MULHER

Deus não tem religião

Publicados

em


source

João Bidu

Deus não tem religião
Dricca Rhiel

Deus não tem religião

É fato: somos os únicos seres com consciência de nossa morte e tentamos a todo custo superá-la. O elixir da vida eterna, para a tristeza de muitos, ainda não foi criado, portanto, o ser humano continua buscando alternativas e válvulas de escape para justificar o temor de não mais existir.

Nesse contexto, as religiões fornecem caminhos para o paraíso. Cada uma com seus dogmas e crenças. Contudo, não podemos esquecer que todas elas foram estruturadas por homens, mesmo que inspirados por alguma “divindade”. 

Os grandes profetas da humanidade nos trazem relíquias de valores que espelham o seu tempo durante a passagem na terra. Quando passamos conceitos de geração a geração é preciso cuidado na interpretação da mensagem. Dar algo como certo e estabelecido significa aceitar sem questionar!

Qual é o risco, afinal? 

É muito perigoso. O caminho espiritual, ou seja, a conexão com o divino não existe através de intermediários. As palavras, tradições, orações, os provérbios mantras e rituais podem ser usados como ferramentas de aperfeiçoamento da alma, mas cabe a cada um realizar a ligação pessoal e intransferível com plano superior.

Leia Também:  4 salmos para atrair dinheiro e prosperidade

Fé é convicção, crer em algo ou em si mesmo. Religiosidade é sentir a percepção das manifestações do sagrado que permeiam a vida humana. Já as religiões expressam a corrente de pensamento de um grupo. 

Você viu?

Ao se filiar a uma religião, entende-se que o indivíduo aceita e concorda com as regras, os mandamentos, e, por fim, com a dinâmica de um grupo. Entretanto, nem sempre há afinidades ou encaixes nesse sistema – o que não impede uma pessoa de ser espiritualista independente com sua fé e sentimento de religiosidade -, pois a única medida que existe para vida além-túmulo é o “peso” do seu coração. Mas o amor precisa de asas para existir.

Então, seguir o seu mestre interno (conhecido como consciência ) pode, muitas vezes, ser a melhor escolha para a justa expressão da sua espiritualidade.

Quem é Dricca Rhiel

Difícil definir Dricca Rhiel, uma profissional cheia de intuição e conhecimentos sobre energias, tratamentos holísticos e comportamento humano. Ao longo de seus mais de 20 anos de atuação fez diversos cursos, entre eles, de parapsicologia, mas, antes disso,  já tinha formação acadêmica como Jornalista e tradutora e intérprete em inglês. Dricca se define como uma F.A.D.A – Formadora do Agora para o Despertar do Amanhã. E o que é isso? Dricca oferece uma visão ampla sobre a vida para ajudar as pessoas a encontrarem soluções para seus dilemas, desbloqueando emoções e promovendo a conexão de cada um com seu “eu”. Para isso ela faz uso de seus conhecimentos de parapsicologia, de análises sociais e de seus diversos oráculos, que incluem tarot, runas, astrologia e numerologia. Um dos principais pilares é o amor, ela é autora da obra “O Livro Secreto do Amor — Como atrair um esquecer um grande amor”. Ela reúne diversos fãs, muitos provenientes de suas redes sociais, como o Instagram, onde acumula mais de 50 mil seguidores. Outros a conheceram  em suas incontáveis participações na mídia, como na TV Gazeta, onde teve um quadro fixo sobre espiritualidade no programa DeAaZuca, que lhe deu o título de Fada do Brasil. Dricca aborda, além de assuntos sobre espiritualidade e relacionamentos,  temas como empoderamento feminino, violência de gênero, sexo e crimes violentos, em especial, serial killers. Seu repertório é tão amplo quanto suas especialidades.

Leia Também:  Muito além das cáries: entenda como o açúcar pode prejudicar sua saúde oral

Instagram @driccarhiel

Youtube Dricca Rhiel

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA+

Publicados

em


source

Alto Astral

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA
Reprodução: Alto Astral

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA

Em junho, é celebrado o Mês do Orgulho LGBTQIA+ ! O principal objetivo da data é chamar a atenção para a importância de se discutir pautas relacionadas à comunidade, visando, assim, combater o preconceito e a violência contra pessoas fora do padrão hétero-cis.

A necessidade do tema é tamanha que, em meados de maio, o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez um apelo contra discriminação LGBTQIA+. Em seu pronunciamento, ele lembrou que 69 países ainda criminalizam e condenam as relações entre pessoas do mesmo sexo ou formas de expressão de gênero. Além disso, segundo a ONU, desde o início da pandemia de COVID-19, foi documentado pelas Nações Unidas o agravamento da discriminação, violência e discurso de ódio, por exemplo.

De acordo com relatório de 2018 do Grupo Gay da Bahia , instituição que se dedica a levantar dados sobre a população LGBTQIA+ no Brasil, a cada 20 horas, uma pessoa da comunidade LGBT+ morre no Brasil simplesmente por ser LGBT+, em outras palavras, por LGBTfobia.

Portanto, é urgente falarmos sobre o assunto e entendermos a importância do Mês do Orgulho. Mas como começar? Bem, primeiro, é preciso entender alguns pontos, veja abaixo.

Sigla

Em resumo, as letras da siglaLGBTQIA+ significam o seguinte:

L ésbicas

G ays

B issexuais

T ranssexuais e travestis

Q ueer e questionando

I ntersexo

A ssexual

+ representação de que são plurais as formas de orientação sexual e identidade de gênero, a fim de englobar todas as pessoas.

Identidade de gênero x orientação sexual

Identidade de gênero é se identificar ou não com o seu gênero (feminino e masculino). Assim, pessoas que não se identificam com seu gênero, ou sexo biológico, são transgêneras . Aquelas que se identificam com o gênero que foram designadas ao nascer são cisgêneras.

Leia Também:  Os 4 signos mais inovadores do zodíaco

Já a orientação sexual tem a ver com quem alguém se relaciona e a ligação afetiva que pessoas têm entre si. Logo, heterossexuais são aqueles que se relacionam com pessoas do sexo oposto (homem/ mulher); homossexuais são as pessoas que se relacionam com o mesmo sexo (homem/ homem ou mulher/ mulher). No entanto, há aqueles que sentem atração por ambos os sexos, são os bissexuais.

E, antes que você pergunte: sim, uma pessoa pode ser transsexual e heterossexual, por exemplo. Isso porque identidade de gênero e orientação sexual são coisas diferentes.

Agora que você já entendeu o que significam as letras da sigla LGBTQIA+ e a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual, veja o que você pode fazer para se conscientizar e se tornar um aliado da comunidade mais colorida do mundo!

Assista a filmes e séries

Representatividade importa, e muito!

Você viu?

Apostar em obras do audiovisual para entender melhor o tema e as lutas da comunidade LGBTQIA+, pode ser uma boa pedida! Felizmente, as grandes cias do entretenimento estão entendendo cada vez mais a importância de trazer personagens e narrativas LGBTQIA+ para as telas e, hoje, o leque de filmes, documentários e séries é grande.

Orange Is The New Black, Sex Education, Queer Eye e Me Chame Pelo Seu Nome são algumas opções disponíveis na Netflix !

Consuma conteúdos de criadores da comunidade LGBTQIA+

Uma das melhores formas de aprender sobre determinado assunto é buscar a informação direto na fonte! Assim, que tal sair da bolha, escutar vivências diferentes e acompanhar criadores de conteúdo que abordam as temáticas LGBTQIA+ em suas publicações?

Leia Também:  Karol Conká apresenta programa sobre saúde mental

Se você não sabe por onde começar, Jonas Maria , Rita Von Hunty , Marcela Mc Gowan , Duda Salabert , Samuel Gomes e Louie Ponto são alguns dos nomes que abordam a temática da sexualidade em seus respectivos perfis.

Repense suas posturas e falas

Apesar do ano ser 2021, ainda não é raro escutar algumas frases bastante problemáticas e desrespeitosas para com a comunidade LGBTQIA+. Portanto, vale repensar a partir de já as expressões com as quais você está acostumado, pois, acredite, elas podem ser muito ofensivas!

“Pode ser lésbica, mas não precisa se vestir como homem”

“Tudo bem ser gay, mas não precisa ficar dando pinta”

“Você não acha que é lésbica só por que nunca encontrou o homem certo?”

“Bissexualidade não existe”

“Nossa, que desperdício”

“Você nem parece ser gay”

“Você está parecendo uma travesti”

“Voz de traveco”

“Não sou homofóbico, tenho amigos gays”

Essas são apenas algumas das frases que devem ser retiradas do seu vocabulário, hoje e sempre. Respeitar as diferenças e todas as formas de existência não é somente necessário, mas sim urgente e fundamental.

Informe-se e informe

Pesquisar e procurar entender as pautas levantadas pela comunidade LGBTQIA+ é de extrema importância. Leia notícias, assista reportagens de jornais e lembre-se: o lugar de fala é importante, sim. Desse modo, sempre considere o que as pessoas LGBTQIA+ têm a dizer, afinal, suas vivências são diferentes e somente eles podem dizer o que é ser LGBT+ no Brasil.

Vale também sempre dividir seus conhecimentos com seus amigos e familiares, de forma que todos caminhem juntos nessa luta diária pelo simples direito de existir, sem preconceito, discriminação ou violência.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA