Momento +

Após um primeiro tempo morno e sem gols com emoção e gols no fim, Cruzeiro vence na estreia e diminui prejuízo na Série B

Publicados

em

O Cruzeiro fez seu dever de casa na primeira rodada da Série  B., neste sábado(08).

Jogando em casa, no Mineirão, o time de Enderson Moreira teve dificuldades no primeiro tempo, mas foi melhor na etapa final, abriu o placar com Cacá e sofreu um susto aos 40 minutos, quando Wellington Tanque empatou o jogo para o Botafogo-SP.

Ainda deu tempo para Jean, aos 42, recolocar a Raposa na frente e garantir a primeira vitória do time celeste na competição.

Foi uma primeira etapa pouco emocionante. Os dois times tiveram dificuldades para furar a defesa adversária, tanto que as melhores chances foram de fora da área (Naldo exigiu boa defesa de Fábio, e Marcelo Moreno exigiu boa intervenção de Darley). O Cruzeiro teve mais posse de bola, mas não conseguiu converter a estatística em chances claras. O placar parcial de 0 a 0 ficou justo pelo que foi o primeiro tempo.

No segundo tempo,  Cruzeiro voltou melhor, ocupando o campo de ataque e dominando as ações. Após um escanteio marcado pela arbitragem (o replay, depois, mostrou que o correto seria a marcação do tiro de meta), Cáceres aproveitou a sobra, cruzou na área, e Cacá abriu o placar, aos 17 minutos.

Leia Também:  Juíz da 1ª zona eleitoral de Cuiabá entende que máscaras e álcool em gel distribuídos com nomes de cadidato não configuram propaganda eleitoral

O 1 a 0 parecia ser o placar definitivo, mas ainda tinha muito jogo. Aos 40, Wellington Tanque empatou para o Botafogo-SP, mas o Cruzeiro ainda teve tempo de reagir, com Jean, aos 42, dando números finais ao jogo: 2 a 1.

 

Otavio Ventureli(da redação)

Momento +

Juíz da 1ª zona eleitoral de Cuiabá entende que máscaras e álcool em gel distribuídos com nomes de cadidato não configuram propaganda eleitoral

Publicados

em

O juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto(foto), da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, entendeu que máscaras e álcool em gel distribuídos com o nome do vereador Juca do Guaraná Filho  não configuram propaganda eleitoral antecipada.

O magistrado sentenciou uma ação movida pelo Ministério Público Eleitoral contra o parlamentar e julgou improcedente o pedido de condenação a ele.

Fidfelis chegou a dar liminar a favor do MP eleitoral em julho,  proibindo Juca de distribuir as máscaras. Contudo, ao analisar o mérito da ação, entendeu que não houve propaganda eleitoral por não haver pedido expresso de voto na distribuição das máscaras.

Além do aparato para o rosto, Juca também doou álcool em gel com o nome da empresa “Juca do Guaraná Transportes”. Para o MP Eleitoral, o vereador tentava inutilmente “dissuadir que a propaganda eleitoral seria referente a empresa” ao incluir o termo “transportes” na logomarca.

Juca chegou a fazer consulta pedindo parecer do MP Eleitoral sobre a destruição gratuita de “milhares de máscaras cirúrgicas e dosagens de álcool em gel” por meio do advogado Marcos Antônio Souza Laranhaga Carrara. O órgão recomendou a não distribuição dos itens e depois acabou acionando o vereador na Justiça Eleitoral, que deu a liminar em 10 de julho.

Leia Também:  Coronel da Polícia Militar de Mato Grosso e ex-Diretor do Hospital Militar do Estado morre na manhã desta quarta(16) com infecção generalizada

A defesa de Juca argumentou que a distribuição do material foi feita entre 22 e 29 de abril, “em um contexto social alarmante decorrente da pandemia do novo coronavírus, qual seja, em pleno ápice da escassez de EPIs”. Primeiro, teriam distribuído máscaras cirúrgicas brancas e no dia 29 daquele mês foram produzidos os materiais com a logomarca da empresa, que é da família de Juca.

Os advogados do parlamentar argumentam ainda que o Ministério Público foi avisado das doações quando foi feita a consulta pedindo parecer e que, depois de uma notificação recomendatória, o vereador não doou quaisquer novos materiais.

Também defendem que a distribuição de máscaras não seria propaganda eleitoral antecipada porque não havia pedido de votos, nem existia “potencialidade lesiva para prejudicar a normalidade do pleito eleitoral”.

“É relevante anotar que não se trata de convalidar a distribuição de brindes, na escalada inicial da pandemia de Covid-19, o que é expressamente vedado, inclusive em período eleitoral, mas sim, buscar saber se o material apreendido evidencia propaganda eleitoral ou se situa em um indiferente eleitoral”, registrou o juiz.

Geraldo Fidelis afirmou que a situação gera dúvida sobre a ocorrência de propaganda extemporânea pelo conteúdo do material, ainda que tivesse sido demonstrada preocupação com a saúde da população em meio à pandemia.

Leia Também:  Ministério Público MT denuncia Tenente Ledur por tortura e morte de aluno durante treinamentos militares do Corpo de Bombeiros de MT

Ele justificou a liminar em razão de uma “estranheza” inicial, mas reiterou que não houve pedido de votos.

“Não pode passar despercebido que o período de pandemia do novo coronavírus promoveu uma mudança de paradigmas não apenas na sociedade brasileira, mas também em toda a humanidade e, inclusive, como mencionado pela defesa, o envolvimento da iniciativa privativa na promoção de doações de toda ordem de bens, produtos e serviços, é fenômeno que pode ser visto em todos os meios de comunicação”, afirmou.

“É também certo, que o engajamento pode, eventualmente, possuir fins promocionais e até mesmo escusos, porém, a fim de que a máxima “dois pesos e duas medidas” seja, tanto quanto possível, substituída pela paridade de armas e igualdade entre as partes, na ausência de certeza da prática de pedido expresso de votos e ainda, diante da comprovação da atividade empresarial exercida mediante o nome fantasia “Juca do Guaraná Transportes”, não há como acolher o pedido deduzido na representação”, julgou.

 

Otavio Ventureli(da redação com ascom)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA