Momento +

Polícia Militar abre IPM para apurar a morte de rapaz supostamente envolvido em “baderna” no centro de Chapada dos Guimarães MT

Publicados

em

A Polícia Militar de Mato Grosso  afastou os PMs envolvidos na ocorrência que culminou na morte do rapaz,  Jonath da Silva Rosário, de 23 anos. O “entreveiro” teria começado na Praça Dom Wunibaldo(foto), no centro da cidade.

Ele foi baleado por policiais na madrugada desta quinta (1º), após não obedecer ordem de parada em Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. “Ambos já estão respondendo Inquérito Policial Militar (IPM) instaurado para apurar o caso”, revela nota do governo

A  família do rapaz  denuncia excesso e truculência. Segundo informações da polícia, o jovem estaria participando de uma “baderna” com um grupo de amigos na praça Dom Wunibaldo.

Os militares foram até o local para dispersá-los. Na versão dos policiais, ao retornar para a viatura, uma equipe avisou uma pessoa em um moto Honda subindo a rua em alta velocidade e fazendo algazarras. Teria sido dada ordem de parada. E após serem desobedecidos, eles dispararam contra o rapaz. Jonath chegou a ser socorrido, mas mas não resistiu e morreu.

Leia Também:  Filho de Juiz que atropelou motociclista em Cuiabá e fugiu do local ameaçando populares com arma de fogo será ouvido pela Polícia em Sinop MT

 

 

Otavio Ventureli(da redação com ascom)

 

Momento +

Disputa eleitoral acirram os ânimos na Aprosoja e Galvan suspende reunião do Conselho Fiscal impedindo acesso aos balancetes 2020

Publicados

em

Em meio a disputas internas na Aprosoja que deve escolher nova diretoria em 9 de novembro, o presidente da APROSOJA,  Antônio Galvan(foto),  teria suspendido a reunião ordinária do Conselho Fiscal marcada para esta sexta (23) e os membros teriam sido surpreendidos ao serem impedidos de ter acesso aos balancetes de 2020.

Ele alega que estaria agindo para manter a segurança das informações, acusa membros do Conselho de vazarem documentos para prejudicar a imagem da gestão e diz que já procurou a Justiça sobre o caso.

“Queremos evitar uma situação de insegurança, já vazaram documentos, fazem acusações infundadas e vão ser responsabilizados judicialmente. Eles mesmos já aprovaram as contas de 2018 e 2019, qual o motivo de ir à rua e falar isso? Enquanto não se retratarem vai continuar a suspensão”, disse Galvan.

Mas os componentes do Conselho, que residem no interior, afirmam que só teriam sido informados do cancelamento após chegarem à capital e alegam que foram impedidos de ter acesso aos documentos com os balancetes da auditoria aos quais cabem a eles fiscalizar.

Leia Também:  Dados oficiais da Secretaria de Segurança Pública de MT apontam redução de 1,3% na taxa de homicidios entre janeiro e setembro

A decisão teria partido da diretoria, formada por 14 membros, e assinada por Galvan. Segundo o coordenador do Conselho Fiscal José Guarino, de Sapezal, estiveram na sede da Aprosoja, ele, Naildo Lopes, de Nova Mutum e Jesus Cassol, de Campo Novo do Parecis.

O atual presidente acredita que as suspeitas em torno da gestão sejam motivadas pela disputa eleitoral. “Legalmente não tem nada de ilícito, eles dizem que tem coisa errada e queremos que comprove”.

 Mas Guarino nega a motivação e garante que o intuito era cumprir com a agenda programada. “Só viemos ver as contas e era convocação ordinária, nada fora do que estava previsto”, disse ao .

Explica que a reunião era para avaliar o plano de ação e o balancete do primeiro e segundo trimestres, sob a responsabilidade Galvan. “Nossa atribuição é fiscalizar. Foi um ato arbitrário, ilegal e ditatorial do presidente e sua diretoria, que além de nos impedir de realizar nossas atribuições, determinou que a auditoria independente não nos entregasse documentos para análise, impedindo qualquer verificação de possíveis irregularidades”.

Leia Também:  Justiça determina retirada de tornozeleira eletrônica do ex- bicheiro Joao Arcanjo que a partir de hoje cumpre pena em regime aberto

Segundo Guarino, os conselheiros fiscais da Aprosoja são eleitos pelos associados por voto direto em assembleia, e têm a atribuição estatutária de analisar as contas da associação, conforme o artigo 35 do Estatuto da entidade.

Eleição

Galvan vive um momento delicado à frente da Aprosoja e chegou a ter condenações judiciais pelo plantio de soja fora do calendário permitido. O assunto vem sendo apontado por adversário que disputam a sucessão na diretoria.

Disputam a nova diretoria no triênio 2021-2023 duas chapas encabeçadas: na oposição está Marcos da Rosa, presidente, e Ricardo Arioli, vice, (Aprosoja para Todos) e Fernando Cadore, presidente, e Lucas Costa Beber, vice, (Aprosoja Decidida Produtor Mais Forte).

 

 

Otavio Ventureli(da redação com rdnews)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA