Momento +

Termina nesta terça-feira(15) em Mato Grosso o vazio sanitário que existe há 15 anos no Estado liberando os produtores para o plantio de soja

Publicados

em

Depois desta terça-feira (15), os produtores de soja de Mato Grosso poderão iniciar o plantio no Estado. O vazio sanitário estará encerrado.

O período proibitivo de cultivo de soja em Mato Grosso iniciou em 15 de junho.

O objetivo é reduzir a sobrevivência do fungo causador da ferrugem asiática durante a entressafra, atrasando assim a ocorrência da doença na safra seguinte.

Porém, apesar de os produtores rurais estarem liberados para o plantio, a grande maioria ainda deve aguardar as chuvas caírem no Estado. Segundo as previsões, as precipitações só devem acontecer na última semana de setembro.

O vazio sanitário existe em Mato Grosso há 14 anos e é uma das medidas fitossanitárias mais importantes para a prevenção e controle da ferrugem asiática na soja. Apesar da pandemia, os técnicos do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (INDEA-MT) fiscalizaram mais de 3500 propriedades durante o período. Os números de inspeções, notificações e autuações ainda estão sendo finalizados.

Além disso, todas as áreas com plantio excepcional de soja também foram vistoriadas, as quais devem se manter durante todo o período de vazio sanitário livre de ferrugem asiática, com aplicações regulares de fungicidas registrados para o controle da doença.

Leia Também:  Eduardo Botelho ameniza episódio da prisão de ex-Secretário de Estado considerando o fato um caso isolado que não atinge o Governo

A safra 2020/2021 começará a ser plantada no Estado e terá como data limite para o plantio o dia 31 de dezembro. “Após realizar o plantio de sua lavoura o produtor deverá realizar o cadastro ou atualização do cadastro da Unidade de Produção junto ao INDEA-MT, impreterivelmente até o dia 15 de fevereiro do ano seguinte”, informa Ana Paula Vicenzi, Coordenadora de Defesa Sanitária Vegetal do INDEA-MT.

O cadastro pode ser realizado pelo site oficial nas unidades locais do INDEA MT.

Momento +

Homem que matou menina de cinco anos em 2010 em Sorriso MT após abusar sexualmente da vítima é denunciado e irá a júri popular

Publicados

em

O pedreiro e catador de reciclados Antônio Ramos Escobar, de 58 anos, foi denunciado nesta segunda-feira (28) pela 2ª Promotoria de Justiça Criminal de Sorriso, em Mato Grosso, por estupro de vulnerável, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver da menina Sara Vitória Fogaça Paim. O crime aconteceu em 2010, quando a vítima tinha cinco anos de idade.

Antônio Escobar foi preso de forma preventiva no último dia 8 depois de confessar à polícia que abusou sexualmente da criança e que matou a vítima asfixiada.

Conforme o promotor de Justiça Luiz Fernando Rossi Pipino, as qualificadoras do homicídio são emprego de meio cruel, mediante recurso que impossibilitou a defesa da vítima, e visando assegurar a ocultação e impunidade de outro crime (estupro, no caso).

De acordo com as investigações, no dia 1º de junho de 2010, por volta das 15h30m, nas dependências de uma construção, Antônio Ramos Escobar, após ter praticado atos libidinosos com a criança, matou a menina asfixiada e ocultou o seu cadáver.

“No dia dos fatos, Antônio Ramos Escobar, após avistar e abordar S.V.F.P. na via pública (nas proximidades do Estádio Municipal ‘Egídio José Preima’), transportou a criança/vítima até uma construção em que trabalhava”, consta na denúncia.

Leia Também:  Em pronunciamento à Nação Presidente do TSE afirma que o "vírus" das Fake news nas eleições é "capaz de comprometer, a própria democracia"

Nas dependências da edificação, ele se aproveitou da ausência de vigilância e da vulnerabilidade e fragilidade da vítima para violentá-la.

“No desdobramento dos fatos, Antônio Ramos Escobar, consciente e imbuído de animus necandi (vontade de matar), aproveitando-se da compleição física avantajada em relação à criança/vítima e também do local desabitado em que se encontravam àquela ocasião (recurso que dificultou e/ou tornou impossível a defesa), esganou a criança S.V.F.P., provocando-lhe, pois, a sua morte (por asfixia), tudo como forma de assegurar a ocultação e a impunidade do crime sexual anteriormente praticado”, narra Luiz Fernando Rossi Pipino.

De acordo com o promotor de Justiça, o denunciado, na sequência, ensacou o corpo da vítima e ocultou o seu cadáver em local ainda não apurado pelos agentes policiais.

 

 

Otavio Ventureli(da redação com hntnoticias)

 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA