Momento +

Operação Vespeiro da PJC prende 13 pessoas suspeitas de pertencerem ao Comando Vermelho em Água Boa MT e Barra do Garças MT

Publicados

em

Operação Vespeiro, da Polícia Civil, prendeu 13 pessoas suspeitas de serem membros do Comando Vermelho, na região do Vale do Araguaia, com objetivo de reprimir os crimes que vinham ocorrendo na região em nome da facção criminosa.

As prisões ocorreram após a morte de 3 criminosos em conflito com os policiais e ameaças de ‘vingança’ por parte dos faccionados, que divulgaram áudios nas redes sociais.

De acordo com as informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, a operação foi deflagrada pela equipe da Delegacia de Água Boa MT, após o roubo na casa de uma policial civil, que foi feita de refém junto com o marido. Na ação, os criminosos levaram vários objetos da casa e o veículo da família.

No sábado (12), equipes identificaram uma casa em Barra do Garças onde membros da quadrilha estavam. Houve um conflito e um deles acabou morrendo, outro foi baleado. Antes disso, no dia 10, outros dois suspeitos de outros crimes perderam a vida em conflito com a polícia de Barra.

Leia Também:  Dois homens sofrem acidente durante a escavação de uma fossa um consegue sair a tempo e o outro morre apesar dos esforços do Corpo de Bombeiros

 As  mortes causaram revolta nos membros do CV do Vale do Araguaia, que divulgaram diversos áudios prometendo vingar a morte dos ‘irmãos’. Com ameaça de ‘Salve’ nas cidades, o policiamento precisou ser reforçado e contou com o apoio da Gerência de Operações Especiais (GOE) de Cuiabá.

O Delegado Gutemberg de Lucena, de Água Boa, informou que os suspeitos foram identificados e presos em vários pontos da região. Disse ainda que eles são responsáveis por crimes como roubos, furtos e tráfico de drogas. Entre os presos está um empresário da cidade.

Sem informar a identidade do suspeito, a polícia informou apenas que ele é responsável pela logística dos bandidos durante os roubos. Com os suspeitos, armas, munições, droga e objetos levados nos crimes foram levados. Diligências continuam na região para buscar mais membros da facção criminosa.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Momento +

“Impecável”, assim classificou Promotor de justiça a condução do Inquérito policial que apurou a morte de Isabelle Guimarães no Alphaville

Publicados

em

O promotor titular da 12ª promotoria de Justiça Criminal, Marcos Regenold Fernandes(foto), classificou como “impecável” os indiciamentos de Marcelo Martins Cestari, Gaby Soares de Oliveira Cestari e Glauco Fernando Mesquita Correa da Costa.

Eles são pais (Marcelo e Gaby) e sogro (Glauco) da adolescente de 15 anos que matou Isabele Guimarães Ramos, 14 anos, com um tiro na cabeça. O fato aconteceu no dia 12 de julho, no condomínio de luxo Alphaville I, no bairro Jardim Itália, em Cuiabá.

O inquérito policial (IP) foi presidido pelo delegado Wagner Bassi, da Delegacia Especializada do Adolescente (DEA). A autoridade policial indiciou Gaby e Glauco por omissão de cautela, crime previsto no artigo 13 do Estatuto do Desarmamento, e Marcelo por posse ilegal de arma de fogo, por emprestar arma para adolescente e por homicídio culposo.

“De primórdio, convém dizer que o indiciamento feito pelo douto Delegado de Polícia Wagner Bassi  é irreprochável impecável, perfeito  já que os fatos ali narrados como crime estão perfeitamente adequados tipicamente aos delitos citados”, disse o promotor.

A fala de Regenold consta no pedido de despacho de declínio de competência de investigação contra Marcelo, Gaby e Glauco. O juiz João Bosco Soares da Silva, da 10ª Vara Criminal de Cuiabá, atendeu à solicitação do promotor e determinou que o caso fosse encaminhado a uma das Varas de Feitos Gerais Criminais da Capital.

Leia Também:  Comissão de Constituição Justiça e Redação analisa oito projetos em reunião ordinária desta quarta-feira da Câmara Municipal de Cuiabá

No pedido, o promotor disse que o delegado identificou dois fatos que caracterizam o crime de entrega de arma de fogo a menor, sendo cada fato punido com pena de reclusão de três a seis anos.

Ele classificou a entrega da arma e a morte da adolescente como “conexão instrumental probatória”, pois se os pais não tivessem entregado as armas a sua filha, o disparo contra Isabele não teria ocorrido. Deste modo, o promotor diz que o crime de entrega de arma a menor é indissociável do crime de homicídio culposo, já que um não ocorreria sem o outro.

“o descumprimento das regras de GARANTIDOR se dão seja com a permissão do acondicionamento ilegal de arma de fogo de terceiro em sua casa, seja por deixar armas de fogo na mesa de sua sala de estar por toda a tarde e parte da noite, mesmo com a circulação de adolescentes vizinhos, seja com a determinação para sua filha guardar os armamentos, quando ele mesmo deveria fazê-lo, vindo a ocasionar o exício da vítima”, enfatizou o membro do Ministério Público de Mato Grosso (MPMT).

Absolvição de Cestari

O juiz João Bosco absolveu sumariamente Marcelo pelo crime de posse ilegal de arma de fogo. O empresário chegou a ser indiciado pela Polícia Civil no artigo 12 da Lei do Desarmamento depois que encontraram quatro armas em sua casa no dia da morte de Isabele. Vale lembrar que esse é um procedimento diferente dos presididos por Bassi.

Leia Também:  Depois de uma derrota dolorida para a LDU do Equador pela "Liberta" São Paulo tenta reabilitação neste sábado diante do Inter no Beira-Rio

Marcelo foi indiciado depois que os agentes da Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) localizaram uma pistola 9 milímetros, uma pistola calibre 38 e dois revólveres 357 sem a devida documentação na casa do empresário. Além destas, os policiais encontraram uma pistola calibre 380 e uma pistola calibre de propriedade de Glauco.

Diante disso, Marcelo foi preso em flagrante e encaminhado à sede da DHPP. No interrogatório, o empresário declarou que as armas estavam sem documentação, porém como eram provenientes do exterior, possuía guia de transporte, documentação de compra, autorização do exército, que só não estavam com registro por estarem em processo de apostilamento através de um despachante.

Depois do depoimento, os autos foram remetidos à 2ª Delegacia de Polícia Civil e o delegado Jefferson Dias indiciou o empresário por posse ilegal de arma de fogo.

Entretanto, Marcelo comprovou a regularidade das quatro armas por meio das guias de trânsito emitidas pelo Exército Brasileiro, que permitiam que elas estivessem sob a sua guarda. Diante disso, ele foi ordenamento a absolvição do empresário.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria e hntnoticias)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA