MULHER

Confira 7 dicas para dormir melhor nos dias gelados

Publicados

em


source

Alto Astral

Confira 7 dicas para dormir melhor nos dias gelados
Reprodução: Alto Astral

Confira 7 dicas para dormir melhor nos dias gelados

Sabe aquela preguiça para acordar nos dias frios ? Quando o inverno chega, não é novidade para ninguém a luta que é levantar e encarar a rotina. Porém, muitas vezes, a insônia bate à porta durante a noite e algumas pessoas acabam ficando mais despertas nessa estação do ano. A energia repentina e noturna pode ter diversas razões, mas, se tratando do inverno, as temperaturas baixas do cômodo ou o cobertor inapropriado que não esquenta o corpo podem estar entre as principais razões para uma noite mal dormida.

De acordo com pesquisa da SleepUp, uma plataforma que utiliza terapia digital para ajudar no tratamento da insônia, cerca de 24% dos indivíduos entrevistados afirmaram pegar no sono com mais dificuldade durante o inverno. Já aproximadamente 46% das pessoas relataram que o frio em si é o principal fator que atrapalha o repouso; e, por fim, para mais de 23% os problemas respiratórios comuns desse período acabam prejudicando a qualidade do sossego.

Ainda segundo o estudo, como forma de minimizar o impacto das baixas temperaturas na hora de descansar, os indivíduos analisados revelaram recorrer a algumas estratégias. Mas, como mostra o levantamento, 44% dessas pessoas estão adotando comportamentos que mais prejudicam do que ajudam na qualidade do sono – 13% declararam utilizar os aparelhos eletrônicos para caírem no sono.

Leia Também:  Saúde oral dos bebês: 3 dicas cruciais para lidar com essa fase

Segundo Gabriel Pires, diretor de pesquisa da SleepUp, utilizar eletrônicos antes de dormir é um dos maiores fatores que prejudicam o sono, causando justamente o efeito oposto e atrasando processo de adormecer.

Shutterstock

Você viu?

Poucos sabem, mas o clima do cômodo também conta para um sono regulado. Estudos indicam que a temperatura ambiente ideal para proporcionar um bom descanso à noite é entre 18 °C e 22 °C. Dessa forma, é muito comum que com a chegada do inverno as pessoas sintam impactos na qualidade do sono.

De acordo com Gabriel, o sono é muito importante para a imunidade, e ficar sem dormir, ou dormir mal, pode prejudicar o sistema imunológico e a resposta imune, tornando as pessoas mais suscetíveis a gripes e resfriados, além de intensificar quadros de rinite, sinusite, alergia ou asma.

Ele também alerta que quando relaxamos e dormimos, a nossa temperatura corporal diminui, dessa forma, é preciso se proteger bem da friaca. “Somado a isso, as madrugadas são, normalmente, mais frias. Assim, é preciso ficar atento a alguns pontos importantes antes de dormir para que esse frio excessivo durante a noite não cause despertares noturnos e não prejudique o descanso”, complementa.

Leia Também:  "Quase fui traficada para a Turquia", conta vítima que estava prestes a embarcar

Sendo assim, para ter uma noite de sono mais tranquila, agradável e saudável, confira 7 dicas para dormir melhor nos dias gelados :

  • Utilize pijamas ou roupas quentes e confortáveis para dormir.
  • Tenha um bom cobertor de fácil acesso para o caso de sentir mais frio durante a noite; porém, cuidado para não se aquecer demais, pois isso também pode atrapalhar o sono.
  • Se você tiver asma, rinite ou outros problemas respiratórios, evite cobertores ou roupas que possam causar alergia .
  • Bebidas quentes ajudam a aquecer e relaxar, mas não exagere na quantidade para não ter que acordar durante a noite para ir ao banheiro.
  • Evite bebidas alcoólicas, cafeína e outros tipos de estimulantes, como chá-mate ou chá-verde.
  • Pode ser tentador passar mais tempo deitado debaixo das cobertas, mas evite permanecer na cama além do período em que de fato for dormir – ou seja, não fique vendo TV, usando internet ou o celular .
  • Não recorra a remédios para dormir sem acompanhamento médico, dê preferência a soluções não farmacológicas e que tratam as causas do problema.

Fonte: Gabriel Pires, diretor de pesquisa da SleepUp .

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

Dia do orgasmo: especialistas dão dicas para chegar ao clímax

Publicados

em


source
58% das mulheres já fingiram orgasmo
iStock

58% das mulheres já fingiram orgasmo

Assim como a personagem Jane Sloan, em “The Bold Type”, muitas mulheres que têm uma vida sexual ativa, mas nunca chegaram ao ápice do prazer. Na série, a personagem trabalha da melhor forma para descobrir o motivo, que pode ter inúmeras razões.

Uma pesquisa de 2019 da ProSex mostrou que 78% das mulheres não se sentem satisfeitas com a vida sexual, sendo que 26,2% não atingem o orgasmo. Um estudo da Archives of Sexual Behavior do mesmo ano mostrou que 58,8% das entrevistadas disseram ter fingido orgasmo alguma vez. 

Além da indignação que rola na roda de amigas quando uma mulher conta que nunca teve um orgasmo, a pressão que ela põe em si mesma também pesa bastante na hora H. Raphaela, 20, corretora, conta que tem sua vida sexual ativa há 7 anos, já tentou  estimular o orgasmo com produtos e não teve resultado. “Já avisei para o parceiro que não conseguia ter um orgasmo, ele tentou ajudar e não funcionou. Fico triste e acho que isso me atrapalha de alguma forma”, diz.

A sexóloga Marcela Maretti, da Share Your Sex, conta essa dificuldade pode ter relação com possíveis traumas, mas isso não é uma regra. “O mais comum é essa dificuldade estar relacionada com o conservadorismo e machismo da nossa sociedade patriarcal, na qual mulheres são ensinadas que o sexo, e principalmente sua vulva, é algo errado, sujo e que não deve ser explorado, o que faz com que muitas delas tenham dificuldade, receio e vergonha em se conhecerem”, explica.

Leia Também:  "Quase fui traficada para a Turquia", conta vítima que estava prestes a embarcar

As sensações do orgasmo no corpo durante o orgasmo podem variar. A mais comum é uma contração involuntária seguida de relaxamento. Marlon Mattedi, psicólogo especialista em sexualidade da Sexo Sem Dúvida, conta que é difícil não perceber quando o orgasmo acontece. “É uma sensação de excitação alta, seguida de uma leve perda de controle consciente do organismo. Também ocorre de algumas mulheres não conseguirem interpretar aquilo que está acontecendo como sendo um orgasmo e desta forma, não conseguem identificar”, conta. 

Os especialistas ressaltam que é muito importante encontrar o seu orgasmo e não achar que o que aconteceu com alguma conhecida é muito mais intenso e melhor que o seu. “Orgasmos existem de diversas intensidades e qualidades. Quanto mais alta a excitação, maior tende a ser a percepção do orgasmo”, diz Mattedi. 

Você viu?


Na série mencionada no começo desta reportagem, a personagem Jane Sloan consulta uma sexóloga e tenta práticas diferentes de estimulação. Depois disso ela consegue atingir o orgasmo durante uma relação. Quando se trata de orgasmo, conhecer o seu próprio corpo e se permitir sentir prazer é unanimidade entre os especialistas. Isso não é tão simples para muitas mulheres, então, eles dão as dicas.

“Não foque logo de cara na vulva e no clitóris. A mulher demora pelo menos 16 minutos para começar a se excitar, então é importante ter calma e curtir o momento”, explica Maretti. A sexóloga indica colocar uma música, tomar um banho relaxante, se acariciar em outras partes como seios, pernas e pescoço. 

Leia Também:  "Começaram um movimento para que a minha mãe perdesse minha guarda"

“Quando partir para a masturbação em si, começar devagar e depois experimentando movimentos diferentes e mais intensos. Também é importante lembrar que fica mais fácil atingir o orgasmo se você se sente segura e confortável, então procure um lugar com privacidade e que se sinta bem”, ressalta a sexóloga.

Mattedi também indicar ler materiais que abordem o assunto com dicas para alcançar o clímax. O psicólogo lembra que é importante não ficar concentrada apenas na estimulação do pênis na vagina em caso de relação com penetração. “O corpo inteiro sendo bem estimulado, facilita excitação e os orgasmos”, diz.  “Se mesmo com tudo isso ainda estiver difícil, busque um(a) especialista em sexualidade para verificar o que está impedindo”, aconselha. 

Ser gentil com o seu corpo e não se cobrar é importante para se sentir mais confortável e criar mais possibilidades de um orgasmo. “Procure explorar com curiosidade e gentileza seu corpo e as sensações causadas por essa exploração. É comum esse processo de autoconhecimento envolver ansiedade, culpa e até mesmo vergonha, mas é importante reforçar que não há nada de errado e é saudável pensando pelo aspecto da saúde sexual e ginecológica da mulher”, conclui.

Caso sinta dor ou desconforto durante a relação sexual e masturbação, o indicado é procurar um profissional para ajudar. Nesses casos, a dor indica que algo está errado. Alguns produtos podem ajudar nesse processo de exploração e descobrimento do prazer. Confira as sugestões da Exclusiva Sex! 

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA