Momento +

Câmara de Lucas do Rio Verde aprova RGA de 3,3% para servidores municipais

Publicados

em

Foto: Divulgação


Os vereadores da Câmara Municipal de Lucas do Rio Verde (MT) aprovaram, na sessão de terça-feira (5), o Projeto de Lei nº 26/2020, que trata do índice de Revisão Geral Anual (RGA) do funcionalismo público municipal.
O índice proposto pela prefeitura para todos os servidores municipais, exceto os trabalhadores da educação, foi de 3,3%. O valor corresponde as perdas inflacionárias dos últimos 12 meses.
O vereador Dr. Wagner Godoy (DEM) questionou o índice apresentado pelo Executivo, ressaltando que os servidores públicos mereciam ser melhores valorizados.
“O IPTU teve um aumento médio de 10% e os servidores vão receber somente 3,3% de RGA. Os servidores fazem de tudo, trabalham pela gestão. Nada mais justo do que aumento mais condizente com o esforço dos trabalhadores.”
A data base do funcionalismo municipal é o mês de maio. Com o índice aprovado, a previsão de gasto mensal com a folha de pagamento dos servidores é de mais de R$ 6,7 milhões.
Segundo a vereadora professora Cristiani Dias (PT), devido ao ano eleitoral, o município não pode conceder ganho real, somente o acumulado da inflação dos últimos 12 meses.
“Nós gostaríamos de ter aprovado um índice melhor para todos os servidores. Mas, infelizmente, a legislação eleitoral não permite, porque fere o princípio da isonomia entre os candidatos na disputa eleitoral.”
Além do RGA, os vereadores também aprovaram o Projeto de Lei n. 25/2020, que trata de reajuste no valor do auxílio-alimentação. O benefício teve o aumento de 4% e subiu de R$ 250 para R$ 260.
Com informações da Câmara de LRV

Leia Também:  Conselho Estadual MT de Desenvolvimento Econômico aprova mais de 500 milhões para Empresários e Produtores rurais via FCO

Momento +

Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Publicados

em

Viver conectado é quase uma necessidade nos dias atuais. Quase não há mais separação do mundo virtual para o real. Estamos conectados 24 horas por dia.

A internet tornou-se uma ferramenta essencial para a maior parte da população. É um espaço democrático, onde podemos expressar opiniões.

Mas, também se tornou um local de ataques e disseminação de ódio. Quem faz comentários maldosos na internet são chamados de ‘haters’.

O ‘hate’ é um termo em inglês que na linguagem tecnológica significa “pessoa que posta mensagem de ódio na internet”. Podendo ser para uma pessoa específica ou um grupo.

O ódio sempre foi um sentimento existente. Porém, ele foi potencializado com a chegada e popularização da internet, principalmente, no Brasil.

Os ataques virtuais têm se tornado cada vez mais frequentes. Qualquer pessoa está passiva a esse tipo de ato. Entre os principais alvos dos haters, estão às pessoas públicas.

A Dra. Crhisttiane. psicóloga explicou o por que às pessoas estão com um comportamento cada vez mais agressivo na internet.

Leia Também:  Goiânia: Atlético GO faz uma grande partida no Antônio Acioly neste sábado, vence o Coritiba e conquista sua primeira vitória no Brasileirão

Para a especialista Christiane Bianchi, a conduta “pode ser pelo fato delas se sentirem impotente e com uma necessidade de se imporem sobre as outras pessoas”.

Conforme a psicóloga, as pessoas entendem que devemos ter um bom comportamento apenas no offline, ou seja, fora da internet, na vida real.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento deve obedecer às regras sociais no presencial. Mas, ainda tem muitas pessoas que não perceberam que as regras também valem para as redes sociais”, afirmou a psicóloga.

Para Cristiane Bianchi, as redes sociais acabam encorajando as pessoas em posições extremas, a se sentirem mais confiantes para expressarem o que pensam, o que pode afetar gravemente o psicológico para quem é dirigido os comentários de ódio.

“Quando o indivíduo tem interação com o cyberbullying, os danos à saúde mental são muito graves”.

Há leis que punem o Cyberbullying no Brasil. Termo que define a prática do bullying nas redes sociais. O artigo 147-A da Lei 14,132 de 2021  diz que “perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade” é crime de assédio on-line, com pena de reclusão de seis (06)  meses a dois (02) anos.

Leia Também:  Secretaria de Educação de Sinop MT promoveu nesta quinta(19) Seminário Estadual da Busca Ativa Escolar em parceria coma UNICEF

Todos nós podemos ser um hater. Discordar de uma publicação ou comentário com outro comentário maldoso é estar disseminando ódio na internet.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA