelhos de TI e telecomunicações produzidos por um país como a Holanda”.

Conforme aponta o levantamento, somente em 2020 a rede bitcoin processou 112,5 milhões de transações, o que significa que cada movimentação individual “equivale a pelo menos 272 gramas de lixo eletrônico”, o mesmo peso de dois iPhone 12 minis.

Equipamento de mineração raramente é reutilizado

O motivo pelo qual o lixo eletrônico é um problema tão grande para a criptomoeda é que, ao contrário da maioria dos hardwares de computação, as ASICs não têm nenhum uso alternativo além da mineração de bitcoins e, se não puderem ser usadas ​​para extrair o ativo de forma lucrativa, não terão nenhum propósito futuro.

Os autores do artigo destacam que, teoricamente, ainda é possível que esses dispositivos recuperem a capacidade de operar lucrativamente caso o preço do bitcoin aumente repentinamente e com isso a renda gerada pela mineração também decole. “No entanto, existem vários fatores que geralmente impedem a extensão substancial da vida útil dos dispositivos de mineração”, acrescentam os pesquisadores.

Acontece que até mesmo armazenar hardware de mineração custa dinheiro, geralmente relacionado a aluguéis de grandes espaços como galpões e andares vazios de prédios. Além disso, quanto mais tempo as ASICs são armazenadas, se torna menos provável que voltem a ser lucrativas.

Como conclusão, o artigo sugere que o único jeito de tentar reduzir esse problema seria uma otimização da rede do bitcoin, que a beneficiaria em todos os aspectos sua sustentabilidade. Porém, a mineração teria que ser substituída em sua totalidade para um modelo baseado em “proof of stake”. A Ethereum, da criptomoeda ether (ETH), já está com sua migração planejada para daqui a alguns meses para esse mesmo mecanismo, uma atualização extremamente aguardada por todo o mercado e que trará inúmeros benefícios.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA