MULHER

Sua planta está morrendo? Saiba como tratá-la!

Publicados

em


source

Alto Astral

Sua planta está morrendo? Saiba como tratá-la!
Reprodução: Alto Astral

Sua planta está morrendo? Saiba como tratá-la!

Com o isolamento social, diversas pessoas decidiram se reinventar e ir em busca de hobbies que pudessem ser praticados sem colocar o para fora de casa . Entre os passatempos mais buscados, a jardinagem dispara na frente. Segundo Google Trends, ferramenta do Google que mostra as pesquisas mais populares buscadas em uma época recente, as buscas pelo termo “kit de jardinagem” cresceram 180% entre 17 de março e 17 de junho de 2020.

Porém, para os “pais de planta” iniciantes, cuidar da pequena selva em casa pode não ser uma tarefa tão fácil, visto que a inexperiência dificulta o manuseio das mudas, podendo até mesmo danifica-las. Sendo assim, para ajudar aqueles que querem salvar suas plantas , bote a mão na massa (ou melhor, na terra) e saiba como tratar suas mudas!

Preste atenção nas folhas

Só de bater o olho , já dá para ver se uma planta está saudável ou não por conta da sua folhagem. Segundo Adelson dos Santos Fernandes, jardineiro cadastrado no GetNinjas, aplicativo de contratação de serviços, uma planta sadia é aquela que tem folhas verdes e brilhantes. Entretanto, quando elas apresentam aspectos desbotados, murchos, amarelados e quebradiços, é necessário prestar atenção.

Leia Também:  Webnamoro: como ter um relacionamento virtual seguro e saudável

De acordo com o profissional, inúmeros fatores podem desencadear esses sinais: “pode ser a falta ou até mesmo o excesso de água , local inadequado, pouca ou muita luz. Tudo depende, primeiramente, do tipo de planta que estamos lidando”, comenta o jardineiro. Dessa forma, o recomendável é estudar o espécime em questão e testar pequenas mudanças na rotina.

Falta de nutrientes

Você viu?

Caso mudanças como a quantidade de água e alteração de local não funcionem, é interessante investigar se a planta não está sofrendo com a escassez de nutrientes. “As plantas com deficiência de nutrientes, como cálcio, ferro, fósforo, potássio e magnésio, apresentam um crescimento lento e folhas amareladas. Além disso, a falta de tais substâncias também inibe a floração e causa o abortamento de frutos ”, explica Adelson.

Para resolver essas problemáticas, é interessante investir em fertilizantes orgânicos, adubos minerais ou até mesmo em itens caseiros, como casca de ovo triturada ou borra de café .

Pragas

Segundo o especialista, as pragas mais comuns são as formigas-cortadeiras (também conhecidas como saúvas), lesmas, caramujos, lagartas, pulgões e cochonilhas. A identificação destas pode ser feita durante a análise das folhas, já que tais pestes costumam deixar um rastro de destruição das plantinhas.

Leia Também:  Oração para trabalhar o Amor-Próprio

Fernandes explica que as folhas cortadas são indícios de formigas, caramujos e lagartas. Porém, quando apresentam manchas, o vilão da vez é o pulgão. Por fim, a característica que revela a presença de cochonilhas é o aspecto esbranquiçado das folhas. Para lidar com essas pragas, Adelson aconselha investir no uso de inseticidas industrializados ou caseiros.

Fontes: Adelson dos Santos Fernandes, jardineiro cadastrado no GetNinjas, aplicativo de contratação de serviços.

Fonte: IG Mulher

Propaganda

MULHER

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA+

Publicados

em


source

Alto Astral

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA
Reprodução: Alto Astral

4 formas de se conscientizar sobre as pautas LGBTQIA

Em junho, é celebrado o Mês do Orgulho LGBTQIA+ ! O principal objetivo da data é chamar a atenção para a importância de se discutir pautas relacionadas à comunidade, visando, assim, combater o preconceito e a violência contra pessoas fora do padrão hétero-cis.

A necessidade do tema é tamanha que, em meados de maio, o secretário-geral da ONU, António Guterres, fez um apelo contra discriminação LGBTQIA+. Em seu pronunciamento, ele lembrou que 69 países ainda criminalizam e condenam as relações entre pessoas do mesmo sexo ou formas de expressão de gênero. Além disso, segundo a ONU, desde o início da pandemia de COVID-19, foi documentado pelas Nações Unidas o agravamento da discriminação, violência e discurso de ódio, por exemplo.

De acordo com relatório de 2018 do Grupo Gay da Bahia , instituição que se dedica a levantar dados sobre a população LGBTQIA+ no Brasil, a cada 20 horas, uma pessoa da comunidade LGBT+ morre no Brasil simplesmente por ser LGBT+, em outras palavras, por LGBTfobia.

Portanto, é urgente falarmos sobre o assunto e entendermos a importância do Mês do Orgulho. Mas como começar? Bem, primeiro, é preciso entender alguns pontos, veja abaixo.

Sigla

Em resumo, as letras da siglaLGBTQIA+ significam o seguinte:

L ésbicas

G ays

B issexuais

T ranssexuais e travestis

Q ueer e questionando

I ntersexo

A ssexual

+ representação de que são plurais as formas de orientação sexual e identidade de gênero, a fim de englobar todas as pessoas.

Identidade de gênero x orientação sexual

Identidade de gênero é se identificar ou não com o seu gênero (feminino e masculino). Assim, pessoas que não se identificam com seu gênero, ou sexo biológico, são transgêneras . Aquelas que se identificam com o gênero que foram designadas ao nascer são cisgêneras.

Leia Também:  Deixe o seu dia mais doce com essas sobremesas com Bis®

Já a orientação sexual tem a ver com quem alguém se relaciona e a ligação afetiva que pessoas têm entre si. Logo, heterossexuais são aqueles que se relacionam com pessoas do sexo oposto (homem/ mulher); homossexuais são as pessoas que se relacionam com o mesmo sexo (homem/ homem ou mulher/ mulher). No entanto, há aqueles que sentem atração por ambos os sexos, são os bissexuais.

E, antes que você pergunte: sim, uma pessoa pode ser transsexual e heterossexual, por exemplo. Isso porque identidade de gênero e orientação sexual são coisas diferentes.

Agora que você já entendeu o que significam as letras da sigla LGBTQIA+ e a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual, veja o que você pode fazer para se conscientizar e se tornar um aliado da comunidade mais colorida do mundo!

Assista a filmes e séries

Representatividade importa, e muito!

Você viu?

Apostar em obras do audiovisual para entender melhor o tema e as lutas da comunidade LGBTQIA+, pode ser uma boa pedida! Felizmente, as grandes cias do entretenimento estão entendendo cada vez mais a importância de trazer personagens e narrativas LGBTQIA+ para as telas e, hoje, o leque de filmes, documentários e séries é grande.

Orange Is The New Black, Sex Education, Queer Eye e Me Chame Pelo Seu Nome são algumas opções disponíveis na Netflix !

Consuma conteúdos de criadores da comunidade LGBTQIA+

Uma das melhores formas de aprender sobre determinado assunto é buscar a informação direto na fonte! Assim, que tal sair da bolha, escutar vivências diferentes e acompanhar criadores de conteúdo que abordam as temáticas LGBTQIA+ em suas publicações?

Leia Também:  6 produções audiovisuais LGBTQIA+ para assistir

Se você não sabe por onde começar, Jonas Maria , Rita Von Hunty , Marcela Mc Gowan , Duda Salabert , Samuel Gomes e Louie Ponto são alguns dos nomes que abordam a temática da sexualidade em seus respectivos perfis.

Repense suas posturas e falas

Apesar do ano ser 2021, ainda não é raro escutar algumas frases bastante problemáticas e desrespeitosas para com a comunidade LGBTQIA+. Portanto, vale repensar a partir de já as expressões com as quais você está acostumado, pois, acredite, elas podem ser muito ofensivas!

“Pode ser lésbica, mas não precisa se vestir como homem”

“Tudo bem ser gay, mas não precisa ficar dando pinta”

“Você não acha que é lésbica só por que nunca encontrou o homem certo?”

“Bissexualidade não existe”

“Nossa, que desperdício”

“Você nem parece ser gay”

“Você está parecendo uma travesti”

“Voz de traveco”

“Não sou homofóbico, tenho amigos gays”

Essas são apenas algumas das frases que devem ser retiradas do seu vocabulário, hoje e sempre. Respeitar as diferenças e todas as formas de existência não é somente necessário, mas sim urgente e fundamental.

Informe-se e informe

Pesquisar e procurar entender as pautas levantadas pela comunidade LGBTQIA+ é de extrema importância. Leia notícias, assista reportagens de jornais e lembre-se: o lugar de fala é importante, sim. Desse modo, sempre considere o que as pessoas LGBTQIA+ têm a dizer, afinal, suas vivências são diferentes e somente eles podem dizer o que é ser LGBT+ no Brasil.

Vale também sempre dividir seus conhecimentos com seus amigos e familiares, de forma que todos caminhem juntos nessa luta diária pelo simples direito de existir, sem preconceito, discriminação ou violência.

Fonte: IG Mulher

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA