Momento +

Coletiva: Delegados da Polícia Federal afirmam que Drogas movimentadas por quadrilhas em Mato Grosso eram transportadas para a Europa

Publicados

em

A droga movimentada pela quadrilha presa na Operação Grão Branco, deflagrada em Mato Grosso nesta quinta-feira (6), seguia para a Europa, conforme o delegado da Polícia Federal, Adair Gregório. O policial não deu nomes dos países para não prejudicar investigações em curso.

Em entrevista após a operação, o delegado também destacou que os líderes do grupo sequer se aproximavam da droga. Já os pilotos responsáveis por trazer a o produto do exterior e distribuir em solo nacional recebiam R$ 100 mil por trajeto.

Apenas delegavam as funções para os demais membros da parte operacional para que dessem encaminhamento do transporte da cocaína, que vinha pronta da em aviões, chegava a Mato Grosso em pistas clandestinas e seguiram em caminhões carregados com grãos para São Paulo. De lá, o produto era encaminhado para os países europeus.

“Esses caminhões eram regulares, tinham nota fiscal da carga e não levantavam suspeitas. Os traficantes precisavam da carga para justificar a viagem”, explicou o delegado.

O policial destacou que os pilotos responsáveis pelo transporte da droga recebiam cerca de R$ 100 mil por trajeto. A carga transportada era avaliada em aproximadamente R$ 8 milhões.

Leia Também:  Conmebol entidade máxima do futebol sul americano esbanja dinheiro e vaidade com hotel cinco estrelas conhecido por "Vaticano do Futebol"

Gregório destaca que os membros da quadrilha presos em Cuiabá davam apoio em pistas clandestinas, carregavam carga e atuavam na falsificação de documentos dos demais membros.

Também foi esclarecido que o líder do grupo teve uma nova prisão cumprida nesta quinta, contudo ele já estava recolhido em um presídio de Corumbá desde 2020, quando foi extraditado pela polícia boliviana que descobriu o tráfico.

“O que a gente tem é que mesmo na prisão ele tinhas influência sobre as ações da quadrilha do lado de fora”, destacou o delegado.

Familiares do líder foram presos no Paraná. Antes da operação, R$ 20 milhões em bens da quadrilha tinham sido apreendidos. A soma das apreensões de hoje ainda não foram divulgados.

Operação Grão Branco
As investigações tiveram início em janeiro de 2019, ocasião em que a Polícia Federal e o Grupo Especial de Fronteira (Gefron) prenderam 6 pessoas, no município de Nova Lacerda (MT), que estavam transportando 495 quilos de cocaína. Foi prosseguida a investigação da quadrilha até a ação desta quinta-feira.

Leia Também:  Palmeiras e Corinthians não fizeram clássico a altura de suas camisas e empataram neste sábado pela terceira rodada do Brasileirão Série A

Ao todo, foram expedidos 249 mandados pela Justiça Federal em Cáceres, sendo 24 mandados de prisão preventiva, 14 de temporária, 102 de busca e apreensão, sendo 10 de aeronaves, 108 sequestros de bens móveis, imóveis, valores e ativos financeiros, 1 sequestro e gestão de estabelecimento empresarial e 7 cancelamentos de CPFs falsos, em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Amazonas, Maranhão, Pará, Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo.

O nome da Operação “Grão Branco” deve-se ao transporte de grãos (soja, milho) do Estado de Mato Grosso para São Paulo para justificar as viagens das carretas que transportavam a cocaína.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com ascom)

Momento +

Protesto de enfermeiros de MT nas proximidades da Arena Pantanal na noite deste domingo marcou estreias de Colômbia x Equador

Publicados

em

Cerca de 150 enfermeiros promoveram um protesto, na noite deste domingo(13),  próximo a Arena Pantanal, em Cuiabá, pouco antes da primeira partida pela Copa América, entre Colômbia x Equador.

Os profissionais reivindicam o Projeto de Lei 2.564/2020, que tramita no Senado Federal e institui o piso salarial nacional para a categoria e estabelece a carga horária de 30 horas semanas.

Com faixas e cartazes, os profissionais entoaram cânticos para chamar a atenção dos senadores. O protesto teve início às 19 horas, uma hora antes do confronto entre Colômbia e Equador pelo grupo A da Copa América.

“A nossa reivindicação é sobre o PL (Projeto de Lei) e o piso salarial. Essa manifestação não é contra o governo, não temos nenhuma bandeira nós só estamos reivindicando o nosso piso salarial. A nossa pretensão é alcançarmos o número de 1.500 enfermeiros”, disse o presidente do sindicado dos enfermeiros, Arlindo Cesar Ferreira dos Santos.

De acordo com o Conselho Regional dos Enfermeiros (Coren), a média salarial dos enfermeiros em Mato Grosso, atualmente, é de R$ 2,8 mil, dos técnicos de enfermagem é de R$ 1,6 mil e dos auxiliares é de R$ 1 mil.

Leia Também:  Sem vencer no Campeonato Brasileiro São Paulo vai ao Mineirão em BH e perde para o Atlético Mineiro um dos candidatos ao título nacional

O PL tramita no Senado Federal, com apoio da maioria dos senadores. Embora tenha recebido parecer favorável da relatora senadora Zenaide Maia, e tramite com pedido de urgência para votação, assinado pela maioria dos parlamentares, o projeto não entrou em pauta.

Devido à manifestação, o trânsito na região chegou a ficar engarrafado, mas logo se normalizou com a chegada de agentes da Secretaria de Mobilidade Urbana (Semob) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF).

O confronto 

Colômbia e Equador se enfrentaram neste domingo  na Arena Pantanal. O jogo contou com estrelas do futebol mundial como Quadrado, da Juventus, e o zagueiro Arboleda que defende o São Paulo.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA