Momento +

Dados do CRM MT revelam que 19 profissionais que atuavam na área médica morreram acometidos do coronavírus e 334 foram infectados

Publicados

em

O novo coronavírus já venceu 19 profissionais que atuavam na área médica em Mato Grosso. Ao todo, 334 médicos já foram infectados pelo vírus.

Desses, 106 conseguiram se recuperar, seis estão hospitalizados e 97 permanecem em monitoramento domiciliar. O Estado tem um das maiores incidências de mortes por Covid-19 entre os trabalhadores da área da saúde. Os dados são do Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso (CRM-MT).

De acordo com o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde desta sexta (09), até o dia 03 de outubro foram notificados 1.322.505 casos suspeitos de Covid em profissionais de saúde no e-SUS Notifica.

Destes, 329.028 foram confirmados para o novo coronavírus. As profissões de saúde com maiores registros dentre os casos diagnosticado foram técnicos de enfermagem (112.241), seguido dos enfermeiros (48.480), e médicos (33.788).

Ao todo, 330 trabalhadores da área da saúde não resistiram à doença, sendo 112 técnicos de enfermagem, 63 médicos e 41 registros de óbitos entre os enfermeiros.

Leia Também:  Previsão do tempo indica calor e chuva no fim de semana na maioria das regiões de Mato Grosso sem alerta de tempestades

O sexo feminino foi o mais frequente, com 211 (55,2%) mortes registradas em decorrência da Covid-19. Dados do Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso apontam que 33 profissionais entre técnicos de enfermagem e enfermeiros foram vencidos pela doença.

Segundo o Ministério da Saúde, os estados que apresentaram o maior número de casos notificados hospitalizados por Covid-19 em profissionais de saúde foram: São Paulo (455), Rio de Janeiro (99) e Pará (73). Em relação às mortes causadas pela doença foram: São Paulo (114), Sergipe (27) e Rio de Janeiro (26).

Em geral, a doença causada pelo vírus já matou mais de 150 mil vidas no Brasil. O número de óbitos registrados no país representa como se um pouco mais de toda a população do município de Sinop (a 479 km da Capital) também tivesse perdido a batalha para o coronavírus.

 

 

Otavio Ventureli(com assessoria)

Momento +

Disputa eleitoral acirram os ânimos na Aprosoja e Galvan suspende reunião do Conselho Fiscal impedindo acesso aos balancetes 2020

Publicados

em

Em meio a disputas internas na Aprosoja que deve escolher nova diretoria em 9 de novembro, o presidente da APROSOJA,  Antônio Galvan(foto),  teria suspendido a reunião ordinária do Conselho Fiscal marcada para esta sexta (23) e os membros teriam sido surpreendidos ao serem impedidos de ter acesso aos balancetes de 2020.

Ele alega que estaria agindo para manter a segurança das informações, acusa membros do Conselho de vazarem documentos para prejudicar a imagem da gestão e diz que já procurou a Justiça sobre o caso.

“Queremos evitar uma situação de insegurança, já vazaram documentos, fazem acusações infundadas e vão ser responsabilizados judicialmente. Eles mesmos já aprovaram as contas de 2018 e 2019, qual o motivo de ir à rua e falar isso? Enquanto não se retratarem vai continuar a suspensão”, disse Galvan.

Mas os componentes do Conselho, que residem no interior, afirmam que só teriam sido informados do cancelamento após chegarem à capital e alegam que foram impedidos de ter acesso aos documentos com os balancetes da auditoria aos quais cabem a eles fiscalizar.

Leia Também:  Juíza eleitoral barra candidatura da vice de ex-Juíz Federal petista por filiação partidária após o prazo exigido para participar das eleições

A decisão teria partido da diretoria, formada por 14 membros, e assinada por Galvan. Segundo o coordenador do Conselho Fiscal José Guarino, de Sapezal, estiveram na sede da Aprosoja, ele, Naildo Lopes, de Nova Mutum e Jesus Cassol, de Campo Novo do Parecis.

O atual presidente acredita que as suspeitas em torno da gestão sejam motivadas pela disputa eleitoral. “Legalmente não tem nada de ilícito, eles dizem que tem coisa errada e queremos que comprove”.

 Mas Guarino nega a motivação e garante que o intuito era cumprir com a agenda programada. “Só viemos ver as contas e era convocação ordinária, nada fora do que estava previsto”, disse ao .

Explica que a reunião era para avaliar o plano de ação e o balancete do primeiro e segundo trimestres, sob a responsabilidade Galvan. “Nossa atribuição é fiscalizar. Foi um ato arbitrário, ilegal e ditatorial do presidente e sua diretoria, que além de nos impedir de realizar nossas atribuições, determinou que a auditoria independente não nos entregasse documentos para análise, impedindo qualquer verificação de possíveis irregularidades”.

Leia Também:  STF mantem condenação por improbidade administrativa à Jayme Campos no caso da imoralidade da "Pensão de Mercê"

Segundo Guarino, os conselheiros fiscais da Aprosoja são eleitos pelos associados por voto direto em assembleia, e têm a atribuição estatutária de analisar as contas da associação, conforme o artigo 35 do Estatuto da entidade.

Eleição

Galvan vive um momento delicado à frente da Aprosoja e chegou a ter condenações judiciais pelo plantio de soja fora do calendário permitido. O assunto vem sendo apontado por adversário que disputam a sucessão na diretoria.

Disputam a nova diretoria no triênio 2021-2023 duas chapas encabeçadas: na oposição está Marcos da Rosa, presidente, e Ricardo Arioli, vice, (Aprosoja para Todos) e Fernando Cadore, presidente, e Lucas Costa Beber, vice, (Aprosoja Decidida Produtor Mais Forte).

 

 

Otavio Ventureli(da redação com rdnews)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA