Momento Tecnologia

Movimentar 1 bitcoin gera mesmo lixo eletrônico que descarte de 2 iPhones

Publicados

em


source
iPhone
Divulgação

iPhone

Enquanto muito se fala sobre os impactos que a mineração de bitcoin (BTC) tem sobre o clima devido ao seu alto consumo de energia, um novo estudo trouxe outra perspectiva sobre o assunto: o lixo eletrônico gerado pela rede da criptomoeda. Isso porque movimentar um único bitcoin equivale ao descarte eletrônico de dois iPhones.

De acordo com uma nova análise realizada por economistas do banco central da Holanda em conjunto com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), o bitcoin e sua crescente atividade de mineração é um enorme incentivo à compra e descarte de eletrônicos. Segundo o estudo, uma única transação de bitcoin é responsável por gerar a mesma quantidade de lixo eletrônico que descartar dois iPhones 12 minis.

Mineração de bitcoin incentiva rotatividade de hardware

A enorme competitividade pelo processamento dos blocos de dados da rede do bitcoin acarreta em uma grande rotatividade de hardware. Os mineradores não podem ficar para trás de seus concorrentes e as máquinas responsáveis pela atividade devem sempre ser renovadas pelas mais potentes e de melhor custo-benefício do mercado.

Os aparelhos especializados em extrair bitcoin chamados ASICs são vendidos com o único propósito de executar os algoritmos que sustentam a rede da criptomoeda. Porém, além da competitividade do setor, os mineradores precisam colocar na balança a relação de gasto energético com lucro gerado pela máquina.

Leia Também:  Xiaomi vende mais celulares que Apple, mas iPhone domina 75% dos lucros

Novamente, os mineradores se veem com a necessidade de constantemente substituir seus modelos nem tão antigos de ASICs por mais novos para otimizar o lucro da atividade. O resultado desse constante processo é a geração de muito lixo eletrônico.

ASICs são trocadas a cada 1,29 anos

“A vida útil dos dispositivos de mineração de bitcoin permanece limitada a apenas 1,29 anos”, escrevem os pesquisadores Alex de Vries e Christian Stoll no artigo intitulado “O crescente problema de lixo eletrônico do Bitcoin”, publicado na revista Resources, Conservation and Recycling.

“Como resultado, estimamos que toda a rede bitcoin atualmente descarta 30,7 quilotons métricos de equipamentos por ano. Esse número é comparável à quantidade de pequenos resíduos de aparelhos de TI e telecomunicações produzidos por um país como a Holanda”.

Conforme aponta o levantamento, somente em 2020 a rede bitcoin processou 112,5 milhões de transações, o que significa que cada movimentação individual “equivale a pelo menos 272 gramas de lixo eletrônico”, o mesmo peso de dois iPhone 12 minis.

Equipamento de mineração raramente é reutilizado

O motivo pelo qual o lixo eletrônico é um problema tão grande para a criptomoeda é que, ao contrário da maioria dos hardwares de computação, as ASICs não têm nenhum uso alternativo além da mineração de bitcoins e, se não puderem ser usadas ​​para extrair o ativo de forma lucrativa, não terão nenhum propósito futuro.

Os autores do artigo destacam que, teoricamente, ainda é possível que esses dispositivos recuperem a capacidade de operar lucrativamente caso o preço do bitcoin aumente repentinamente e com isso a renda gerada pela mineração também decole. “No entanto, existem vários fatores que geralmente impedem a extensão substancial da vida útil dos dispositivos de mineração”, acrescentam os pesquisadores.

Acontece que até mesmo armazenar hardware de mineração custa dinheiro, geralmente relacionado a aluguéis de grandes espaços como galpões e andares vazios de prédios. Além disso, quanto mais tempo as ASICs são armazenadas, se torna menos provável que voltem a ser lucrativas.

Como conclusão, o artigo sugere que o único jeito de tentar reduzir esse problema seria uma otimização da rede do bitcoin, que a beneficiaria em todos os aspectos sua sustentabilidade. Porém, a mineração teria que ser substituída em sua totalidade para um modelo baseado em “proof of stake”. A Ethereum, da criptomoeda ether (ETH), já está com sua migração planejada para daqui a alguns meses para esse mesmo mecanismo, uma atualização extremamente aguardada por todo o mercado e que trará inúmeros benefícios.

Propaganda

Momento Tecnologia

Os 7 jogos da Square Enix mais populares

Publicados

em


source
Conheça as franquias mais populares
Reprodução

Conheça as franquias mais populares

Algumas franquias da produtora nos acompanham desde o século passado. Veja abaixo, os 7 jogos da Square Enix mais populares, em relação direta com o volume de vendas e arrecadação. Para evitar ficarmos apenas em variações de títulos da mesma história, reduzimos a lista em franquias.

7. Chrono Trigger

Um RPG clássico e considerado por muitos o melhor das gerações antigas de consoles. Chrono Trigger começou sua franquia em 1995 para o SNES, vendendo cerca de 5 milhões de cópias. Dois jogos dificilmente fazem uma franquia, mas a verdade é que havia um segundo jogo sobre o qual poucos ocidentais conhecem na série Chrono. Radical Dreamers foi um lançamento apenas no Super Nintendo japonês, ou Super Famicom. Lançado em 1996 como uma animação e serve de base para o que se tornaria Chrono Cross em 1999.

  • Ano de lançamento: 1995
  • Plataformas: Windows, SNES, Nintendo DS, Wii, PS1, PS3

6. SaGA

SaGA começou a franquia em 1989 para o Game Boy e vendeu cerca de 10 milhões de unidades. Na verdade, foi como um spin-off de Final Fantasy no Ocidente, chamado The Final Fantasy Legend em 1990.

Todos os três jogos de Game Boy seriam rotulados assim e o primeiro jogo verdadeiro SaGA lançado aqui que permaneceu fiel ao nome foi SaGa Frontier para PS1.

  • Ano de lançamento: 1989
  • Plataformas: Game Boy, SNES, Wii, PS1

5. Mana

Mana começou sua franquia em 1991 para o Game Boy e vendeu por volta de 12 milhões de unidades. Isso também começou como um spin-off de Final Fantasy, mas ao contrário da franquia SaGA, este jogo também foi referido sob o banner Final Fantasy. O próximo jogo, Secret of Mana no SNES, é onde a série Mana realmente começou. O último jogo foi, na verdade, um remake da terceira entrada, Trials of Mana.

  • Ano de lançamento: 1991
  • Plataformas: Windows, PS1, PS2, PS3, Nintendo Switch, Nintendo DS, SNES, Game Boy,
Leia Também:  Aumento de 54% no tempo de tela mostra piora em estilo de vida na pandemia

4. Kingdom Hearts

Realmente, os maiores destaques da Square Enix são os jogos de RPG. Kingdom Hearts começou em 2002 para o PS2 e com 32 milhões de unidades vendidas. Isso é um grande salto em termos de vendas de franquia, mas só mostra o quão poderosa é uma marca Disney.

Leia Também

O último jogo foi Kingdom Hearts: Melody of Memory. A programação geral de lançamentos está em todo lugar, com remasterizações e spin-offs em abundância, Kingdom Hearts ainda não perdeu seus fãs quase duas décadas depois.

  • Ano de lançamento: 2002
  • Plataformas: Windows, PS2, PS3, PS4, Xbox One

3. Tomb Raider

Um respiro nos jogos de RPG. Tomb Raider teve seu primeiro título lançado em 1996 para o PS1 e vendeu algo em torno de 81 milhões de unidades. O último jogo foi Shadow of the Tomb Raider em 2018.

A equipe pode estar em uma pausa por um tempo, vendo como a Square Enix não ficou feliz com a maioria das vendas da trilogia recente. Eles foram considerados bons pela maioria das empresas, mas não o suficiente para a Square Enix. Lara Croft sempre volta, então não precisa se preocupar.

  • Ano de lançamento: 1996
  • Plataformas: Windows, Mac, Linux, Xbox 360, Xbox One, Series, PS1, PS3, PS4, PS5

2. Dragon Quest

Voltamos aos RPGs, o primeiro Dragon Quest é de 1986 para o NES — Nintendo 8 bits — e vendeu cerca de 82 milhões de unidades. O último jogo será Dragon Quest: The Adventure of Dai Infinity Strash, com previsão de lançamento em 2021 para diversas plataformas.

Leia Também:  Pré-venda do iPhone 13 no Brasil começa nesta sexta com preços de até R$ 15.499

É baseado em um mangá que começou em 1989 e se estendeu por trinta e sete volumes, que consistem em mais de trezentos capítulos. Houve também uma adaptação para anime que durou bem menos. No geral, Dragon Quest é o rei dos JRPGs puro e simples.

  • Ano de lançamento: 1986
  • Plataformas: SNES, Nintendo Switch, Game Boy, PS4

1. Final Fantasy

Não temos como fugir da série de jogos mais popular da Square Enix, seus inúmeros títulos lançados e carga de fãs. Final Fantasy começou sua franquia em 1987 para o NES e vendeu cerca de 159 milhões de unidades.

Dragon Quest pode ser o rei no Japão, mas Final Fantasy foi, e provavelmente sempre será, o embaixador dos RPGs japoneses em todo o mundo. O título mais recente, Final Fantasy XVI, está programado para estrear ainda em 2021. Com os atrasos que já aconteceram, é difícil acreditar, mas o fã sempre está torcendo.

  • Ano de lançamento: 1987
  • Plataformas: Windows, SNES, PlayStation, Game boy,

Menções Honrosas

Alguns jogos icônicos não entraram no top 7, mas merecem ser citados sempre:

  • Space Invaders;
  • Legacy of Kain;
  • Just Cause 2;
  • Hitman (títulos da produtora);
  • Nier Automata.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA