MULHER

Moda K-Pop: inspire-se no estilo dos ícones jovens do momento

Publicados

em


source

O k-pop está dominando o mundo. Para quem ainda não sabe do que se trata, esse é o gênero de música pop da Coreia do Sul. O som contagiante de grupos musicais como BTS e BlackPink, vem ganhando destaques nas premiações e nos corações das pessoas, não apenas pela música, mas também pelo visual marcante das estrelas do k-pop.

K-pop
Divulgação

Confira como as integrantes dos grupos de kpop se vestem


Na semana passada, o documentário BlackPink: Light Up the Sky, foi lançado na Netflix, e contou um pouco da turnê de 2019 das integrantes do grupo: Lisa, Rosé, Jennie, Kim Jisoo.

Ver essa foto no Instagram

Lovesick but pretty savage

Uma publicação compartilhada por BLΛƆKPIИK (@blackpinkofficial) em 10 de Out, 2020 às 5:40 PDT

Uma das coisas que mais chamou a atenção ao longo do filme, além de todas as coreografias elaboradas e todo o treinamento que elas fizeram para conseguir chegar onde estão hoje, foi também as roupas que cada uma usava.


Como roupar o guarda-roupa da sua idol preferida

A consultora de imagem e estilo Cibelle Taques explica, em entrevista ao IG Delas, que a moda coreana está vindo com tudo pra cá. Ela diz que as estrelas pop coreanas têm um estilo muito próprio, que transita de cores vibrantes a cores mais neutras, as candy colors. Ao mesmo tempo que passam uma imagem de delicadeza e meiga, elas também demonstram uma personalidade forte na hora de se vestir, principalmente misturando várias peças.

“Se você olhar para esses grupos que trazem essa cultura, as integrantes têm estilos diferentes que se complementam, desde a mais arrumadinha, que usa um blazer e acessórios, até aquela que gosta de usar uma peça que remete a um baby doll e por cima um sobretudo. Elas fazem muita misturas de peças”, explica Taques.

Ver essa foto no Instagram

⠀ #BTS #방탄소년단 #BTS_Dynamite Group Teaser Photo 1

Uma publicação compartilhada por BTS official (@bts.bighitofficial) em 12 de Ago, 2020 às 8:00 PDT


Moda sem gênero

Você se engana se pensa se só as mulheres estão sendo influenciadas por essa moda. O público masculino também está sendo muito influenciado pelo visual dos cantores coreanos. Como dito anteriormente, os grupos de k-pop expressam muito quem eles são por meio das roupas que eles usam e para eles não há distinção de roupas masculinas e femininas.

“Percebe-se que as roupas podem ser usada para ambos os gêneros, eles quebram esse preconceito com um comportamento mais liberal, pois usam as roupas como forma de expressão”, diz a consultora de moda e estilo.


Além disso, eles gostam muito de ostentar e direto aparecem misturando roupas mais baratas com roupas de alta costura. Em 2019, a artista coreana CL desfilou na passarela da Moschino. A peça se esgotou em segundos.

Taques ainda dá algumas dicas de peças-chaves para não faltar no seu guarda-roupa de quem quer se inspirar nesse estilo. “Saias de plissada, mocassins, t-shirts bem largas, blazer,  blusa ciganinhas, uma camiseta. Elas misturam muito os estilos e você pode tentar faze o mesmo”.  

Fonte: IG Mulher

Leia Também:  Numeroterapia: o amor em 2021
Propaganda

MULHER

Em 2 meses, movimento Me Too Brasil recebe mais de 70 denúncias

Publicados

em


source
mulher de cabeça baixa
Pexels

Movimento Me Too Brasil conta com parceria do Projeto Justiceiras


No mês de setembro deste ano, o movimento Me Too , que ganhou visibilidade nos Estados Unidos, chegou ao Brasil. Dois meses depois da estreia da plataforma Me Too Brasil , os canais virtuais já somam cerca de 70 pedidos de ajuda, sendo que a maioria era queixa de  estupro de vulnerável contra crianças de 9 a 10 anos.


O Me Too foi originalmente criado pela ativista Tarana J. Burke em 2006, mas ficou conhecido em 2017 depois que atrizes hollywoodianas passaram a usar a frase nas redes sociais para denunciar abuso sexual .

No Brasil, as denúncias chegam por canais como WhatsApp, Instagram, Twitter e pelo próprio website do movimento. O Projeto Justiceiras também se envolve com o movimento por sua experiência de atendimento às vítimas em todo Brasil. São mais de 4 mil voluntárias para fazer o encaminhamento para serviços jurídicos, socioassistenciais, ajuda psicológica, rede médica, rede de apoio e de acolhimento.

Leia Também:  Pesadelos mais comuns: descubra o que eles querem dizer

O Me Too Brasil foi fundado pela advogada Mariana Ganzarolli e trabalha em parceria com a Promotora de Justiça Gabriela Manssur. Ganzarolli afirma que os serviços de recebimento de queixas deve abranger o máximo de pessoas. “Trabalhamos para que todas as pessoas, inclusive homens, independente da razão do abuso, busquem os canais de denúncias que disponibilizamos. Somente com informação podemos ajudar a diminuir o número de casos. Muitas vezes, um abusador é, na verdade, um predador, ou seja, não pratica esse tipo de crime apenas uma vez, faz uma série de vítimas”, afirma.

A maior parte das denúncias recebidas eram de estupro  de vulnerável contra meninas entre 9 e 10 anos de idade, que foram violentadas por pessoas próximas ou da família. A maior parte deles eram padrasto, primo ou tio da vítima. “Infelizmente, a realidade do abuso sexual no Brasil, em sua maioria, ainda é a da pedofilia. Grande parte das denúncias que recebemos trazem esse retrato, onde o agressor está dentro de casa”, explica Ganzarolli.

Leia Também:  Astral Friday: veja a programação completa nas 12 horas de live

Você precisa de ajuda?

Você pode pedir ajuda pelas redes sociais do Me Too Brasil , pelo website do projeto ( metoobrasil.org.br ), pelo e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp (11) 99639-1212. Você não está sozinha!

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA