Momento +

Decisão sobre palanque aberto ou não será tomada em MT afirma Mendes em resposta ao Presidente Bolsonaro

Publicados

em

O governador de Mato Grosso Mauro Mendes (União), garantiu que a decisão sobre ter ou não palanque aberto para o Senado em sua chapa de reeleição será decidida no Estado.

Ao ser questionado sobre o fato do presidente Jair Bolsonaro (PL) não aceitar palanque aberto no Estado, Mendes disse que Bolsonaro teria que cuidar dos problemas de Brasília.  

“O presidente tem que se preocupar com a eleição de presidente. A eleição de Mato Grosso nós aqui cuidamos, nós aqui fazemos. Não tem problema nenhum nós dialogarmos com o presidente e qualquer líder partidário, mas essas definições elas são tomada no âmbito de Mato Grosso”, disse Mauro Mendes nesta segunda-feira (1) em Barra do Garças MT, durante a visita nas obras do anel viário que vai ligar os municípios de Barra do Garças-MT, Pontal do Aragarças-MT e Aragarças-GO.  

A declaração ocorreu após Mendes ter sido questionado se na reunião da próxima quarta-feira (3) em Brasília, quando Bolsonaro receberá prefeitos, empresários e o chefe do Palácio Paiaguás. 

Leia Também:  Audiência de Custódia: ciclo de diálogos discute avanços e desafios nos 7 anos da implantação

Mendes afirmou que essa definição só ocorrerá no final desta semana, e que até o momento não existe nenhuma decisão oficial de coligar com o senador Wellington Fagundes (PL), ou deixar a vaga em aberto para que outros partidos lancem os seus candidatos ao Senado.  

“Algum tempo nós estamos defendendo o palanque aberto. Foi uma defesa que foi apresentada, existe algumas conversas ao longo dessa semana, mas eu garanto a vocês que até o dia cinco vai tá fechado”, explicou.

O governador também disse que o PSB e o MDB são favoráveis ao palanque aberto. Já o PL, é contra. “Vamos ter que encontrar um denominador comum e resolver isso”.  

A declaração de Mauro desmente o que o senador Wellington Fagundes disse na última reunião do PL com os candidatos a deputados federal e estadual. Na reunião, Fagundes disse que a aliança com Mauro Mendes estaria selada e que o palanque não seria aberto.   A proposta de palanque aberto é críticada pela militância bolsonarista no Estado, e pela cúpúla nacional do PL.  

Leia Também:  Propaganda eleitoral gratuita no rádio e TV começa no dia 26 de agosto

Nos bastidores, o presidente Valdemar da Costa Neto, até afirma que o poder de decisão da aliança fica com Fagundes, e que ele poderia até acatar a proposta de palanque aberto. Porém, Bolsonaro não subiria no palanque em Mato Grosso.

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Momento +

ELA NÃO NOS REPRESENTA: Queremos MT representado por inteiro e não uma “chapa da Prefeitura de Cuiabá”, afirma Ane Borges

Publicados

em

 

 

A candidata ao cargo de deputada federal Ane Borges (UB), da região norte do estado, afirmou que a chapa de Márcia Pinheiro (PV), que disputa o cargo de governadora de Mato Grosso, não representa o interior do Estado.

“Queremos ser representados por inteiro, porque o interior do Estado também quer ter representantes, e não uma ‘chapa da Prefeitura de Cuiabá’, em que a candidata é a esposa do prefeito e o vice é ex-secretário da capital. Não estamos em uma eleição municipal e sim estadual. Isso é um desrespeito com o que as cidades de Mato Grosso representam ao Estado”, destacou a candidata.

Para Ane, que é uma defensora da cidade de Sorriso e dos municípios vizinhos, a falta de uma representatividade demonstra que essa chapa irá governar para grupos e está fechada apenas com a capital.

“Nossa bandeira é por Mato Grosso, por inteiro, um Mato Grosso em que todos os seus cidadãos sejam valorizados e respeitados. Não podemos regredir os avanços que conquistamos”, ressaltou, ponderando que como candidata a Câmara Federal, espera poder representar o Estado, junto com presidente Bolsonaro, e ter ao lado um governo que mantenha as políticas “olhando para todas as regiões”.

Leia Também:  Audiência de Custódia: ciclo de diálogos discute avanços e desafios nos 7 anos da implantação

“Vou ser parceira de quem defendo todos os mato-grossenses e não de quem acha que o Governo de Mato Grosso é um puxadinho da prefeitura. Lá em Brasília estarei junto com Bolsonaro lutando pelo nosso Estado e não podemos voltar ao passado, em que as salas do Palácio Paiaguás eram usadas para fins nada democráticos e que viraram manchete nacional, com pessoas colocando dinheiro no paletó”, afirmou.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI