Momento +

Prefeito de Cuiabá afirma que Governador do Estado Mauro Mendes não tem moral para tentar exercer controle sobre Polícia Civil e MPE

Publicados

em

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, rebateu as declarações do governador de Mato Grosso, Mauro Mendes sobre a suposta demora da Polícia e do Ministério Público de Mato Grosso para conduzir investigações contra o  Chefe do Executico da capital.

Em nota, assinada por sua assessoria jurídica, Emanuel acusa o democrata de tentar direcionar processos que o envolvam e citou casos de corrupção que supostamente envolvem, Mauro Mendes.

“O que revela a tentativa de “puxada de orelha”, na expressão do próprio Governador, é uma vontade de exercer o controle sobre órgãos que são INDEPENDENTES. Não é o MPE, e nem a PJC, uma espécie de puxadinho do gabinete do Governador. Há delegados e promotores neste Estado, e por certo nenhum deles precisa de “dicas” ou “favores” do Governador para que façam seus respectivos trabalhos, dentro da legalidade e com respeito aos princípios  constitucionais”, diz trecho da nota.

A fala de Mendes ocorreu durante entrevista “quebra-queixo” no pátio do Comando-Geral da Polícia Militar, quando o Governador chegava para participar de uma solenidade. Perguntado sobre as eleições na Capital, marcadas para novembro, o governador soltou o verbo contra Pinheiro e sua gestão.

Leia Também:  Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Além disso, questionou a atuação do Ministério Público sobre a condução de investigações contra o prefeito, que é seu adversário político. O democrata relembrou denúncia feita pelo Deputado, Wilson Santos, na campanha de 2016, e sugeriu que o órgão fiscalizador não deu prosseguimento ao caso.

“Todo organismo de combate à corrupção tem que atuar. A Deccor tem que dizer por que alguns processos não andam. Cadê aquela denúncia do Wilson Santos da época da eleição, o que aconteceu que nada aconteceu? Tem que puxar a orelha da Deccor e de quem for devido. O Ministério Público puxa a orelha de todo mundo e fez o que nesse período sobre esse assunto? Aquele caso Caramuru, por exemplo?”, disse Mendes, na ocasião.

Na nota, Emanuel acusa, ainda, o governador de reter repasses relativos à pandemia “para fomentar uma disputa política e de poder”.

“Um governador que está envolvido em casos que culminaram até em aposentadoria de Juiz, não tem a moral ilibada para acusar qualquer outra pessoa, como se paladino da ética e da moral fosse. Muito menos para tentar DIRECIONAR investigações e exercer pressão política sobre delegados ou promotores, como já vimos em vários casos noticiados pela sempre combativa imprensa de Mato Grosso. Inclusive a tentativa de ingerência na própria Deccor, este ano, que culminou com o afastamento de delegados pelo Estado, por suposta pressão política atribuída ao Sr. Mauro Mendes”, acrescenta a nota.

Leia Também:  Banda de Música do Corpo de Bombeiros Militar MT comemora aniversário com apresentação dia 1º de junho no Teatro Zulmira Canavarros

 

Otavio Ventureli(da redação com assessoria)

Momento +

Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Publicados

em

Viver conectado é quase uma necessidade nos dias atuais. Quase não há mais separação do mundo virtual para o real. Estamos conectados 24 horas por dia.

A internet tornou-se uma ferramenta essencial para a maior parte da população. É um espaço democrático, onde podemos expressar opiniões.

Mas, também se tornou um local de ataques e disseminação de ódio. Quem faz comentários maldosos na internet são chamados de ‘haters’.

O ‘hate’ é um termo em inglês que na linguagem tecnológica significa “pessoa que posta mensagem de ódio na internet”. Podendo ser para uma pessoa específica ou um grupo.

O ódio sempre foi um sentimento existente. Porém, ele foi potencializado com a chegada e popularização da internet, principalmente, no Brasil.

Os ataques virtuais têm se tornado cada vez mais frequentes. Qualquer pessoa está passiva a esse tipo de ato. Entre os principais alvos dos haters, estão às pessoas públicas.

A Dra. Crhisttiane. psicóloga explicou o por que às pessoas estão com um comportamento cada vez mais agressivo na internet.

Leia Também:  Tão comuns nos tempos atuais comentários de ódio postados em redes sociais afetam psicologicamente as pessoas afirmam espacialistas

Para a especialista Christiane Bianchi, a conduta “pode ser pelo fato delas se sentirem impotente e com uma necessidade de se imporem sobre as outras pessoas”.

Conforme a psicóloga, as pessoas entendem que devemos ter um bom comportamento apenas no offline, ou seja, fora da internet, na vida real.

“Já estamos acostumados com a ideia de que nosso comportamento deve obedecer às regras sociais no presencial. Mas, ainda tem muitas pessoas que não perceberam que as regras também valem para as redes sociais”, afirmou a psicóloga.

Para Cristiane Bianchi, as redes sociais acabam encorajando as pessoas em posições extremas, a se sentirem mais confiantes para expressarem o que pensam, o que pode afetar gravemente o psicológico para quem é dirigido os comentários de ódio.

“Quando o indivíduo tem interação com o cyberbullying, os danos à saúde mental são muito graves”.

Há leis que punem o Cyberbullying no Brasil. Termo que define a prática do bullying nas redes sociais. O artigo 147-A da Lei 14,132 de 2021  diz que “perseguir alguém, reiteradamente e por qualquer meio, ameaçando-lhe a integridade física ou psicológica, restringindo-lhe a capacidade de locomoção ou, de qualquer forma, invadindo ou perturbando sua esfera de liberdade ou privacidade” é crime de assédio on-line, com pena de reclusão de seis (06)  meses a dois (02) anos.

Leia Também:  Saúde alerta baixa procura na vacinação contra gripe e sarampo por parte dos grupos prioritários

Todos nós podemos ser um hater. Discordar de uma publicação ou comentário com outro comentário maldoso é estar disseminando ódio na internet.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA