Momento +

Empresária de 37 anos é mais uma vítima do coronavírus após complicações no parto e dar a luz a um bebê na UTI de Clínica

Publicados

em

Morreu nesta segunda-feira (11) a empresária Marieli Lysakowski Santin, de 37 anos.

Ela estava internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da Clínica Femina, em Cuiabá, após ter tido complicações durante o parto, que ocorreu há dez dias. Além disto, também ficou confirmado que ela contraiu o novo coronavírus.

 A sobrinha de Mariele, Monique Santin,  informou que ela teve um bebê há alguns dias, mas acabou tendo uma complicação no parto. “Teve uma trombose, que acabou se espalhando pelo corpo e chegou ao pulmão. Infelizmente ela não resistiu. Também confirmaram que ela tinha contraído o coronavírus”.

Marieli era natural do estado do Rio Grande do Sul, mas morava em Cuiabá há alguns anos. Ela era proprietária de uma loja no Shopping Popular de Cuiabá, onde comercializava cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal.

O bebê de Mariele está bem e deverá receber alta nos próximos dias. Chorando bastante, a sobrinha lamentou a perda e lembrou da homenagem que ela fez: “Minha tia foi uma pessoa cheia de vida. Eu perdi meu irmão há quatro anos e ele colocou o nome do filho em homenagem a ele”.

Leia Também:  Coronel da Polícia Militar de Mato Grosso e ex-Diretor do Hospital Militar do Estado morre na manhã desta quarta(16) com infecção generalizada

Outras duas pessoas da família da empresária também contraíram o novo coronavírus e seguem lutando contra a doença. Amigos aproveitaram se despedir nas redes sociais, com diversas homenagens.

 

Otavio Ventureli(com OD)

Momento +

Juíz da 1ª zona eleitoral de Cuiabá entende que máscaras e álcool em gel distribuídos com nomes de cadidato não configuram propaganda eleitoral

Publicados

em

O juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto(foto), da 1ª Zona Eleitoral de Cuiabá, entendeu que máscaras e álcool em gel distribuídos com o nome do vereador Juca do Guaraná Filho  não configuram propaganda eleitoral antecipada.

O magistrado sentenciou uma ação movida pelo Ministério Público Eleitoral contra o parlamentar e julgou improcedente o pedido de condenação a ele.

Fidfelis chegou a dar liminar a favor do MP eleitoral em julho,  proibindo Juca de distribuir as máscaras. Contudo, ao analisar o mérito da ação, entendeu que não houve propaganda eleitoral por não haver pedido expresso de voto na distribuição das máscaras.

Além do aparato para o rosto, Juca também doou álcool em gel com o nome da empresa “Juca do Guaraná Transportes”. Para o MP Eleitoral, o vereador tentava inutilmente “dissuadir que a propaganda eleitoral seria referente a empresa” ao incluir o termo “transportes” na logomarca.

Juca chegou a fazer consulta pedindo parecer do MP Eleitoral sobre a destruição gratuita de “milhares de máscaras cirúrgicas e dosagens de álcool em gel” por meio do advogado Marcos Antônio Souza Laranhaga Carrara. O órgão recomendou a não distribuição dos itens e depois acabou acionando o vereador na Justiça Eleitoral, que deu a liminar em 10 de julho.

Leia Também:  Investigações da Polícia Civil identificam corpos encontrados crivados de balas amarados um ao outro e com marcas de tiros de pistola

A defesa de Juca argumentou que a distribuição do material foi feita entre 22 e 29 de abril, “em um contexto social alarmante decorrente da pandemia do novo coronavírus, qual seja, em pleno ápice da escassez de EPIs”. Primeiro, teriam distribuído máscaras cirúrgicas brancas e no dia 29 daquele mês foram produzidos os materiais com a logomarca da empresa, que é da família de Juca.

Os advogados do parlamentar argumentam ainda que o Ministério Público foi avisado das doações quando foi feita a consulta pedindo parecer e que, depois de uma notificação recomendatória, o vereador não doou quaisquer novos materiais.

Também defendem que a distribuição de máscaras não seria propaganda eleitoral antecipada porque não havia pedido de votos, nem existia “potencialidade lesiva para prejudicar a normalidade do pleito eleitoral”.

“É relevante anotar que não se trata de convalidar a distribuição de brindes, na escalada inicial da pandemia de Covid-19, o que é expressamente vedado, inclusive em período eleitoral, mas sim, buscar saber se o material apreendido evidencia propaganda eleitoral ou se situa em um indiferente eleitoral”, registrou o juiz.

Geraldo Fidelis afirmou que a situação gera dúvida sobre a ocorrência de propaganda extemporânea pelo conteúdo do material, ainda que tivesse sido demonstrada preocupação com a saúde da população em meio à pandemia.

Leia Também:  Médica picada por cobra em MT e em tratamento em São Paulo emite nota sobre posicionamento do Conselho Regional de Medicina MT

Ele justificou a liminar em razão de uma “estranheza” inicial, mas reiterou que não houve pedido de votos.

“Não pode passar despercebido que o período de pandemia do novo coronavírus promoveu uma mudança de paradigmas não apenas na sociedade brasileira, mas também em toda a humanidade e, inclusive, como mencionado pela defesa, o envolvimento da iniciativa privativa na promoção de doações de toda ordem de bens, produtos e serviços, é fenômeno que pode ser visto em todos os meios de comunicação”, afirmou.

“É também certo, que o engajamento pode, eventualmente, possuir fins promocionais e até mesmo escusos, porém, a fim de que a máxima “dois pesos e duas medidas” seja, tanto quanto possível, substituída pela paridade de armas e igualdade entre as partes, na ausência de certeza da prática de pedido expresso de votos e ainda, diante da comprovação da atividade empresarial exercida mediante o nome fantasia “Juca do Guaraná Transportes”, não há como acolher o pedido deduzido na representação”, julgou.

 

Otavio Ventureli(da redação com ascom)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA