Momento +

Empresário é preso em flagrante pela Polícia Civil após assédio sexual contra uma mulher que procurava emprego em sua loja

Publicados

em

Um empresário dono de uma loja, localizada no bairro Jardim Leblon, em Cuiabá, foi preso em flagrante pela Polícia Civil, na terça-feira (27), após a vítima procurar o Plantão policial de Atendimento à Vítimas de Violência Doméstica e Sexual de Cuiabá.

O homem é acusado de abusar sexualmente de uma jovem durante entrevista de emprego.

A mulher de 18 anos levou o currículo na loja, no bairro Jardim Leblon, após visualizar o anúncio de emprego com vaga para atendente de assistência técnica, na rede social da empresa.

No local, a mulher foi recebida pelo proprietário do estabelecimento que pediu para que a vítima retornasse no final da tarde com roupa mais adequada para que ele e a gerente da loja visualizassem melhor sua aparência.

Quando a jovem retornou à loja, o suspeito estava sozinho e começou a fechar o estabelecimento, dizendo que a gerente tinha saído, mas que logo retornaria.

A partir desse momento, o suspeito passou a assediar a vítima, falando sobre as tatuagens que ela tinha pelo corpo, pedindo para que ela trocasse de roupa e colocasse o uniforme da empresa e em seguida andasse pela loja para ele avaliá-la.

Leia Também:  Vereadora de Cuiabá defende fortalecimento das políticas públicas de proteção à mulher

Durante a entrevista, o proprietário disse que faria um teste com ela e que cada pergunta que ela errasse teria que tirar uma peça de roupa, momento em que também começou a tocar o corpo da jovem para ver suas tatuagens. Muito nervosa e chorando, a vítima conseguiu se desvencilhar do suspeito que ainda tentou convencê-la a voltar na loja no dia seguinte.

Ela saiu da empresa e procurou o Plantão de Atendimento a Vítimas de Violência Doméstica e Sexual para registrar a ocorrência.

Imediatamente, a equipe policial do plantão coordenada pela delegada Jannira Laranjeira Siqueira Campos iniciou as diligências para identificar e localizar o suspeito, que foi preso em flagrante em uma residência no bairro Ribeirão do Lipa em Cuiabá.

O suspeito foi conduzido ao Plantão, onde foi interrogado pela delegada plantonista e autuado em flagrante por estupro.

“O que chama atenção é que a vaga divulgada pela empresa era para atendente, serviço realizado exclusivamente por telefone. Mesmo assim, o suspeito alegou a aparência da vítima para buscar a oportunidade para ficar sozinho com ela e praticar o abuso”, disse a delegada.

Leia Também:  Planejamento estratégico para o Esporte e Lazer para Sorriso será apresentado na segunda, 29

 

 

Otavio Ventureli(da redação com OD)

Momento +

Com livros reciclados, recuperandos de São Félix do Araguaia confeccionam artesanato como forma de ressocialização

Publicados

em

 

Da riqueza dos livros ao trabalho de reciclagem, para se tornar artesanato e enfim, ser instrumento de ressocialização. Assim, a Cadeia Pública de São Félix do Araguaia (1.150 km da Capital) tem feito valer a Lei de Execução Penal, que entre outras coisas, assegura a reinserção do recuperando por meio do trabalho.

Por meio da doação de livros didáticos e revistas, os recuperandos da unidade dedicam parte de seus dias à produção de artesanatos com estes materiais recicláveis, que vão desde cestas decorativas, bolsas e até mesmo fruteiras.

O projeto “Mãos que Criam” foi uma ideia da assistente do Sistema Penitenciário, Noemi Fernandes de Oliveira, servidora pública há 11 anos. Com o olhar atento à saúde dos presos, Noemi percebeu que muitos faziam o uso de medicamentos controlados. Como forma de diminuir a ociosidade e trabalhar a ressocialização, ela deu o pontapé para o projeto, que abrange 90% dos recuperandos da unidade. E percebeu a diferença na saúde dos internos.

Estes reeducandos são selecionados e, posteriormente, cadastrados como artesãos na unidade prisional. A partir daí, os produtos por eles confeccionados são catalogados e etiquetados. Parte do recurso arrecadado com a venda dos produtos – 60% – é repassado à família do recuperando ou a uma conta bancária do próprio preso. E o restante – 40 % – retorna ao Conselho da Comunidade da comarca de São Félix do Araguaia, para reposição de material (matéria prima) e para custear as despesas com a logística.

Leia Também:  Policiais civis prendem em flagrante suspeito de usar documentos falsos para obter empréstimos

“Este projeto visa proporcionar ao apenado capacitação para aprimoramento e ampliação de suas habilidades adquiridas na relação de convivência com outros reclusos, em específico no aprendizado do trabalho artesanal feito em papel (reciclagem de livros e revistas) e crochê (linhas e barbantes)”, explicou Noemi.

O diretor da Cadeia Pública, Jackson de Souza, destacou que o projeto é uma importante ferramenta de ressocialização da unidade e isso se deve também às parcerias firmadas.

“Para nós, este projeto veio contribuir de forma significativa, pois hoje um dos grandes desafios do Sistema Penitenciário é trabalhar a ressocialização e o retorno do privado de liberdade à convivência em sociedade. E é graças a parceiros como o Conselho da Comunidade e a prefeita Janailza, que se sensibilizaram e se tornaram parceiros do projeto”, disse o diretor.

Exposição

Foi por meio da parceria com a Prefeitura de São Félix do Araguaia, que os recuperandos puderam expor seus produtos durante a inauguração da Praça da Bíblia, ocorrida no último dia 19 de novembro.

Na ocasião, a prefeita Janailza Taveira fez questão de prestigiar o espaço disponibilizado à exposição dos produtos confeccionados pelos recuperandos.

Leia Também:  Ciopaer homenageia personalidades que contribuem para o crescimento da unidade

Lei de Execução Penal

A Lei de Execução Penal (Lei nº 7.210/1984) ressalta que o trabalho nas prisões tem como finalidade alcançar a reinserção do condenado, levando-se em conta a habilitação, a condição pessoal e as necessidades futuras do preso, bem como as oportunidades oferecidas pelo mercado.

Ainda de acordo com a LEP, a cada três dias de trabalho, o preso diminui pode diminuir um dia de sua pena. Além disso, a lei prevê ainda a remição por estudo e por leitura.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA