Momento +

Juiz manda soltar homem que tentou matar a tiros policial federal durante a Operação contra facções criminosas que atuam em Mato Grosso

Publicados

em

O juiz federal Jeferson Schneider(em destaque na foto), da 5º Vara de Mato Grosso, determinou a soltura do homem que atirou contra um policial federal durante operação de desarticulação do Primeiro Comando da Capital (PCC).

A decisão foi proferida nesta quarta-feira (2), dois dias após o incidente, que foi registrado no Distrito do Sucuri, em Cuiabá.

Na segunda-feira (31), a Polícia Federal cumpriu diversas ordens judiciais contra o ”alto escalão’ da facção criminosa. Em uma das ações, um agente foi baleado ao tentar entrar na casa de uma das suspeitas. O tiro partiu do irmão da mulher, que não tinha posse legal do armamento. O policial sobreviveu pois estava de colete e o tiro ficou retido em seu distintivo.

Diante da situação, o homem foi preso em flagrante e o Ministério Público Federal pediu pela conversão da prisão em preventiva. O caso foi apresentado à Justiça federal e o homem foi apontado por resistência, posse ilegal de arma e homicídio doloso tentado.

Contudo, no entendimento do juiz federal, ainda que seja grave a situação do tiro contra o policial, foi levado em consideração, também, a versão apresentada pelo homem, que disse ter se assustado com a ação e acreditou que seria vítima de um assalto.

Leia Também:  Com temperaturas beirando os 3ºC na Capital nos próximos dias Secretaria de Assistência Social distribui cobertores para pessoas carentes de rua

O juiz argumentou também que não havia qualquer tipo de ordem judicial contra o suspeito. Além disso, o celular do homem foi apreendido e nada que o ligasse à facção criminosa foi encontrado. Por fim, Schneider também apontou que o homem tem quase 60 anos e não tem antecedentes criminais, além de residir em endereço fixo há 14 anos.

“Assim, ao contrário do que sustentado pelo Ministério Público Federal, não há elementos robustos a indicar a possibilidade real de reiteração da conduta, tampouco a intenção do investigado de se furtar da aplicação da lei penal. Isto porque se ele sequer estava sendo investigado, é pouco crível que tentaria dolosamente contra a vida de policiais com o fim de se furtar da aplicação da lei penal”, narra trecho da decisão. Mas, tentou matar. Clara tentativa de homicidio contra o estado brasileiro.

Como medida cautelar, o juiz definiu que o homem deve comparecer em juízo a cada dois meses, para atualizar as autoridades sobre suas atividades.

 

Otavio Ventureli(com assessoria)

Momento +

Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Publicados

em

Viver conectado é quase uma necessidade nos dias atuais. Quase não há mais separação do mundo virtual para o real. Estamos conectados 24 horas por dia.

A internet tornou-se uma ferramenta essencial para a maior parte da população. É um espaço democrático, onde podemos expressar opiniões.

Mas, também se tornou um local de ataques e disseminação de ódio. Quem faz comentários maldosos na internet são chamados de ‘haters’.

O ‘hate’ é um termo em inglês que na linguagem tecnológica significa “pessoa que posta mensagem de ódio na internet”. Podendo ser para uma pessoa específica ou um grupo.

O ódio sempre foi um sentimento existente. Porém, ele foi potencializado com a chegada e popularização da internet, principalmente, no Brasil.

Os ataques virtuais têm se tornado cada vez mais frequentes. Qualquer pessoa está passiva a esse tipo de ato. Entre os principais alvos dos haters, estão às pessoas públicas.

A Dra. Crhisttiane. psicóloga explicou o por que às pessoas estão com um comportamento cada vez mais agressivo na internet.

Leia Também:  Fabio Garcia e entidades de defesa do consumidor querem redução nas contas de luz

Para a especialista Christiane Bianchi, a conduta “pode ser pelo fato delas se sentirem impotente e com uma necessidade de se imporem sobre as outras pessoas”.

Conforme a psicóloga, as pessoas entendem que devemos ter um bom comportamento apenas no offline, ou seja, fora da internet, na vida real.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento deve obedecer às regras sociais no presencial. Mas, ainda tem muitas pessoas que não perceberam que as regras também valem para as redes sociais”, afirmou a psicóloga.

Para Cristiane Bianchi, as redes sociais acabam encorajando as pessoas em posições extremas, a se sentirem mais confiantes para expressarem o que pensam, o que pode afetar gravemente o psicológico para quem é dirigido os comentários de ódio.

“Quando o indivíduo tem interação com o cyberbullying, os danos à saúde mental são muito graves”.

Há leis que punem o Cyberbullying no Brasil. Termo que define a prática do bullying nas redes sociais. O artigo 147-A da Lei 14,132 de 2021  diz que “perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade” é crime de assédio on-line, com pena de reclusão de seis (06)  meses a dois (02) anos.

Leia Também:  Com temperaturas beirando os 3ºC na Capital nos próximos dias Secretaria de Assistência Social distribui cobertores para pessoas carentes de rua

Todos nós podemos ser um hater. Discordar de uma publicação ou comentário com outro comentário maldoso é estar disseminando ódio na internet.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA