Momento +

Pensando na aposentadoria em 2022 vice-Governador Otaviano Pivetta também não descarta uma possível candidatura ao Governo de MT

Publicados

em

Após desistir da candidatura ao Senado, o vice-governador Otaviano Pivetta(a direita na foto) não descarta uma possível candidatura como governador em 2022.

De acordo com o político, não existem planos antecipados e a conjuntura será analisada no ano eleitoral.

“Sinceramente, quem não quer ser governador do estado de Mato Grosso? Eu não penso nisso, por enquanto, porque eu não vivo de ilusão, de sonho.  Eu sou companheiro do Mauro Mendes, a gente escolheu andar juntos desde 2008, eu confio nele, é recíproco […] Em 2022, vamos analisar como está a conjuntura, como a gente se encaixa para continuar ajudando, ou vamos aposentar”, ressalta.

Apesar de admitir a possibilidade, o vice-governador desmentiu que já exista um grupo político pedindo a sua candidatura na próxima eleição.

“Não tem um grupo que pede a minha candidatura ao governo, todo mundo sabe do meu comportamento e do meu pensamento sobre isso. Eu respeito muito o tempo, Mauro é o primeiro da fila, tem todas as condições para buscar uma reeleição, se ele quiser. Eu vou apoiá-lo, ele está indo bem, está fazendo um governo pró ativo”, comenta.

A desistência de Pivetta na disputa ao Senado foi em consideração a um pedido do próprio governador. Segundo o vice, existiam boas condições políticas, mas o mandato ao lado de Mendes foi um fator crucial na decisão.

Leia Também:  Corinthians supera pressão no Bombonera em Buenos Aires e arranca um empate diante do Boca na noite desta terça pela Libertadores

Ao acatar o pedido do governador, Otaviano também deixou o caminho livre para que Mauro Mendes  apoie Carlos Fávaro (PSD), também pré-candidato ao Senado.

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Momento +

Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Publicados

em

Viver conectado é quase uma necessidade nos dias atuais. Quase não há mais separação do mundo virtual para o real. Estamos conectados 24 horas por dia.

A internet tornou-se uma ferramenta essencial para a maior parte da população. É um espaço democrático, onde podemos expressar opiniões.

Mas, também se tornou um local de ataques e disseminação de ódio. Quem faz comentários maldosos na internet são chamados de ‘haters’.

O ‘hate’ é um termo em inglês que na linguagem tecnológica significa “pessoa que posta mensagem de ódio na internet”. Podendo ser para uma pessoa específica ou um grupo.

O ódio sempre foi um sentimento existente. Porém, ele foi potencializado com a chegada e popularização da internet, principalmente, no Brasil.

Os ataques virtuais têm se tornado cada vez mais frequentes. Qualquer pessoa está passiva a esse tipo de ato. Entre os principais alvos dos haters, estão às pessoas públicas.

A Dra. Crhisttiane. psicóloga explicou o por que às pessoas estão com um comportamento cada vez mais agressivo na internet.

Leia Também:  América MG abre vantagem no primeiro tempo sobre o Tolima mas cede o empate ainda na etapa inicial e não tem mais chances na "Liberta"

Para a especialista Christiane Bianchi, a conduta “pode ser pelo fato delas se sentirem impotente e com uma necessidade de se imporem sobre as outras pessoas”.

Conforme a psicóloga, as pessoas entendem que devemos ter um bom comportamento apenas no offline, ou seja, fora da internet, na vida real.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento deve obedecer às regras sociais no presencial. Mas, ainda tem muitas pessoas que não perceberam que as regras também valem para as redes sociais”, afirmou a psicóloga.

Para Cristiane Bianchi, as redes sociais acabam encorajando as pessoas em posições extremas, a se sentirem mais confiantes para expressarem o que pensam, o que pode afetar gravemente o psicológico para quem é dirigido os comentários de ódio.

“Quando o indivíduo tem interação com o cyberbullying, os danos à saúde mental são muito graves”.

Há leis que punem o Cyberbullying no Brasil. Termo que define a prática do bullying nas redes sociais. O artigo 147-A da Lei 14,132 de 2021  diz que “perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade” é crime de assédio on-line, com pena de reclusão de seis (06)  meses a dois (02) anos.

Leia Também:  Roubalheira da Copa 2014: Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso rejeita recurso da Prefeitura de Cuiabá contra mudança de VLT para BRT

Todos nós podemos ser um hater. Discordar de uma publicação ou comentário com outro comentário maldoso é estar disseminando ódio na internet.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA