Momento +

Controladoria Geral do Estado formaliza compromisso dos auditores com o Código de Conduta Ética do cargo

Publicados

em

A Controladoria Geral do Estado (CGE-MT) realizou, na tarde desta quinta-feira (23.09), na modalidade híbrida, solenidade de formalização do termo de compromisso dos auditores do Estado aos princípios, às diretrizes e às normas éticas da carreira. O ato estava previsto na Portaria nº 88/2019/CGE-MT, que instituiu o Código de Conduta Ética do auditor em exercício da CGE-MT.

Todos os membros da carreira deverão assinar o termo, a ser anexado à pasta funcional de cada servidor. Na solenidade, para representar os 86 auditores do Estado, assinaram o documento de forma presencial o secretário-controlador, os adjuntos, membros do Conselho do Sistema de Controle Interno (CSCI) e da Comissão de Ética da CGE-MT. Os demais auditores acompanharam a sessão de forma online, pela plataforma Google Meet.

Na oportunidade, o secretário-controlador geral do Estado, auditor Emerson Hideki Hayashida, destacou que a assinatura do termo é uma maneira de os auditores demonstrarem comprometimento com as regras de conduta da carreira, conforme exigência das normas internacionais de auditoria interna, em especial do Modelo de Capacidade de Auditoria Interna (IA-CM) para o setor público, desenvolvido pelo Instituto dos Auditores Internos (IIA). “Este momento é uma forma de consolidar nosso compromisso com as melhores práticas institucionais e fortalecer a nossa instituição e o nosso trabalho”, destacou.

Leia Também:  Nascidos da Terra: Câmara de Cuiabá realiza exposição com obras de artistas regionais

Na mesma linha, a presidente da Comissão de Ética da CGE, auditora Cristiane Laura de Souza, pontuou que a assinatura do termo contribuirá para o aprimoramento da cultura organizacional da integridade e poderá servir de referência para outros órgãos estaduais. “Muito além do código, o comprometimento dos seus membros com ele é o que lhe confere eficácia. Com este ato de comprometimento, damos um importante passo para o aperfeiçoamento do nosso ambiente ético, íntegro e eficaz, como propagado na nossa missão institucional e funcional.”

Segundo ela, o código de conduta ética é um instrumento para nortear o comportamento profissional. “Diferentemente do que fomos condicionados a pensar, o código de ética não consiste em uma norma delimitadora ou cerceadora de liberdades. Ao contrário, o código de ética é uma forma de nortear a nossa conduta profissional. É construído com a função essencial de nos auxiliar na tomada de decisões e de nos proteger, dando transparência sobre nossa forma de atuação aos membros da carreira, à organização, aos gestores e, especialmente, à sociedade, nosso cliente principal”, comentou.

Leia Também:  Projeto de lei institui a "hora do colinho" na saúde pública mato-grossense; objetivo é oferecer acolhimento afetivo a bebês recém-nascidos órfãos

A formalização do termo de compromisso foi precedida pela realização de campanha interna para disseminar o conhecimento do Código de Conduta Ética pelos auditores. O texto da Portaria nº 88/2019/CGE-MT foi diagramado em forma de cartilha, com layout mais atrativo para leitura. Também foram produzidos banners explicativos sobre os principais assuntos do Código de Ética, em especial sobre situações que possam configurar conflitos de interesse no exercício do cargo.

“A Comissão de Ética da CGE tem procurado atuar não somente com normatizações, mas com prevenção e de forma mais humanizada, levando informações e buscando sugestões dos servidores para o aperfeiçoamento do ambiente ético, que extrapola as questões normativas e envolve sabermos como nos sentimos acolhidos e amparados dentro da nossa organização”, acrescentou a presidente.

Confira AQUI a galeria de imagens da solenidade.

Fonte: GOV MT

 

Momento +

Projetos do Case Cuiabá contribuem na ressocialização de adolescentes em conflito com a lei

Publicados

em

 

“A nossa intenção é tirar os adolescentes do mundo de delitos e apresentar a eles um mundo melhor. Um mundo com perspectiva de vida e uma profissão”, esta é a missão de todas as unidades de internação de menores, que cumprem medidas socioeducativas de Mato Grosso, conforme destaca o diretor de internação masculina do Centro de Atendimento Socioeducativo (Case) de Cuiabá, Urias Avelino Dantas.

Em busca de fazer valer esta missão, a unidade abre os portões para diferentes parcerias, que possam propiciar a construção de uma nova perspectiva aos adolescentes em conflito com a lei. Atualmente, além das atividades como ensino, esporte e música, os internos também têm aulas de informática, produção e comércio de hortaliças, entre outros.

Este plano vem rendendo resultados positivos, principalmente quando se trata do comportamento dos menores que participam dos projetos. Segundo o diretor, o envolvimento desses adolescentes em delitos dentro da unidade reduziu em 80%, nos últimos anos. “A mudança vai desde a forma de conversar até as maneiras de tratar os servidores da unidade”, comemorou.

Leia Também:  Homem é preso em flagrante por roubo tentado em barbearia

Além de introduzir diferentes atividades para tornar a rotina dentro da unidade mais humana, também são realizadas rodas de conversas entre os servidores e os adolescentes para que eles possam identificar um estilo de vida diferente do habitual. “Novos aprendizados, conhecimentos e até uma nova profissão para criar melhor perspectiva de vida e permitir sair do mundo em conflito com a lei e conhecer um mundo melhor”, disse.

Ao contrário do Sistema Penitenciário, nos Centros de Atendimentos Socioeducativos, os internos não são beneficiados com redução do período de medidas restritivas para realizar essas atividades e, mesmo assim, os projetos englobam até 50% dos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas, mesmo em atividades de manutenção e limpeza da unidade.

Na unidade, a maior parte dos internos está cumprindo medidas socioeducativas por delitos de alto potencial, como atos análogos a homicídio, latrocínio e tentativas. Nem por isso, os servidores deixam de desempenhar seu papel. “Nós estamos tentando fazer algo de melhor e dando a oportunidades para eles serem novos cidadãos. Se a gente conseguir recuperar 40 adolescentes por ano é algo extraordinário’, disse.

Leia Também:  "A decisão dos deputados representa respeito à história", diz presidente da Câmara de Cuiabá sobre homenagem a Vicente Vuolo

Por isso, o diretor do Case Cuiabá acredita que este número é positivo e deve ser comemorado. “Nós apresentamos um mundo melhor aos adolescentes e eles têm absorvido muito bem essas atividades”.

O resultado positivo só foi possível através de programas e projetos que são desenvolvidos em parceria com outras instituições como Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Prefeitura de Cuiabá e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), que oferecem oportunidades para os adolescentes despertarem uma perspectiva totalmente diferente da vivida até antes de entrar na unidade.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA