Momento +

Índios da etnia Munduruku protestam na BR 163 e quebram a pauladas equipamentos de TV americana que cobria a manifestação

Publicados

em

Uma equipe de TV americana teve parte dos equipamentos destruídos por indígenas da etnia Munduruku durante protesto na BR 163 no distrito de Campo Verde, em Itaúba  no sudoeste do Pará. Cerca de 150 indígenas participam da interdição na estrada.

Os jornalistas faziam a cobertura da interdição da rodovia que já dura cinco dias. Eles foram intimados pelos manifestantes que pedem a legalização da atividade garimpeira em reservas indígenas da região, que são protegidas por lei.

Um grupo de indígenas pegou alguns equipamentos que foram destruídos a pauladas e depois queimados.

Imagens de celular mostram o momento em que a equipe é cercada pelos indígenas. O jornalista Pedro Andrade, que está fazendo a reportagem internacional, falou com os indígenas.

“Tenho sim respeito, sei o quão difícil é ser Munduruku hoje em dia e tenho admiração pelas mulheres guerreiras que eu sei que lideram esse movimento”, disse.

Por causa do bloqueio, uma grande fila de caminhões se formou nos dois lados da pista. São caminhões de grãos e cargas e veículos de passeio que estão impedidos de seguir viagem.

Leia Também:  Polícia Civil investiga assassinato de motorista de aplicativo morto com quatro tiros a queima-roupa nesta quarta-feira(21)

Uma equipe da Polícia Militar esteve no local e tentou negociar com os manifestantes e parte dos equipamentos foram recuperados.

Em nota, a corporação disse apenas que foi acionada para retirar a equipe de imprensa. Sobre uma suposta postagem do fato que teria sido feita por um agente da corporação em uma rede social, a PM esclarece que vai apurar os fatos.

Otavio Ventureli(da redação com G1)

Momento +

Presidente do PDT de MT lamenta saída de Pivetta da sigla e diz que vice-governador deixou um legado em 15 anos de filiação e militância

Publicados

em

O deputado estadual e presidente do PDT em Mato Grosso, Allan Kardec, lamentou a desfiliação do vice-governador Otaviano Pivetta(a esquerda na foto) da sigla.

O estopim para o rompimento foi o apoio de Pivetta à Coronel Fernanda, que defende as ideologias do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

“Fiquei triste, ontem tivemos uma conversa e ele pediu a desfiliação, mas ele já vinha ensaiando isso desde a campanha de 2018, quando apoiou o Bolsonaro. Agora ele se manifestou a favor da candidata Coronel Fernanda e isso vai direto contra a direção partidária”, explicou Kardec.

Porém, mesmo com a desfiliação, o deputado não poupou elogios a Pivetta no tempo em que foi membro do PDT.

“O Pivetta deixou um legado no PDT, teve mais de 15 anos de militância, teve 3 mandatos de prefeito, que foram premiados em todo Brasil. Ele é uma pessoa que tenho como referência, mas hoje é uma pessoa que se posiciona diferente daquilo que o PDT orienta”.

Allan ainda disse que a saída do vice-governador não provocará uma “debandada” do partido. “O PDT continua firme, hoje sem o Pivetta, mas crescendo no Estado. Ele não irá levar ninguém, não fez o pedido para ninguém sair. Ele só se desfiliou, não irá para nenhum partido até o final deste ano e nós vamos estar tocando o partido, hoje sem o Pivetta, mas lembrando sempre que ele ajudou na construção do partido no Estado”.

Leia Também:  Outra: Polícia Federal deflagrou na manhã desta quarta(21) Operação "O Quinto Ato" e um dos alvos é o Senador Fernando Collor de Melo

Racha no PDT

Otaviano Pivetta declarou apoio à Coronel Fernanda durante carreata realizada no sábado (17), em Lucas do Rio Verde, Mato Grosso. Ainda filiado ao PDT, o anúncio foi em desencontro com a escolha do partido em apoiar o advogado Euclides Ribeiro.

Na segunda-feira (19), Pivetta postou em sua rede social que pediu para sair da sigla e que teve uma conversa “amigável e respeitosa” com Allan Kardec.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com Assessoria)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA