MOMENTO MULHER

Mulheres precisam se unir “pelo bem do Brasil”, diz Luiza Trajano

Publicados

em

Luiza Trajano aborda mercado de trabalho para mulheres no 1º Congresso da Mulher Brasileira
Divulgação

Luiza Trajano aborda mercado de trabalho para mulheres no 1º Congresso da Mulher Brasileira

Mais de 1,2 mil mulheres preencheram o Teatro Bradesco, em São Paulo, para participar do 1º Congresso da Mulher Brasileira na manhã da última terça-feira (28). O evento reuniu lideranças femininas de diversas frentes do setor econômico. Entre as painelistas do dia estavam a empresária Luiza Trajano, presidente do conselho de administração do Magazine Luiza, que abriu o evento falando de sua trajetória profissional, política e da necessidade de união entre mulheres no mercado de trabalho.

O Congresso foi idealizado pelo Instituto Vasselo Goldoni (IVG), organização que trabalha com incentivo ao protagonismo de mulheres no mercado de trabalho, bem como equidade de gênero e autoestima feminina nos negócios – valores que foram difundidos ao longo de quatro horas de duração do congresso. O evento contou com apoio do Banco Bradesco e de mais de 20 organizações que fomentam a participação de mulheres em diversas áreas econômicas.

“O mercado de trabalho nunca esteve tão aberto para ter mais mulheres em cargos de direitos e CEO. A cada 10 pedidos de diretoria, seis são para que mulheres ocupem o cargo. Nunca pensei que escutaria isso”, conta Trajano à reportagem do iG Delas, posteriormente ao evento.

Trajano discursou por quase 48 minutos e abordou a sororidade, o tema do evento, e a intensificação das mulheres em cargos de diretoria. A empresária também apontou as metas e ações de seu grupo político, o Mulheres do Brasil, que foi fundado em 2013. “Quando começamos o grupo não se falava em empreendedorismo, muito menos empreendedorismo de mulheres. Isso há nove anos, não faz tanto tempo assim. De repente a mulher ficou importante”, afirma.

Trajano atribui essa abertura para uma mudança no modelo de gestão que, para ela, passou de um esquema mecânico para orgânico. “Todo tipo de gestão era muito mecânica, as pessoas eram vistas como máquinas, o que não era verdade. Os estudos sobre gestão começaram a mudar na década de 1990, passando para algo mais orgânico”, diz.

A empresária lembra que, na mesma época dessa transição, passou a mudar a forma de trabalhar – e foi julgada por isso. “Nos anos 1990 tirei o salto, coloquei olho no olho. As pessoas estranharam muito o que eu estava fazendo. Tudo era muito cheio de processos”, acrescenta.

Trajano vê a pandemia como um intensificador da implementação da gestão orgânica e aponta que, devido às necessidades de testes e adaptação, as mulheres estavam mais preparadas para ele: “Somos criadas assim por natureza”.

A presidente do Magazine Luiza encorajou que as profissionais mulheres se unam para conseguir ocupar espaços e criar oportunidade para outras mulheres: “Tem uma premissa que diz que mulher não é amiga de mulher. É mentira, e é a primeira coisa que temos que quebrar. Precisamos pregar o tema sororidade”, aponta. “Não somos e não podemos ser contra os homens. Somos a favor das mulheres. Tem uma grande diferença. Chegou a nossa vez. Vamos nos unir e fazer diferente do que fizeram conosco”, continua.

Leia Também:  Ane Macedo: pais são essenciais no desenvolvimento dos filhos

Política

Luiza Trajano fala para 1,2 mil mulheres no 1º Congresso da Mulher Brasileira na última terça-feira (28)
Divulgação

Luiza Trajano fala para 1,2 mil mulheres no 1º Congresso da Mulher Brasileira na última terça-feira (28)

Trajano aproveitou o evento para anunciar a ação Pula Para 50, do Mulheres do Brasil, que tem como objetivo incentivar candidaturas femininas e fazer com que o percentual de ocupação do Congresso por elas seja de 50%. A empresária explica que, para participar, a candidata precisa se comprometer com a igualdade, educação e saúde para todos e ser a favor da democracia.

O grupo também prepara quatro metas para entregar aos candidatos à presidência para que se comprometam com a criação de empregos, moradia, saúde e educação para toda a população brasileira.

“O que muda o país é política pública, minha gente, e quem precisa fazer isso é a sociedade civil. Nós colocamos as pessoas lá. As grandes transformações do país nasceram da sociedade civil organizada. Estamos tentando fazer os movimentos se juntarem”, diz Trajano.

A empresária criticou a polarização do debate político do Brasil e afirmou que não tem “o compromisso de ser perfeita”. “As pessoas falam: ‘Ela é PT, ela é não sei o que’. Eu sou eu. Resolvi optar por trabalhar pelo Brasil. Fui muito convidada para ser candidata a presidente, mas não sou. Não tenho vontade de me filiar. Sou uma política que luta pelo Brasil e tenho um grupo político de mulheres”, declara.

“Ter diálogo com o outro conecta, e estamos vivendo uma conversa totalmente desconectada no Brasil e no mundo. Temos que ter unidade, e nós, mulheres, precisamos fazer isso. Precisamos nos unir pelo bem do Brasil. […] Quando falo que sou a favor da Bolsa Família, sou esquerda. Quando sou a favor da privatização, sou direita. Tomo paulada de tudo quanto é lado. Mas sou pelo Brasil”, acrescenta. Questionada sobre em quem iria votar para presidente nas eleições deste ano, Trajano ri e responde: “Pelo Brasil”.

Aliadas pela Sororidade

O evento também marcou o lançamento do movimento “Aliadas pela Sororidade”. Edna Vasselo Goldoni, presidente e fundadora do IVG, explica que a iniciativa é um fomento para que as mulheres possam se apoiar no mercado de trabalho.

“O movimento nasceu com a missão de difundir a irmandade e a consciência de quanto nós precisamos apoiar outras mulheres. Sororidade é irmandade: é uma mulher apoiar, ajudar e acreditar na força de outra mulher. É disso que precisamos para fazer mudanças no mundo”, afirma Goldoni, que complementa ao afirmar se sentir realizada em poder desempenhar esse papel com o instituto: “Foram 40 anos de dedicação à causa da mulher. Acredito na força da mulher e tenho orgulho de, hoje, ser o palco de um dos maiores congressos da mulher brasileira aqui no país”.

Para Glaucimar Peticov, diretora executiva do Bradesco, o 1º Congresso da Mulher Brasileira levou muito tempo para ser desenvolvido “porque é uma jornada que estamos construindo em que as mulheres se fortalecem a cada dia, além de nossas competências técnicas e comportamentais”.

Leia Também:  Laura Keller mostra como recuperou forma física pós-gravidez

“O Congresso é fruto dessa união entre várias mulheres que estão sendo marcadas em vários segmentos e dando seu recado. Queremos fazer com que as mulheres se iluminem, percebam sua capacidade e potencial e acreditem naquela frase tão utilizada de que o lugar da mulher é onde ela quer. Para que isso aconteça, precisamos nos sentir proprietárias disso”, acrescenta Peticov.

“Estar com mais de mil mulheres aqui é extremamente importante para a gente começar a fazer esse ponteiro girar mais rápido. Se a gente não se movimentar, segundo as pesquisas, vamos demorar 267 anos para que a gente tenha, pelo menos, uma igualdade de salário”, aponta Sandra Takata, presidente do Instituto Mulheres do Varejo, ao citar dados divulgados em 2021 pela Global Gender Gap Report. “Estar em um evento como esse é extremamente importante e transformador. É uma evolução”, acrescenta.

Diversidade de demandas

Além da diversidade de áreas de atuação, que abrangeram desde o agronegócio ao ramo de tecnologia e ciências, o Congresso evidenciou a amplitude de demanda de mulheres que pedem pela equidade de gênero, com foco também nas mulheres negras, travestis, trans, com deficiência, indígenas e com atuação na periferia.

A advogada e fundadora da Transempregos, Márcia Rocha, comemorou os avanços que têm percebido na inserção da população transgênero, que inclui mulheres trans e travestis, no mercado formal de trabalho. “Estamos crescendo e proporcionando milhares de contratações”, diz. “Quando a gente dá oportunidade para alguém, a gente muda a realidade dela, da família, do contexto. As pessoas começam a ver a pessoa trans de forma diferente – e é do que precisamos a longo prazo”, acrescenta Rocha.

Amanda Oliveira, CEO do instituto Valquírias World, se aprofundou sobre a necessidade de erradicação da pobreza por meio de projetos como o Favela 3D, coordenado por ela ao lado do empreendedor social Edu Lyra – que foi o único homem painelista do congresso. A Favela 3D atua ao lado de moradores da Favela Marte, em São José do Rio Preto, para transformar os arredores da comunidade junto dos residentes.

“Erradicar a pobreza no Brasil requer resiliência e empatia. A pobreza manipula a cabeça das pessoas e as faz acreditar que não há nada para elas. Você não consegue pensar em prosperar se tudo o que se pensa o dia todo é se vai ter comida na mesa para o filho, se vai ter leite ou se a roupa para usar na entrevista de emprego está boa. Como pensar em um futuro em meio ao caos?”, questiona Oliveira no palco.

Stania Moraes é cofundadora do W-CFO Brasil, organização que visa impulsionar as mulheres na área financeira, setor em que o percentual de atuação delas é de apenas 15%. Moraes reforça que o percentual é o mesmo desde que ela começou sua trajetória profissional há 30 anos, o que indica a necessidade de mudanças para possibilitar a participação feminina.

“Precisamos perceber o quanto a gente precisa estar cada vez mais juntas para trazer essa sororidade e esse aconchego de perceber que a gente pode, realmente, conquistar espaços. Temos percebido a necessidade de estarmos juntas independente de segmento, posições, faixa etária ou condição social e financeira. É importante valorizar o que somos como mulheres e potenciais de realizar o que quisermos fazer na vida”, declara Moraes.

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MOMENTO MULHER

Alta no engajamento na paternidade não anula incidência de pai ausente

Publicados

em

Homens precisam se sentir menos responsáveis em prover materialmente e mais implicados no cuidado direto, diz antropóloga
Tatiana Syrikova/Pexels

Homens precisam se sentir menos responsáveis em prover materialmente e mais implicados no cuidado direto, diz antropóloga

A discussão sobre paternidade ativa, por vezes chamada de “nova paternidade”, tem se tornado mais presente para homens que buscam se responsabilizar pelos cuidados com os filhos de forma equilibrada com suas parceiras. Da mesma forma, alguns pais também se mostram interessados em cumprir o papel de interromper o ciclo de comportamentos sociais prejudiciais por meio da educação.

Entre no canal do  iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Ao mesmo tempo que a “nova tendência” de paternidade exercida, principalmente, pelas gerações mais recentes causa ânimo, há na contramão a manutenção do mesmo sistema que contribui para a sobrecarga de tarefas para as mulheres, da perpetuação da figura do pai ausente, da violência doméstica e do abandono paternal – cujo alto índice bateu recordes em 2022.

Só no primeiro semestre deste ano, mais de 86 mil bebês brasileiros foram registrados sem o nome do pai , o maior número desde 2018. No entanto, deve-se levar em consideração as famílias nucleares em que o pai existe, mas não contribui com os cuidados básicos da criança ou do lar. Essa contradição faz parte da dinâmica do machismo estrutural na sociedade.

Marcia Thereza Couto, antropóloga e professora do departamento de medicina preventiva da Universidade de São Paulo (USP), estuda masculinidades há 20 anos. Ela aponta que, de fato, os homens passaram a buscar se envolver mais nas tarefas familiares e domésticas para se mostrarem presentes na vida dos filhos. No entanto, o perfil desses pais é muito específico e corresponde aos desejos de uma pequena parcela no Brasil.

“Essas micro mudanças estão acontecendo, principalmente, em homens de classes sociais média e alta e com escolaridade mais alta. Precisamos comemorar e estimular os avanços, mas não devemos nos deixar levar por uma ideia particular que representa o todo. A sociedade precisa de muita mudança”, afirma a antropóloga.

Siga também o perfil geral do Portal iG no Telegram !

Pais ausentes

Couto aponta que existe uma ausência no exercício de paternidade e de abordar o tema no processo de crescimento dos homens. Se para as mulheres esse é um papel obrigatório e de extensa preparação, para os homens é uma opção, algo facultativo.

“Não existe um diálogo sobre esse assunto em casa, na escola, no lazer ou na sociedade que traga ao homem essa dimensão e responsabilização de ser pai. Isso é ainda mais forte em lares em que se cresce sem um pai”, pontua a antropóloga.

Além de o homem ser socialmente “liberado” da paternidade e não saber lidar com ela, a antropóloga salienta que não há dificuldades na estrutura política, social e até judiciária para que essa participação plena aconteça. Isso porque os pais são condicionados apenas ao trabalho: “Nossa legislação impede o vínculo inicial de estabelecimento de reconhecer que ele não precisa só prover, mas que também deve dar o banho, cuidar da alimentação e do sono; ou seja, dos cuidados básicos mais atribuídos às mulheres”.

Leia Também:  Geração Z está transformando mercado da beleza, afirma pesquisa

Para exemplificar, ela cita os cinco dias corridos de licença paternidade que são garantidos por lei, um período muito curto para participar do início da vida da criança. Dados da Catho, plataforma que conecta empresas e candidatos, apenas pouco mais de 5% das empresas oferecem aos funcionários mais tempo de licença paternidade. Além disso, 68% dos pais no Brasil não fizeram uso da licença paternidade , segundo dados da consultoria Filhos no Currículo.

“Não temos políticas públicas ou privadas de aliança de trabalho que incentivem o exercício dessa paternidade, pelo menos nesses cinco dias. Me pergunto qual associação de RH de empresa sabe que um colaborador homem não tirou a licença”, indaga a antropóloga, emendando que essa é uma das razões pelas quais o homem passa a engajar mais na criação dos filhos a partir dos dois anos.

Em lares onde o homem é o único provedor material, há menos tempo de engajamento nos cuidados básicos do filho. “Esse contato é restringido por jornadas de trabalho extensas, cumpridas em situações degradantes. Por isso, esse homem vai realmente acreditar que a sua função de pai está em garantir a materialidade àquela criança, excluindo-o do cuidado e de outras atividades”.

Sobrecarga em mulheres

Sociedade naturaliza cuidados principais para as mães e função de provedor para os pais, o que amplifica as desigualdades de gênero
Pexels/nappy

Sociedade naturaliza cuidados principais para as mães e função de provedor para os pais, o que amplifica as desigualdades de gênero

Por outro lado, a estrutura patriarcal reforça para as mulheres, ao longo de toda a vida, que elas serão as principais responsáveis pelos cuidados básicos e pelo engajamento emocional dos filhos. Para o homem, é empurrada a responsabilidade financeira.

Adriana Drulla, mestre em psicologia positiva e especialista em parentalidade consciente, aponta que esse arranjo social causa desgaste físico e emocional intenso. Drulla alerta que essa sobrecarga resulta em altos índices de Síndrome de Burnout Materno. “Essa mulher assume muitos papéis e muitas obrigações e isso, obviamente, acaba prejudicando a saúde mental e a capacidade dela de cuidar de si mesma ou mesmo de outro ser humano, como o próprio filho”, salienta a especialista.

Por serem impostas desde a infância para o papel dos cuidados, essas mulheres sentem que não são permitidas a errar ou pedir ajuda, por exemplo. Isso resulta na sensação de “não dar conta”. Segundo o Instituto On The Go, só no Brasil, 51% das mães afirmam sentir culpa na maternidade por não conseguirem atingir a perfeição esperada delas.

“Se pensa que a mulher é naturalmente mãe ou que é uma tarefa intuitiva. Essa crença é uma das razões pelas quais as mulheres sofrem tanto, por exemplo, de depressão pós-parto. Elas se sentem inadequadas por acreditarem que precisam nascer sabendo, o que é uma grande ilusão”, afirma.

Leia Também:  Laura Keller mostra como recuperou forma física pós-gravidez

Uma nova paternidade

A pesquisa “Retrato da Paternidade no Brasil”, divulgada no último mês pela Grimpa e feita sob encomenda do Grupo Boticário, mede o impacto que os pais têm na educação infantil. Os dados priorizam pais de 25 a 55 anos com filhos de 5 a 15 anos, de classes sociais ABC.

O levantamento aponta que 90% deste grupo sentem a necessidade de ter cuidados diários quanto à educação e que devem ser compartilhados igualmente entre os responsáveis. Além disso, 56% deles querem ser um exemplo positivo para os filhos. Esse desejo impactou, por exemplo, no desejo de perpetuar a equidade de gênero e o respeito às diversidade.

Como exemplo, houve uma redução de 50% no uso da frase “seja homem” e de 36% quando se trata dos dizeres “menino não chora” – o que pode encorajar a liberdade dos filhos de expressarem os próprios sentimentos. Por fim, 69% relatam que explicam aos filhos que as diferenças sociais entre homens e mulheres existem e que é necessário minimizá-las.

“Nessa medida, há uma preocupação e um cuidado com as próprias atitudes, pois os pais se auto percebem como inspiração e influência no comportamento dos filhos, bem como na formação dos seus valores”, afirma Marisa Camargo, diretora de pesquisa da Grimpa. “O ganho disso é incomensurável. Há menos exigência de comportamentos dentro de padrões e a valorização de cada ser humano como indivíduo, com a possibilidade de expressar integralmente suas potencialidades independentemente de gênero, raça, sexualidade etc.”, acrescenta.

Camargo salienta que criar espaços de discursos e de atitudes que buscam impedir a perpetuação de conceitos antigos, bem como a abertura de espaço para que os filhos questionem e falem o que pensam, são atitudes que podem fazer a diferença e impactar na diminuição da desigualdade de gênero, por exemplo.

“As mudanças implicam em um esforço conjunto, em que os pais podem assumir um papel de agente transformadores. Ter uma postura criteriosa e questionadora sobre as próprias ações é fundamental para minimizar as diferenças que ainda perduram. Essa transformação está em expansão, mas há muito a ser conquistado”, salienta.

Do ponto de vista das relações cotidianas, Camargo aponta que os pais devem sair da posição de coadjuvante para serem protagonistas. “Compartilhar experiências, pensamentos, emoções e sua subjetividade são mudanças de atitude, uma transformação de postura, em que todos saem ganhando.”.

No entanto, Couto afirma que também é preciso que haja mudanças não apenas subjetivas, mas estruturais, como as mudanças de políticas de instituições públicas e privadas e da forma como se enxerga a paternidade – principalmente, deixando de acreditar que prover financeiramente é o sinal prioritário da participação.

“A estrutura patriarcal ainda precisa ser muito debatida para que esses homens possam se sentir menos culpados a prover materialmente e mais implicados no cuidado direto – algo que eles precisam aprender com as mulheres”, finaliza a antropóloga.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI