Momento +

Aumento de IPTU desagrada parte da Sociedade e mercado imobiliário em Rondonópolis

Publicados

em

AUMENTO DE IPTU DESAGRADA PARTE DA SOCIEDADE E MERCADO IMOBILIÁRIO EM RONDONÓPOLIS

Uma comissão já foi formada para discutir possíveis alterações na proposta do executivo para que o projeto siga para aprovação na Câmara

Uma equipe de corretores de imóveis participou de reunião na Câmara Municipal de Rondonópolis na terça-feira (21.06) para discutir o aumento do IPTU encaminhado pelo prefeito para aprovação dos vereadores, por considerar que o aumento do IPTU está sendo feito de maneira injusta e parcial, transformando em “facções” de privilegiados e não privilegiados. Ou seja, de maneira desproporcional entre os moradores, afetando significantemente os que moram em locais mais valorizados de Rondonópolis.

Por conta desse descontentamento, o presidente da Câmara, vereador Roni Magnani, solicitou que uma comissão fosse formada com representantes do Creci, vereadora Kalynka Meirelles e demais vereadores presentes para discutir o fato. Ficou acertado que algumas alterações serão avaliadas para depois o projeto seguir para aprovação.

Segundo o presidente do Creci-MT, Claudecir Contreira, que na reunião foi representado pelo conselheiro federal Narciso Vites, “o prefeito de Rondonópolis e a Câmara Municipal (vereadores) estão de forma injusta e parcial transformando a correção do IPTU em “facções ” de privilegiados e não privilegiados. Não pode os entes públicos isentar o munícipe que possui uma propriedade mais humilde e taxar apenas os que em tese possuem mais”.

Leia Também:  Consumir café está relacionado à impulsividade nas compras, diz estudo

Contreira cita como exemplo os imóveis tidos como valorizados que tem a mão do empreendedor imobiliário e do proprietário/investidor, que contribui muito mais com a arrecadação pública e usa muito pouco dos recursos públicos no dia a dia. Considera que os imóveis que estão em condomínio, o próprio condomínio é quem arca com manutenções de iluminação pública e asfalto e também facilita a coleta de lixo, deixando tudo organizado em um único espaço para coleta.

“Não podem os moradores e corretores de imóveis, imobiliárias, construtoras e o setor produtivo aceitar goela abaixo essa segregação. A câmara municipal e Prefeitura não podem querer transformar um município capitalista ao modo comunista de gerir e mandar de forma desmedida sobre a propriedade privada castigando o capital e lembrando apenas de uma classe específica da população. Todos sem exceção, humildes e abastados contribuem e se completam na difícil tarefa de geração de emprego, renda, riqueza e força de trabalho”, pontuou Claudecir Contreira..

No término da reunião ficou acertado que os vereadores da cidade vão avaliar algumas alterações apresentadas pela comissão  e consideradas necessárias para aprovação do projeto. O advogado da Acir  Leonardo Rezende auxiliou no posicionamento dos participantes.

Leia Também:  *Analista: Mauro é o primeiro governador a terminar obras de gestão anterior*

O empresário Neles Faria, do setor de materiais de construção também esteve presente representando a CDL. Além dos corretores Benisme Almeida, Emidio Luciano, Jean Michel, Narciso Vites, Rafaely Piva, Salmen Abou Dehn, Toni Bernardo, Victor Cabrera, Wagner Bolonhesi, Vereadora e corretora Kalynka Meirelles, Centro Oeste, Adriano Peterson representante do Sindimóveis.

Destes conselheiros, Emidio Luciano, Jean Michel, Narciso Vites, Wagner Bolonhesi integram a comissão juntamente com a vereadora Kalynka Meirelles o representante do Sindimóveis, Adriano Peterson.

Momento +

Com apoio do Governo de MT, indígenas cultivam café visando mercado de alto padrão

Publicados

em

A produção de café em aldeias indígenas em Mato Grosso, com qualidade e utilização de técnicas sustentáveis, tem chamado atenção do mercado nacional. A produção realizada por índios da aldeia Apoena Meirelles, da etnia Suruí, em Rondolândia (1.064 km de Cuiabá), é prova disso.

A comunidade possui parceria com o Grupo 3 Corações, uma das maiores empresas de café do País, na qual fornece os grãos secos e limpos de café, e a empresa industrializa, embala e comercializa os grãos já moídos, ao preço de R$ 45 a embalagem com 250 gramas de café. Esse valor, acima da média de mercado, se deve pela particularidade da forma como o café é cultivado: uso de adubo natural, sem irrigação e defensivos agrícolas, com colheita e armazenamento no tempo. Tais cuidados atraem os paladares mais exigentes, que focam em grãos que utilizam técnicas e critérios sustentáveis.

Atentos a esse cenário crescente de consumo aliado a sustentabilidade, indígenas da aldeia Massepô, localizada no território Umutina, em Barra do Bugres (164 km de Cuiabá), também focam no cultivo do café como forma de gerar renda através da venda de cafés finos, visando o mercado internacional.

Por meio de uma parceria entre o Governo de Mato Grosso e a Fundação Nacional do Índio (Funai), os indígenas do território Umutina contam hoje com um hectare de cafezal com mais de 3 mil pés de plantas de alto potencial produtivo.

Leia Também:  Materiais para pesquisa da variante Cosmopolita nova Cepa da Dengue são colhidos em Municipios de MT entre os quais Lucas do Rio Verde

“À medida que a nossa comunidade foi crescendo, fomos vendo que precisávamos incorporar algo dentro da nossa área, que nos gerasse renda. Foi nesse momento que decidimos, com a ajuda do Estado, usar parte das nossas terras para produzir e gerar rentabilidade”, explica o cacique da aldeia Massepô, Felisberto Cupudunepá.

Para efetivar a inserção dos indígenas na ação de incentivo ao cultivo do café, a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf) repassou as mudas, e a Empresa Mato-Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) promoveu o acompanhamento técnico na área. Para aprender as técnicas de plantio e cultivo, uma parte dos indígenas viajou para Rondônia, onde já é realizado um trabalho similar e exitosa.

“Passada essa parte teórica, implementamos dentro da aldeia uma Unidade de Referência Tecnológica, que chamamos de URT, e começamos a adotar a parte prática do cultivo do café. Desde então os trabalhos têm se desenvolvido da melhor forma possível, com previsão de ampliar a área em anos posteriores”, comenta o técnico extensionista da Empaer Rafael Rosseti.

Na aldeia Massepô é esperada a colheita entre 45 a 60 sacas de café no hectare plantado, cujo o valor da venda, segundo o cacique Felisberto Cupudunepá, será revertido em melhorias na aldeia onde vivem 11 famílias.

Além de Barra do Bugres, a Seaf desenvolve a mesma ação na cidade de Campo Novo dos Parecis. Na Aldeia Chapada Azul, a pasta promove a atividade junto aos indígenas da etnia Haliti Paresi, com o plantio de cinco hectares de café clonal.

Leia Também:  Copa do Brasil: Athletico paranaense vence o "Baêa" de virada na Fonte Nova em Salvador pela jogo de ida das oitavas

A pasta promove ainda outras ações de desenvolvimento sustentável junto aos povos indígenas. Doou 200 caixas de abelhas aos índios Xavantes da terra indígena Grande Sangradouro, em Primavera do Leste, e à indígenas das cidades de Canarana e Porto Esperidião. Também realiza junto à aldeia Apoena Meirelles, da etnia Paiter-Suruí, em Rondolândia, ação de incentivo ao plantio de cacau, através da produção de mudas do fruto. Essas ações também contam com entidades parceiras, como a Empaer e prefeituras, através das secretarias de Agricultura.

MT Produtivo Café

A ação de Governo ‘MT Produtivo Café’ prevê a entrega de mudas de café clonal de variedades conilon e robusta para o plantio em aldeias indígenas e áreas administradas por agricultores familiares participantes do programa. A previsão é de que até o final de 2022 o Governo distribua as mudas de café clonal para 50 municípios das regiões Médio-Norte, Centro-Sul e Oeste que integram o MT Produtivo Café.

O programa pretende incrementar e renovar a área de café no Estado em cerca de 600 hectares até 2024 com o aproveitamento de áreas já abertas e cultivadas e utilizando mudas de clones de alta produtividade, o que resultará na inserção de aproximadamente 45 mil sacas na produção de café de Mato Grosso após a produção atingir sua estabilidade.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI