Momento +

Desastre no bioma do Pantanal de Mato Grosso é consequência de mudanças climáticas no Planeta, afirma pesquisadora da UFMT

Publicados

em

A pesquisadora Michele Tomoko Sato(foto), da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), disse,  durante audiência pública remota sobre queimadas no Pantanal realizada em Cuiabá,  que o desastre no bioma é consequência de mudanças climáticas.

Ao todo, mais de 1,3 milhão de hectares foram queimados neste ano (22%), segundo o Instituto Centro de Vida (ICV).

“Estamos vivendo uma crise planetária sem precedentes. Projeções indicam que vai piorar”, disse a pesquisa. Já Solange Ikeda, pesquisadora da Unemat destacou a importância de conservar o Rio Paraguai e seus afluentes e explicou a dinâmica dos chamados ‘rios voadores’.

“A água evapora do Oceano Atlântico, chega na Amazônia e é barrada pela cordilheira dos Andes. Então a água chega aqui no Centro-Oeste e no Sudeste e deságua em forma de chuva”, disse a pesquisadora da universidade estadual.

“Pantanal não é só onde alaga. Tudo que acontece no planalto interfere na planície. É importante haver política integrada para planalto e planície, para não permitir plantio de soja, como é permitido em outros biomas”, disse a professora Onelia Rossetto, da UFMT. Ela apontou ainda o plantio de espécies exóticas de pasto para engordar o gado e o baixo índice de áreas protegidas como fatores que agravam os incêndios no Pantanal.

Leia Também:  Disputa eleitoral acirram os ânimos na Aprosoja e Galvan suspende reunião do Conselho Fiscal impedindo acesso aos balancetes 2020

André Luiz Siqueira, da Ecologia em Ação (Ecoa), criticou a postura do governo federal de culpar as unidades de conservação e defender a troca da vegetação do Pantanal por pasto. “Gado não é bombeiro do Pantanal. O principal regulador de desmatamento e incêndios do Pantanal é o Rio Paraguai, seus afluentes e suas áreas de inundação”, afirmou.

A pesquisadora Viviane Layme, da UFMT, lembrou que, além do impacto imediato sobre a fauna, com a morte dos animais, haverá também o impacto do pós-fogo.

“O que sobra para os sobreviventes? Escassez de água, aumento de temperatura, solo e água contaminados, perda de alimento e de locais para ninho. Além da vegetação e do banco de sementes perdidos com o fogo”, disse. A presidente da Comissão de Defesa dos Direitos dos Animais da OAB, Gláucia Amaral, propôs um plano de emergência para alimentar os animais no pós-fogo, enquanto a vegetação e os rios se recuperam.

Marcelo Latterman, da Campanha de Clima e Justiça do Greenpeace, sugeriu um decreto de emergência climática. “Mato Grosso pode ter essa posição de vanguarda no Brasil, para aumentar a pressão sobre os entes públicos”, disse.

Leia Também:  Pressionando o Náutico no decorrer da etapa final o Cruzeiro consegue o empate aos 40 minutos do segundo tempo pela Série B neste domingo

Dados da ocupação do Pantanal apresentados pelo coordenador de Inteligência Territorial do Instituto Centro de Vida (ICV), Vinícius Silgueiro, mostram que 25% do território do bioma é ocupado por 32 grandes fazendas. Mais de 1,3 milhão de hectares foram queimados neste ano, ou seja, 22% do bioma. “Prevenção também é fiscalização, investigação e responsabilização, seja com multa, embargos ou restrição de crédito. Não podemos dar sinal de que crime ambiental não dá em nada”, afirmou.

“Este é o período que mais queimou desde o início do monitoramento de queimadas, em 1998”, informou Fabiano Morelli, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), ao exibir imagens de satélite que mostram o avanço do fogo e o rastro de destruição. Cristina Cuiabália, da reserva Sesc Pantanal, relatou o combate às chamas na unidade de conservação e os projetos de recuperação do bioma. “A paisagem tem o homem pantaneiro, a mulher pantaneira e a biodiversidade”, disse.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Momento +

De virada o Grêmio derrota o Athletico PR na noite deste domingo(25) na Arena da Baixada em Curitiba pela 18ª rodada do Brasileirão

Publicados

em

O Grêmio venceu o Athletico por 2 a 1, de virada, na noite deste domingo925), na Arena da Baixada, pela 18ª rodada do Brasileirão.

O Furacão até saiu na frente com um golaço do atacante Carlos Eduardo, mas o Tricolor gaúcho virou com gols do zagueiro Thiago Heleno (contra) e do atacante Ferreira.

O atacante Pepê, que entrou no intervalo, deu novo gás aos visitantes e teve papel fundamental para o resultado. Com o resultado, o Grêmio entra na parte de cima da tabela e deixa o Athletico no Z-4.

Com a derrota, o Athletico fica na 18ª posição, com apenas 16 pontos. O Furacão, agora, volta as atenções para a Copa do Brasil. O Furacão recebe o Flamengo na quarta-feira(28), às 21h30, na Arena da Baixada, pelo jogo de ida das oitavas de final.

O próximo jogo do clube pelo Brasileirão será contra o Sport. A partida da 19ª rodada está marcada para sábado, às 16h, na Ilha do Retiro.

O Grêmio chega aos 24 pontos, entra na parte de cima da tabela e sobe para o nono lugar, com 24 pontos. O Tricolor, agora, também tem compromisso pela Copa do Brasil: contra o Juventude, às 21h30 de quinta-feira(28), no Alfredo Jaconi, pelo jogo de ida das oitavas de final.

Leia Também:  Homem é baleado em estrada cai em buraco e fica por 10 horas até ser resgatado por equipes da Polícia e do SAMU com vários ferimentos

O próximo desafio do Grêmio pelo Brasileirão será contra o Bragantino. O jogo da 19ª rodada será na segunda-feira(02), às 20h, na Arena do Grêmio.

 

Otavio Vetureli(da redação)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA