MULHER

Conheça 7 pequenas marcas que prezam pela diversidade

Publicados

em


source

Desde que a Rihanna criou a Fenty Beauty, sua marca de maquiagem com mais de 40 tons de base, a artista tomou à frente da luta por marcas que abracem toda a diversidade humana. Com a Savage X Fenty , ela trouxe esses valores também para o mercado de lingerie. 

Mas nem só grandes artistas e  grandes marcas estão lutando por inclusão no mundo da moda, muitas marcas pequenas também fazem questão de oferecer opções para a maior variedade de corpos possíveis. Separamos algumas que vale a pena ficar de olho, veja a lista abaixo:


Cachopa Brasil

cachopa
Instagram/Reprodução

Uma marca de roupas de academia e roupa de banho feita exclusivamente para mulheres gordas

Criada em 1979, Cachopa é uma loja de fitness e beachwear que fica na grande São Paulo e também vende pelo site. Com foco em mulheres gordas, a marca veste do 44 ao 60, com coleções novas a cada estação e opções que agradam todos os gostos.

Leia Também:  Envelhecimento precoce: cuide da pele de acordo com a sua idade

Dani Bel Moda Trans

dani bel
Instagram/Reprodução

Conforto e estilo garantido para mulheres trans

A loja produz e vende roupas íntimas e moda praia especialmente para o corpo de mulheres transexuais. A loja é virtual, mas também é possível comprar por meio de revendedoras — que também são mulheres trans — em São José dos Campos, onde fica o atelier.

Loja Wear Ever

wear ever
Instagram/Reprodução

Peças divertidas e versáteis para todos os tamanhoa

Com a proposta de ser slow fashion, a paulistana Rafaela Cavalcante criou a Loja Wear Ever em 2012, que hoje conta com diversas peças que vestem do PP ao 4G. A identidade visual da marca no site e no Instagram sempre inclui diversos tipos de corpos para representar os valores da loja.

Exausta

exausta
Instagram/Reprodução

Uma marca unissex para todes que estão cansados da mesmice

“A Exausta nasceu em abril de 2017 como a catarse da exaustão de quatro criativos: Matheus Carneiro, Nirvana, Vinícius Miyake e Wilson Wenceslau” é como começa a definição sobre a marca no site. O sentimento de cansaço levou os quatro fundadores a idealizarem uma marca para aqueles que buscam quebrar padrões se vestirem com conforto. Todas as peças são unissex.

Leia Também:  As Plantas Aromáticas no Mito de Afrodite e Adonis

Marcafala

calma
Instagram/Reprodução

Inclusive de dentro para fora, a loja busca abraçar todos os tipos de corpos e vivências

Criada pelas amigas Luciana Cruz e Aline Fragne, a FALA é uma marca que tem como objetivo produzir moda urbana, prática e flexível para todos os tipos de corpos e gostos. Segundo a descrição do site, 80% dos profissionais que trabalham na marca são mulheres e mães. “FALA que é pra TODES!” se tornou o slogan da loja.

CALMA São Paulo

calma
Instagram/Reprodução

Para aqueles que se permitem uma nova relação com a moda, uma relação com mais CALMA

A CALMA foi idealizada por Kelly Kim e Adrien Gingold após Kelly passar 6 meses na Ásia e descobrir uma nova forma de consumir moda. Sem pressa, menos quantidade e mais qualidade. A marca trabalha com estampas bem marcantes, modelagens únicas que vestem até XG.

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

Adolescente sofre queimaduras no rosto após shampoo para piolhos pegar fogo

Publicados

em


source

Ao sair do colégio interno para passar as festas de fim de ano em casa, Aleema Ali descobriu que estava com piolho e começou a usar um shampoo médico para combater o problema.


antes e depois
Reprodução

Aleema tinha 12 anos quando queimou 55% do seu corpo


Mas enquanto ela esperava os cinco minutos recomendados para o produto fazer efeito, ela foi para a cozinha. Sua mãe estava cozinhando e nenhuma das duas percebeu que o shampoo de Aleema era extremamente inflamável. 

Quando a menina passou perto do fogão, a sua cabeça rapidamente começou a pegar fogo.

Rapidamente a menina foi levada para o hospital e teve que ficar em coma por dois meses. Atualmente, quatro anos depois do acidente, Aleema está voltando a reconstruir sua vida em Bradford, no norte da Inglaterra, onde mora.

A jovem sofreu queimaduras por 55% do seu corpo incluindo seu rosto, cabeça, braços, peito, coxas, costas e mãos. Ela perdeu sete dedos e só é capaz de movimentar dois dos que restaram

Leia Também:  Roupas sem gênero: Homem hétero e pai de família usa saia e salto

Ela passou por várias cirurgias de reconstrução com enxerto de pele e até hoje faz tratamento com medicamentos e produtos tópicos para lidar com as queimaduras.

Ela disse: “De certa forma, eu sou grata por isso ter acontecido. Me transformou em uma pessoa melhor. Meu amor próprio e minha confiança aumentaram rapidamente. Sou muito mais forte, corajosa e confiante do que antes”. 

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA