Momento Tecnologia

Procurando um celular novo? Confira dicas para aproveitar boas promoções

Publicados

em


source
Saiba como aproveitar boas promoções para comprar um celular novo
Divulgação

Saiba como aproveitar boas promoções para comprar um celular novo

Cada vez mais, os brasileiros têm tido dificuldade ao encontrar um smartphone de qualidade para trabalhar, seja ao atender clientes ou realizar videochamadas com a equipe. Afinal, no contexto atual, o isolamento vem exigindo novas modalidades de trabalho remoto, o que, por sua vez, requer um smartphone de boa especificação e durabilidade.

Só que as coisas não param por aí: no tempo livre, também é necessário contar com um dispositivo potente para os momentos de diversão. Aqui, o smartphone pode ser uma boa forma de entretenimento, com todas as suas ferramentas de vídeo, jogos, redes sociais, editores de foto e muito mais.

De um lado, necessidades de trabalho. De outro, recursos para se divertir. O problema é que, em meio à variedade de opções, no geral, encontrar um aparelho que dê conta de tudo também significa ter que investir muito dinheiro — já que os preços só aumentam. E é por isso que, nessas horas, o segredo está em encontrar boas promoções.

Com isso em mente, apresentamos a seguir dicas para conseguir boas condições de compra e adquirir o melhor celular para a sua realidade. Confira!

Onde comprar um bom smartphone?

Se você ainda não sabe qual modelo quer comprar, o primeiro passo é descobrir qual o seu perfil de consumidor. Quem gosta de fotografia vai exigir câmeras de grande qualidade, enquanto uma pessoa que prefere utilizar o aparelho para jogar precisa de um que seja compatível com esse hábito.

Por esse motivo, identificar as especificações que seu aparelho deve ter já é o primeiro passo para saber onde encontrá-lo por um preço adequado. Afinal, nada adianta ter o smartphone de primeira linha se ele custou caro e você não utiliza os recursos tecnológicos, quando valeria mais a pena investir em um aparelho mais barato.

Agora, se já sabe qual aparelho comprar, então é hora de analisar os preços. Tenha em mente que grandes lojas oferecem preços similares nos produtos, mas algumas ofertas, variações no custo de frete e descontos em pagamentos à vista são diferenciais importantes em uma compra de alto custo.

Leia Também:  Apple ameaçou Facebook por manter rede de tráfico humano e escravidão

Além disso, algumas lojas podem ter promoções específicas que você deve acompanhar. Nossa dica é: crie uma tabela com todos os preços que encontrar em sua pesquisa. A partir daí, vale acompanhar se houve alguma mudança e ter certeza de qual é o preço mais alto e mais baixo pelo qual você encontra o aparelho.

Sempre compre em lojas com boa reputação. Além de ter garantia da procedência do produto, grandes comércios oferecem preços competitivos, entrega mais rápida e barata e ainda podem ter cupons e ofertas de cashback.

Quando comprar um smartphone?

Não existe uma época certa para se comprar um novo celular. No entanto, há algumas diretrizes que você pode seguir para tentar encontrar uma boa oferta. A primeira delas é: fique de olho nas datas de lançamentos de novos produtos.

Grandes fabricantes como a Apple e a Samsung têm lançamentos anuais de novas linhas e aparelhos. Assim, se você tiver disposto a comprar o modelo anterior, já sabe quando ele entrará em promoções, pois as empresas costumam abaixar os preços dos aparelhos antigos quando os novos chegam. Já se o seu objetivo for comprar o modelo mais recente, sabendo a data de lançamento é possível ver qual a melhor forma de comprar o seu e se programar.

Existem também datas comemorativas relacionadas a compras, promovidas por lojas como incentivo ao consumidor. Além de ocasiões como Dia das Mães, Dia dos Pais e Natal, as marcas utilizam momentos como a Semana do Consumidor e a Black Friday para liberar novas ofertas aos clientes.

Você viu?

Pontos e ofertas de operadoras

Você pode comprar um aparelho celular em grandes redes de comércio, lojas físicas, online e até marketplaces. Porém, outra opção é comprar diretamente na loja da operadora, seja ela física ou online.

De forma geral, as operadoras oferecem venda casada de produtos com a adesão a um bom plano de internet móvel. Assim, o cliente, para conseguir a oferta no produto, deve assinar um contrato com a operadora atrelado a uma fidelidade.

Essa modalidade pode ser útil, já que as operadoras oferecem grandes descontos no processo. Para quem geralmente se mantém na mesma operadora, pode ser uma boa escolha. Pelo período da fidelização, que geralmente gira em torno de um ano, você tem um celular com desconto e um plano de serviços adicionais.

Leia Também:  Movimentar 1 bitcoin gera mesmo lixo eletrônico que descarte de 2 iPhones

Há também os programas de pontos, que fidelizam os clientes oferecendo recompensas pelo uso prolongado da operadora em forma de descontos em aparelhos celulares de alto custo.

Mas é importante olhar para todo o cenário. Na maior parte das vezes, o celular avulso sai mais em conta que o celular atrelado a um plano, ao menos a longo prazo. Se a oferta for muito boa, é possível que valha a pena. Mas, mesmo que sua operadora ofereça um bom preço, é muito importante analisar outras opções.

Cuidado com ofertas incríveis demais

Se a oferta parecer boa demais para ser verdade, provavelmente é porque não é.

Principalmente no e-commerce, o consumidor pode sofrer golpes. Portanto, se o aparelho está sendo comercializado por um preço muito abaixo do mercado, desconfie! É sempre bom analisar se o site é confiável, se há sistema de segurança que preserva seus dados, entre outros.

Um golpe comum é que o anúncio seja falso, uma vitrine para atrair clientes e roubar seu dinheiro. É sempre importante ficar atento com as falsificações: você pode achar que está comprando um bom aparelho quando na verdade está adquirindo um item muito inferior.

Colocando essas dicas em prática, a compra de um celular se torna mais fácil, rápida, segura e econômica.

Decidiu seu novo smartphone? Agora saiba como aproveitar promoções de planos de celular

Segundo pesquisa realizada pelo IBGE, 79% dos brasileiros acima dos 10 anos possuem um aparelho móvel para fins pessoais ou profissionais. Dessas pessoas, 88% acessam a internet pelo celular.

Portanto, para o consumidor, além de um bom preço para seu aparelho, é importante conseguir também um plano de celular que seja adequado para o que precisa. Seja em relação a dados móveis, ligações, SMS e outras funcionalidades do plano, a relação custo x benefício deve ser avaliada.

Pode ficar difícil acompanhar as ofertas de cada operadora, mas alguns sites especializados como o  Melhor Plano podem te ajudar a compará-las. Assim você pode escolher um plano de qualidade e bom preço para usar no smartphone que acabou de comprar!


Propaganda

Momento Tecnologia

Movimentar 1 bitcoin gera mesmo lixo eletrônico que descarte de 2 iPhones

Publicados

em


source
iPhone
Divulgação

iPhone

Enquanto muito se fala sobre os impactos que a mineração de bitcoin (BTC) tem sobre o clima devido ao seu alto consumo de energia, um novo estudo trouxe outra perspectiva sobre o assunto: o lixo eletrônico gerado pela rede da criptomoeda. Isso porque movimentar um único bitcoin equivale ao descarte eletrônico de dois iPhones.

De acordo com uma nova análise realizada por economistas do banco central da Holanda em conjunto com o Massachusetts Institute of Technology (MIT), o bitcoin e sua crescente atividade de mineração é um enorme incentivo à compra e descarte de eletrônicos. Segundo o estudo, uma única transação de bitcoin é responsável por gerar a mesma quantidade de lixo eletrônico que descartar dois iPhones 12 minis.

Mineração de bitcoin incentiva rotatividade de hardware

A enorme competitividade pelo processamento dos blocos de dados da rede do bitcoin acarreta em uma grande rotatividade de hardware. Os mineradores não podem ficar para trás de seus concorrentes e as máquinas responsáveis pela atividade devem sempre ser renovadas pelas mais potentes e de melhor custo-benefício do mercado.

Os aparelhos especializados em extrair bitcoin chamados ASICs são vendidos com o único propósito de executar os algoritmos que sustentam a rede da criptomoeda. Porém, além da competitividade do setor, os mineradores precisam colocar na balança a relação de gasto energético com lucro gerado pela máquina.

Leia Também:  Meme da Chloe será leiloado como NFT; relembre

Novamente, os mineradores se veem com a necessidade de constantemente substituir seus modelos nem tão antigos de ASICs por mais novos para otimizar o lucro da atividade. O resultado desse constante processo é a geração de muito lixo eletrônico.

ASICs são trocadas a cada 1,29 anos

“A vida útil dos dispositivos de mineração de bitcoin permanece limitada a apenas 1,29 anos”, escrevem os pesquisadores Alex de Vries e Christian Stoll no artigo intitulado “O crescente problema de lixo eletrônico do Bitcoin”, publicado na revista Resources, Conservation and Recycling.

“Como resultado, estimamos que toda a rede bitcoin atualmente descarta 30,7 quilotons métricos de equipamentos por ano. Esse número é comparável à quantidade de pequenos resíduos de aparelhos de TI e telecomunicações produzidos por um país como a Holanda”.

Conforme aponta o levantamento, somente em 2020 a rede bitcoin processou 112,5 milhões de transações, o que significa que cada movimentação individual “equivale a pelo menos 272 gramas de lixo eletrônico”, o mesmo peso de dois iPhone 12 minis.

Equipamento de mineração raramente é reutilizado

O motivo pelo qual o lixo eletrônico é um problema tão grande para a criptomoeda é que, ao contrário da maioria dos hardwares de computação, as ASICs não têm nenhum uso alternativo além da mineração de bitcoins e, se não puderem ser usadas ​​para extrair o ativo de forma lucrativa, não terão nenhum propósito futuro.

Os autores do artigo destacam que, teoricamente, ainda é possível que esses dispositivos recuperem a capacidade de operar lucrativamente caso o preço do bitcoin aumente repentinamente e com isso a renda gerada pela mineração também decole. “No entanto, existem vários fatores que geralmente impedem a extensão substancial da vida útil dos dispositivos de mineração”, acrescentam os pesquisadores.

Acontece que até mesmo armazenar hardware de mineração custa dinheiro, geralmente relacionado a aluguéis de grandes espaços como galpões e andares vazios de prédios. Além disso, quanto mais tempo as ASICs são armazenadas, se torna menos provável que voltem a ser lucrativas.

Como conclusão, o artigo sugere que o único jeito de tentar reduzir esse problema seria uma otimização da rede do bitcoin, que a beneficiaria em todos os aspectos sua sustentabilidade. Porém, a mineração teria que ser substituída em sua totalidade para um modelo baseado em “proof of stake”. A Ethereum, da criptomoeda ether (ETH), já está com sua migração planejada para daqui a alguns meses para esse mesmo mecanismo, uma atualização extremamente aguardada por todo o mercado e que trará inúmeros benefícios.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA