Carros e Motos

Como é o dia a dia com um carro elétrico? Proprietário conta detalhes

Publicados

em

source
JAC E-JS1 é o primeiro veículo elétrico de Cleber Soares, que já rodou mais de 28 mil km com o carro
Divulgação

JAC E-JS1 é o primeiro veículo elétrico de Cleber Soares, que já rodou mais de 28 mil km com o carro

Carros elétricos já são realidade em grandes cidades do Brasil, com o mercado crescendo, mais pessoas se interessam por esses carros, mais duvidas surgem a respeito da nova tecnologia e as comparações com o carro a combustão se tornam inevitáveis.

Segundo a ABVE, o mercado de eletrificados (elétricos e híbridos) cresceu 115% no primeiro trimestre desse ano quando comparado ao mesmo período de 2021.

Os dados a NeoCharge informam que São Paulo é o estado com maior número de carros 100% elétricos com 2005 modelos emplacados, sendo que na capital esse número passa para 944 unidades, sendo o modelo XC40 Recharge, da Volvo, o mais popular na cidade com 178 emplacamentos.

Entretanto, recortando o país inteiro, o modelo 100% elétrico líder de vendas é o Nissan Leaf , com 764 unidades vendidas, mas sendo acompanhado de perto pelo Volvo XC40 .

É interessante observar também que o acompanhamento da NeoCharge mostra que o JAC E-JS1 é o 10º modelo 100% elétrico vendido no Brasil e é justamente o veículo do nosso entrevistado para essa matéria.

Conversamos com Cleber Soares, empresário de 46 anos, morador de São Paulo, para entender um pouco mais sobre a utilização prática e diária de um carro elétrico na maior cidade do país. Ele nos conta que seu JAC E-JS1 é seu primeiro carro elétrico e foi comprado em novembro no ano passado, e com seis meses rodando com o veículo, percorre cerca de 1.000 km por dia. Mas há outras questões que fizemos, como pode ser conferido a seguir. 

1Quando comprou o JAC E-JS1 levou um carregador, certo? Qual foi o critério da escolha do local para instalação?

Recebi um quando comprei o carro, da própria Jac Motors . Instalei na minha empresa em Poá, SP, onde existem poucas opções de carregamento. Meu carregador é compartilhado no aplicativo Plug & Share para atender alguma emergência de algum usuário de carro elétrico.

Minha escolha no local de carregamento levou em conta o seguinte: como posso carregar meu carro a noite em uma tomada 220V comum e consigo 150 km de autonomia em 8 horas, complemento a carga na empresa, se necessário. Às vezes passo a semana toda sem carregar na minha empresa.

2Qual foi o impacto na conta de luz que esse carregamento causou? Mesmo com isso, valeu mais a pena do que arcar com o custo de um carro a combustão?

Leia Também:  Marca espanhola Silence lança scooter elétrico S01+ Connected

Ligo em uma tomada 220v e carrega 50% da bateria em 8 horas. Minha conta de luz aumentou R$ 300 por mês. Antes eu gastava mais de R$ 3 mil  mensais em combustível, troca de óleo, filtros e outras manutenções dos carros a combustão. ”  

A infraestrutura de carregadores está avançando no Brasil, mas ainda é  preciso se planejar antes de sair de casa
Divulgação

A infraestrutura de carregadores está avançando no Brasil, mas ainda é preciso se planejar antes de sair de casa

3- Alguma vez já ficou sem energia na rua, ou nunca passou por isso?

“N ão. Nunca. No carro elétrico, eu preciso encontrar uma tomada. Normalmente é mais fácil encontrar uma tomada do que um posto de gasolina em locais mais afastados. Com um carregador portátil , posso ajustar a potência de carga e carregar sem dificuldade. Fiz isso na viagem a Gramado (RS). Toda noite meu carro carregava em uma tomada 220 V na pousada que fiquei. Paguei 15 reais a mais por carga realizada no local.

O maior cuidado está durante longas viagens, onde é necessário ter planejamento e saber onde carregar o carro. Ao ter um carro elétrico passei a me preocupar em verificar antes quais seriam minhas paradas, em que postos de conveniência eu poderia parar. Tenho uma extensão dentro do porta malas caso seja necessário, não foi necessário em 6 viagens que já fiz com mais de 500 km até agora.

4Como você tem lidado com o tempo que o carro necessita para carregar durante viagens?Para viajar preciso me programar para gastar algumas horas a mais. Faço isso programando paradas para dormir em hotéis que tenham carga para carro elétrico , locais onde possa almoçar e passar mais tempo, como em shoppings ou postos de combustível com boa estrutura de conveniência.

Fiz isso ao viajar para Gramado (RS) em março de 2022. Parei na ida em Curitiba (PR), Bombinhas (SC) e Tubarão (SC), e fiz turismo nessas cidades. O dinheiro que gastaria com combustível usei para melhorar meu passeio. Foram 1.800,00 reais economizados em combustível na viagem.

5 Pode nos contar quais são os pontos positivos sentiu com os veículos elétricos após comprar o seu?

Positivamente foi o torque instantâneo, permite agilidade em qualquer situação de trânsito ou estrada. Conforto, pois não ouço motor e o carro não vibra, não troco marchas e conduzo o carro de forma muito mais tranquila. Freio regenerativo, o carro mantém consumo na cidade melhor do que na estrada, e senti que a condução no trânsito é muito mais prazerosa. Mas uma surpresa negativa é que não tenho muitas opções para carga do carro em estradas.

Veículos elétricos têm suas peculiaridades, mas quase não dão problemas, com baixa manutenção
Thiago Garcia/Arquivo Pessoal

Veículos elétricos têm suas peculiaridades, mas quase não dão problemas, com baixa manutenção

Leia Também:  Max Verstappen é garoto propaganda de carro elétrico da Honda

6Quais são os fatores que motivaram a comprar um carro elétrico no lugar de um a combustão?

A certeza que o carro elétrico é melhor do que o carro a combustão. Ele não polui o ar por onde eu trânsito, não faz barulho. Por ser uma máquina mais simples, ele é muito mais confiável . Ele não quebra, não para, não dá manutenção como um carro a combustão. É mais seguro para dirigir, pois não carrega um combustível inflamável e é mais estável nas curvas. Ele responde mais rápido em retomadas, tornando mais seguro para dirigir.

7Já chegou à conclusão que ter um carro elétrico sai mais barato do que ter um a combustão?

Sim, mais barato, pois o que eu invisto hoje no carro, recupero na economia de combustível, óleo, filtros, velas e tempo de manutenção que é incrivelmente menor do que em um carro a combustão. As baterias podem ser atualizadas em módulos.

Não há necessidade de troca de todo conjunto. Eu economizarei em 15 anos R$ 540 mil em combustível . Isso é 3 a 4 vezes o valor do próprio carro. Não faz sentido utilizar um carro a combustão.

8 Quais são os principais desafios para quem tem um carro elétrico hoje em dia no Brasil?

Pequena rede de carregamento fora de casa, dificuldade para carregar em condomínios de apartamentos, quase nenhuma estrutura para carga em estradas, falta de mão de obra especializada para manutenção de carros elétricos e falta de incentivos fiscais para uso do carro elétrico. ” 

Meu carro tem hj 28 mil km rodados e não apresentou nenhum problema de desgaste . Apenas reparei 1 vez um pneu furado, mas sei que em algum momento não terei 300 km de autonomia. 

Já conheço uma oficina especializada em manutenção de baterias em Brusque (SC). Fiz questão de conhecer o dono, que já recebe os primeiros carros híbridos que já necessitam de manutenção, como o Ford Fusion e o Toyota Prius . O carro sai como se estivesse com a bateria zero km.

O desenvolvimento de mão de obra especializada vai ocorrer conforme existir demanda. Foi assim quando a chegada do sistema de injeção eletrônica. Já existem cursos e gente séria divulgando e treinando oficinas interessadas. Espero que a mudança ocorra em breve, para o bem do nosso planeta e para os nossos bolsos.

A mão de obra especializada em carros elétricos no Brasil tende a aumentar, tranquilizando os proprietários
Divulgação

A mão de obra especializada em carros elétricos no Brasil tende a aumentar, tranquilizando os proprietários

O depoimento de Cleber é muito interessante para desmistificar muitos preconceitos que o consumidor geral de automóveis tem com os carros elétricos .

Não são muito complexos, pelo contrário, mas é necessária uma condução diferente do habitual, o motorista precisa ficar atento a outros fatores como autonomia e onde terão carregadores, ainda mais nesse momento de escassez de pontos de carga no Brasil.

A tendência é sempre de melhora na rede, mas Cleber nos mostra que sim, é possível viver com um carro elétrico e até fazer grandes viagens, mas tem que estar disposto a mudar o estilo de viajar.

Fonte: IG CARROS

Propaganda

Carros e Motos

Testamos o hidratante específico Hidrata Couro da Finisher

Publicados

em


Comercializado por um preço médio de R$ 20, o Hidrata Couro da Finisher hidrata o couro, revelando a cor original
Divulgação

Comercializado por um preço médio de R$ 20, o Hidrata Couro da Finisher hidrata o couro, revelando a cor original

Nem sempre os produtos para hidratar bancos de couro, courvin ou partes plásticas de acabamento dão conta do recado: alguns podem deixar lambuzados podendo manchar roupas, outros dão mais trabalho na hora da aplicação.

Mas um que me chamou a atenção é o da Finisher. Vendido em bisnaga de 150 gramas, seu aspecto é denso em forma de creme e essa consistência garante que não escorra pela esponja aplicadora, que não vem com o produto.

Sua ação desenvolvedora de maciez e flexibilidade hidrata o couro, seja ele sintético ou natural, sem deixar aquele aspecto lambuzado , o que é de vital importância para impedir o surgimento de manchas na roupa, principalmente se estas forem claras.

Leia Também:  Testamos o hidratante específico Hidrata Couro da Finisher

Para certificar de sua eficiência, aplicados o Hidrata Couro da Finisher em dois carros com bancos de couro de tonalidades diferentes: preto e cinza. É válido lembrar que é preciso fazer uma limpeza do material que deve estar completamente livre de sujeira e seco.

banco
Divulgação

Hidrata couro deve ser usado pelo menos uma vez a cada seis meses para funcionar com eficiência

Com a ajuda de uma esponja ou mesmo uma flanela , espalhamos cerca de 30 gramas aproximadamente do produto no aplicador em uma pequena área e esperamos alguns minutos para que a cura do composto polímero pudesse agir. Feito isso, demos o acabamento com uma flanela seca e limpa de microfibra.

O acabamento tanto no revestimento de cor preta quanto o cinza é notório, e deixa bem próximo ao original, com pouco brilho e protegido contra a ação do sol que pode até trincar o couro , em alguns casos.

Por isso, nesses casos, recomendo fazer pelo menos, uma aplicação a cada seis meses em todas as forrações de couro, incluindo o da porta e, principalmente em painéis, caso seja forrado com este material.

Leia Também:  Nova geração do Kia Sportage já aparece no site da marca no Brasil

Uma dica para os bancos em couro com acabamento enrugado é aplicar o hidratante em um pincel para poder alcançar os cantinhos mais apertados, lembrando que essa regra vale também para as demais áreas de difícil acesso.

Comercializado por um preço médio de R$ 20 , o Hidrata Couro da Finisher hidrata o couro, revelando a cor original, elevando a maciez e evitando rachaduras no material, tal como as promessas na embalagem citam.

Hidrata Couro da Finisher

Valor médio: R$ 20

Mais informações: www.finisher.com.br


Fonte: IG CARROS

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI