Momento +

Conselheiro do TCE MT ligado a organização criminosa que voltou ao cargo por decisão de Gilmar Mendes pode virar corregedor-geral do órgão

Publicados

em

A volta do conselheiro Valter Albano, garantida pelo Ministro do Supremo, Gilmar Mendes,  tem causado uma confusão no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso. Seu antecessor, Moisés Maciel, era corregedor-geral do órgão.

Tudo caminha para que Albano seja guindado a essa função muito importante no TCE. Na verdade, o regimento interno estabelece uma nova eleição para corregedor. Só Albano, o presidente Guilherme Maluf e o vice Campos Neto podem votar.

O conselheiro, que estava afastado por suposta prática de corrupção, além de ser premiado pelo STF, pode ganhar superpoderes no tribunal.

Organização Criminosa

O Tribunal de Contas de Mato Grosso(TCE/MT) que é uma instituição histórica, se perdeu em meio a uma trama de disputa por dinheiro, poder e sexo.

O órgão deixou de lado sua missão em fiscalizar contas públicas para manter estruturas inchadas e criminosas por desvios morais de dirigentes que se perpetuavam no poder, em um cenário de crimes,  fraudes e desvio de dinheiro público.

Entre os seus protagonistas estavam cinco conselheiros e que foram afastados por corrupção pelo ministro Luiz Fux do Supremo Tribunal Federal(STF): Antônio Joaquim, José Carlos Novelli, Sérgio Ricardo, Waldir Teis e Valter Albano.

Desde o acordo da colaboração premiada feita pelo ex-secretário da Casa Civil, Pedro Nadaf e pelo ex-governador de Mato Grosso, Silval Barbosa(MDB), e que acusam os cinco conselheiros de estarem envolvidos em uma rede interconectada de corrupção.

Os cinco fizeram extorsão contra o ex-governador e arrancaram dele a bagatela de R$ 53 milhões para que aprovassem as contas de seu governo.

Além disso, nos últimos dez anos, os cincos envergonharam o órgão nacionalmente, apresentando características muito especiais na arte de corromper.

Negócios ilegais, desvios, propinas, gravações clandestinas, favorecimento, lobbies, extorsão e grampos. Essas foram às ações espúrias feitas pelos conselheiros que conseguiram engrenar um audacioso projeto de Tecnologia da Informação no órgão e desviaram R$ 212.402.631,49 milhões.

Leia Também:  Assembleia Legislativa de MT coloca em segunda votação nesta quarta(23) projeto de lei de diretrizes orçamentárias

O relatório – feito pelo próprio TCE – ainda não é conclusivo. Mas, analistas financeiros independentes acreditam que o valor pode chegar até a R$ 1 bilhão, se computar outras licitações no ‘seio’ do TCE e as aprovações de contas de 141 Câmaras e Prefeituras em que eles fizeram contratos de informáticas com empresas participantes dos ‘esquemas’ espúrios.

Após levantar centenas de dados inéditos dos conselheiros, o Página 12 constatou que os escândalos da vida de um deles, Valter Albano da Silva, de 68, foi colocado em público, após o jornalista Claúdio Natal, do site Página do Estado, o acusar de proteger sua amante Elisabete Queiroz.

Elisabete é proprietária da empresa de informática Travessia(Desenvolvimento Organizacional Ltda) – cujo CNPJ é o de nº 03452104/0001-00.

A empresa recebeu entre os anos de 2012 a 2013, na gestão de Albano, o montante de R$ 13.168.749,30 milhões.

Desses valores R$ 12.643.651,90 milhões foram superfaturados.

Morena, olhos claros, cabelos pretos lisos e num corpo de 1,70 metros esculpido em academias de ginástica, Elisabete Queiroz, engatou namoro firme com Albano ainda em meados da década de 2000, e chegou a ser sua assessora de gabinete, recebendo um supersalário condizente com sua beleza física.

Ambiciosa e desembaraçada  – e com experiência profissional – Elisabete trouxe resultados com tanta rapidez para o conselheiro que logo o negócio financeiro com ela foi ampliado.

E convencido de que a beleza feminina é irresistível, ele decidiu investir parte da dinheirama que ganhava no TCE em um mercado próspero e seguro.

Em Fazenda.

E, segundo o jornalista Natal, ele comprou uma propriedade na cidade de Juscimeira(157,6 KM de Cuiabá) e colocou no nome de Elizabete.

Oriundo do distrito de Ibotim na pequena cidade de Bom Jardim de Goiás, encravada no interior do estado de Goiás, Albano, que era pobre, conseguiu subir na vida, e ter dois proveitos simultâneos ao mesmo tempo: realizava um sonho de ser fazendeiro e agradava sua amante(foto).

Leia Também:  Concessionária Rota do Oeste abre vagas de emprego que contemplam pessoas com deficiência para oito cidades de Mato Grosso

A mobilização de mulheres  bonitas para dobrar homens públicos é um recurso comum no país.  Mas, a ligação das almas gêmeas existentes entre Albano e Elizabete era uma coisa cósmica e estava ‘escrito nas estrelas’.

A relação afetiva e financeira dos dois chegou a tanto, que até o motel Las Vegas Albano comprou.

A propriedade está localizada na esquina entre as ruas Olavo Bilac e Manuel Bandeira, no bairro Santa Cruz, em Cuiabá e ficou em nome do assessor de Albano, Luís Mauro Soares da Silva, e que é sócio de Elizabete, a amante de Albano, na empresa de turismo viagens L M Turismo E Transportes Ltda.

A afirmação consta em um relatório da Polícia Federal após o Ministério Público Federal (MPF) pedir a realização de buscas e apreensões em mais uma fase da Ararath determinada pela Justiça Federal.

Policiais Federais cumpriram mandados de busca e apreensão contra 19 alvos, sendo oito empresas, oito pessoas físicas, duas fazendas, além da sede do TCE-MT no Centro Político Administrativo.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) quebrou o sigilo fiscal e bancário de 33 empresas e 30 pessoas físicas supostamente envolvidas no esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

A determinação foi determinada pelo ministro Raul Araújo. E entre as empresa investigadas destaca-se o motel Las Vegas e a Fazenda em Juscimeira.

A história de Albano é realmente épica. É o desejo alimentado justamente pelo seu caráter inatingível. É reviver a história de duas pessoas que se amam loucamente quando separados, mas quando juntos precisam se separar.

E o desejo vira um constante desafio.

 

Otavio Ventureli(com DC/pagina12.)

Momento +

Dois homens sofrem acidente durante a escavação de uma fossa um consegue sair a tempo e o outro morre apesar dos esforços do Corpo de Bombeiros

Publicados

em

Um homem de 45 anos morreu após ter sido soterrado durante a construção de uma fossa no município de Nova Olímpia,  distante 34 quilômetros de Tangará da Serra, próximo a Serra Tapirapuã. A Polícia investiga o acidente ocorrido na terça(22)

A vítima identificada apenas como R.M estava auxiliando em uma escavação no local com outro amigo. Em seguida, os dois caíram no buraco, no entanto o colega conseguiu sair da fossa antes da terra desabar em cima da vítima.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para ir até o local e com o apoio de um caminhão de limpeza, tentaram aspirar líquido que continha no local para liberar as vias aéreas da vítima, no entanto ele não resistiu e faleceu.

Após horas de trabalho, contando com auxílio da pá-carregadeira, o corpo foi retirado e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para exame de necropsia.

 

Otavio Ventureli(da redação com hntnoticias)

Leia Também:  Justiça determina que empresário Marcelo Cestari pai da adolescente que matou Isabele no Alphaville entregue armas de fogo ao Exército
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA