MULHER

Atriz de Harry Potter revela que foi estuprada aos 14 anos por treinador

Publicados

em


source

Jessie Cave, que interpretou a personagem Lilá Brown nos filmes da saga “Harry Potter”, revelou ter sido estuprada por seu treinador de tênis quando tinha 14 anos. Hoje com 33 anos, a atriz lançou um podcast chamado “We Can’t Talk About That Right Now” com sua irmã, a também atriz Bebe, de 23 anos. 

Jessie Cave interpretou Lilá Brown em
Reprodução

Jessie Cave interpretou Lilá Brown em “Harry Potter”


Durante o último episódio do programa, as irmãs estavam falando sobre a adolescência e início da vida adulta delas. “Lembro que tivemos uma briga muito, muito ruim uma vez, quando tentamos descobrir quem tinha a adolescência mais difícil”, comentou a caçula. Jessie respondeu: “Quer dizer, vamos, fui estuprada. Ganhei”. Bebe disse: “Isso é uma espécie de trunfo neste ponto e você apela”. “É, eu apelo”, respondeu Jessie.

“Eu usei aparelho por cinco anos, tive acne quando estava terminando minha adolescência … Fiz limpeza de pele durante toda a escola e, apenas quando as coisas deveriam estar melhorando, aí é que ficou ruim”, comentou Babe. Jessie respondeu: “Para ser justa, acne e aparelho são ruins, mas acho que estupro aos 14 anos é muito pior. Por seu treinador de tênis, em alguém em quem você confiava, que estava em uma posição de poder”.

“Bom, pelo menos você era atleta e tinha pernas boas”, descontraiu Babe. “É verdade, eu estava em forma e era muito hábil com uma bola de tênis. Mas ainda assim ele se aproveitou de mim, mas ele foi preso, então está tudo bem”, respondeu a atriz de “Harry Potter”. “Meu estupro significou que eu tive uma adolescência completamente diferente e início dos vinte anos para você, porque, em retrospecto, eu ainda estava me recuperando e minha jornada sexual, em um caminho completamente anormal em relação ao seu”, completou.

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 27 de setembro de 2020

“Acho que ainda há consequências desse período de tempo que só estou percebendo 18 anos depois e, na verdade, quanto mais tempo eu tenho longe disso – isso vai soar horrível – mas me sinto com muita sorte nisso várias maneiras”, afirmou a Jessie, mostrando que não guarda grandes traumas do abuso.

“Isso não me destruiu, e acho que é algo que as pessoas não falam o suficiente sobre abuso sexual e trauma. Há algumas pessoas que ficam bem depois, há algumas pessoas que usam e encontram uma maneira de viver com isso e definitivamente não são definidas por isso”, completou a atriz, que já havia falado sobre em seus shows stand-up, mas sem entrar em detalhes sobre o estuprador.

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

Pastora se assume bissexual e começa a vender fotos nuas: “Me senti mais santa”

Publicados

em


source

A americana Nikole Mitchell cresceu em um ambiente conservador no qual não conseguia explorar sua sexualidade. Ela casou, teve três filhos e acabou virando pastora, mas percebeu que aquilo não a preenchia e decidiu mudar de vida e, nesse processo, ela se descobriu bissexual. Aos 36 anos, ela está solteira e realizada vendendo fotos e vídeos de nu explícito em uma rede social.

Nikole Mitchell como pastora e como stripper
Reprodução

Nikole Mitchell deixou a vida de pastora para vender fotos e vídeos eróticos

“Desde muito jovem, eu fantasiava ser uma stripper, mas fui doutrinada a acreditar que meus desejos e meu corpo eram pecaminosos e maus por natureza”, contou Nikole em entrevista ao New York Post. Por influência da família, ela apostou tudo na religião e se tornou pastora, mas mesmo assim era vista como a ovelha negra da família.

“Aprendi que as mulheres não podem liderar e que devem estar na cozinha e com as crianças. Embora isso fosse contra tudo o que me disseram, decidi me tornar pastora por causa do meu desejo de apresentar as mulheres”, afirmou Nikole que buscou a igualdade de gênero dentro da sua fé.

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 27 de setembro de 2020

Casada e com três filhos, que atualmente estão com 10, 7 e 4 anos, a então pastora acreditava ser heterossexual. Tudo mudou quando ela assistiu a uma peça de teatro com temática LGBTQI+.  “Eu fiquei tipo ‘oh meu Deus, eu não acho que sou hétero’ e isso abalou meu mundo”, disse Nikole que sabia que ao se assumir bissexual “perderia tudo porque a igreja não acolhe pessoas queer”.

De repente, ela sentiu como se estivesse vivendo uma vida dupla, lutando para manter sua sexualidade em segredo. Foi então que ela abandou a igreja e meses depois fez um vídeo no YouTube fazendo um desabafo. Diante da reconstrução de sua vida, ela se perguntou o que viria a seguir.

Uma nova vida 

A ex-pastora decidiu que era hora de explorar seus desejos sexuais e se inscreveu em uma aula para chamada “Sexpress You” para aprender a como se soltar e, logo, fez sua primeira sessão de fotos nuas. “Chorei porque nunca me senti mais santa e sagrada em minha vida. Nunca me senti tão sexy e livre”, lembrou.

Leia Também:  Fernanda Lima amamenta a filha após voltar de viagem: "Finalmente nossa hora"

Sentido que tinha vocação para ser uma modelo erótica, Nikole passou a usar uma rede social adulta para vender fotos e vídeos em que aparece nua. “Eu comecei muito tímida, apenas com fotos de topless, mas agora estou no ponto em que atendo pedidos pessoais e faço vídeos sob medida para realizar os desejos específicos das pessoas”, contou a americana que antes da pandemia chegou a “receber milhares de dólares para fazer sexo” com outras pessoas.

Com uma nova vida, ela se mudou para Los Angeles, se divorciou do marido e diz que está mais feliz do que nunca. “Cada pessoa tem o direito de se expressar da maneira que for melhor para ela e essa é a melhor maneira para mim”, concluiu a americana que sente que ficar nua é tão sagrado quando ser pastora.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA