MULHER

Exercício na gestação: como se preparar para o parto e pós-parto

Publicados

em


source
Força apoiado e agachamento
Instituto de Performance Samorai

Força apoiado e agachamento

Durante a gestação, as reações no corpo, na mente e no espírito variam de uma mulher para a outra. São diversos fatores, além da questão hormonal, que trazem um período de grandes mudanças na vida . Por isso, além de uma boa alimentação, os exercícios físicos também são muito importantes nessa fase.

“Quando pensamos em gestantes, pensamos essencialmente em alguém que terá uma jornada longa pela frente. Essa jornada não se resume só ao tempo de gestação, ela vai muito além porque depois tem filho e tudo isso gera bastante implicação na vida da família, da mulher, das rotinas, dos cuidados que ela passa a ter, de stress que ela não tinha, das horas de sono mal dormidas”, explica o personal trainer José Samora Junior, conhecido como Samorai. 

Segundo o profissional, a mobilidade é uma das coisas mais importantes para a gestante. “Se você já tem uma mobilidade bem desenvolvida, isso vai te ajudar muito. Mas mesmo que você não tenha, é possível trabalhar durante a gestação”, diz.

Ele explica que a mobilidade pode ser dividida em dois campos: a mobilidade global, que faz um trabalho de todo o corpo, e a mobilidade local, concentrada em alguma parte, como membros inferiores ou exteriores. “Um exemplo desse tipo de mobilidade é o exercício de mobilidade local de torácica, em que a mulher fica com uma mão para cima e outra para frente”, diz.

O personal destaca que há exercícios de mobilidade mais voltados para o quadril, fundamental para a gestação e o parto. Há ainda os exercícios de força. Um exercício de força, por exemplo, é ficar de cócoras (agachada) e mover o corpo nos três planos, para frente, para trás, para um lado, para outro, rodar. Além de dar sustentação para a gestante durante a gravidez, prepara para o trabalho de parto.

Uma opção para quem não consegue ficar de cócoras é usar um apoio, como um espaldar ou o TRX, assessórios que facilitam a execução desses movimentos um pouco mais fáceis.

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 1 de agosto de 2021

Você viu?

Outro exercício que trabalha força é o agachamento. Posição de cócoras e exercícios de grande mobilidade são importantes também porque para a criança tudo é no chão, então a mãe precisa agachar o tempo todo. Aquelas que não tiverem essas mobilidades sentem muito na hora de agachar.

O personal diz que também é preciso fortalecer os membros superiores, já que depois do nascimento a mãe carrega a criança por longos períodos. Para finalizar há também os exercícios de relaxamento para soltar a lombar, o quadril, já que a mulher pode sentir dor durante a gestação, já que a barriga pesa.

Fazer esses exercícios no chão para soltar um pouco a coluna ajuda muito nesse processo. A respiração também será fundamental durante o parto, principalmente para poder acalmar e manter a mãe concentrada e focada na tarefa que ela terá que desenvolver.

Por fim, é muito importante buscar orientação profissional ao se exercitar durante a gestação. Como o corpo está em mudanças, é preciso cuidado para que a busca pela saúde não se transforme em lesão muscular.

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

Rebeca Andrade: conheça a ginasta brasileira medalhista de ouro

Publicados

em


source
Rebeca Andrade, a ginasta brasileira que fez história nas Olimpíadas 2020
Reprodução Instagram

Rebeca Andrade, a ginasta brasileira que fez história nas Olimpíadas 2020

Rebeca Andrade é a primeira mulher ginasta brasileira campeã olímpica e a primeira ginasta do Brasil a ganhar duas medalhas numa mesma edição das OlímpiadasA modalidade de salto garantiu o ouro para Rebeca este domingo (1). Porém,  a atleta conquistou o mundo e a medalha de prata com sua apresentação solo ao som de “Baile de Favela”, funk do MC João. A letra fala sobre diversos bairros das cidades de São Paulo e Guarulhos – esta última, onde Rebeca nasceu no dia oito de maio de 1999.

História

A filha de Rosa Rodrigues tem sete irmãos e começou a praticar ginástica olímpica aos quatro anos de idade, no Ginásio Bonifácio Cardoso, em um projeto social de iniciação ao esporte da prefeitura de Guarulhos, em São Paulo. Lá sua dedicação e talento fizeram com que ela ganhasse o apelido de “Daianinha de Guarulhos”, uma referência a ginasta Daiane dos Santos, primeira ginasta brasileira, entre homens e mulheres, a conquistar uma medalha de ouro em uma edição do Campeonato Mundial. . 

Rebeca Andrade
Reprodução Instagram

Rebeca Andrade

Familiares e amigos de Rebeca contam que quando a família passou por uma crise financeira, a pequena de seis anos caminhava duas horas em direção ao ginásio localizado na Vila Tijuco. Depois de um tempo, o irmão mais velho (na época 15 anos) conseguiu comprar uma bicicleta e levava à irmã aos treinos. Rebeca treinou no ginásio de Guarulhos por cinco anos, entre 2005 e 2010, até que seu empenho rendeu um convite para treinar em Curitiba, no Paraná, quando tinha nove anos. Em 2012, ela foi convidada a treinar pelo Flamengo, onde está até hoje.

Cirurgias e medalhas

Rebeca Andrade
Reprodução Instagram

Rebeca Andrade

Com lesões persistentes, no mesmo ano (2015) em que conquistou a medalha internacional de bronze entre adultas, nas barras assimétricas, Rebeca teve uma ruptura de ligamento cruzado anterior do joelho direito em um treino. Isso fez com que a atleta ficasse afastada dos treinos por oito meses e não tivesse o desempenho desejado nos Jogos Olímpicos de 2016. 

Em 2017 e 2019, Rebeca passa por outras lesões no joelho ao mesmo tempo em que conquista medalhas de ouro nas etapas de Copa do Mundo. No total, Rebeca tem nove medalhas de ouro – já contando com o ouro olímpico -, oito pratas (a das Olimpíadas também está na soma) e três bronzes.


Fonte: IG Mulher

Leia Também:  Descubra qual é a tatuagem perfeita para cada signo!
Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA