Momento Saúde

Município paraense implementa projeto de prevenção da raiva

Publicado

O município paraense de Portel, a 270 quilômetros de Belém, foi escolhido para a implementação de projeto-piloto de vacinação contra a raiva, doença transmitida por morcegos. Ao todo, 2.500 ribeirinhos, entre crianças e adultos, foram beneficiados pela iniciativa, implementada neste mês pelos governos federal, estadual e municipal e pela Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

A ação mobilizou 50 profissionais, que cobriram toda a área adjacente ao Rio Pacajá e afluentes. Os municipios de Melgaço e Breves, vizinhos de Portel, também integram o projeto.

Um levantamento da Secretaria de Saúde Pública do Pará informa que, em Melgaço, nove crianças e um adulto morreram em decorrência da doença. Nesta localidade, foram registrados no ano passado os últimos casos de raiva no Brasil.

Em nota, o Ministério da Saúde informou que, de 2010 a 2018, ocorreram 36 casos de raiva humana em todo o país e que, em 2014, não houve notificações. Nos anos de 2017 e 2018, foram registrados 17 casos, dos quais 16 incluíram agressões de morcegos.

De acordo com o ministério, em 2019, foi registrada somente uma ocorrência em Gravatal, Santa Catarina, e esse caso teve o gato como animal transmissor, mas com variante de morcego. Em mensagem enviada à Agência Brasil, a pasta comunica que pretende replicar o projeto de Portel em municípios do Amazonas em 2020.

Segundo a Opas, nas Américas, apenas dois países reportaram casos de morte de pessoas por raiva nos últimos 12 meses: Haiti e República Dominicana. Desde a década de 1980, houve redução de mais de 95% na incidência da doença no continente americano.

Leia mais:  Comissão de Saúde da Assembleia conhece estrutura do Hospital Regional de Sinop

Doença evitável

O coordenador de Zoonoses do Centro Pan-Americano de Febre Aftosa e Saúde Pública Veterinária da Opas, Julio Pompei, explica que o máximo que se pode fazer é eliminar determinados ciclos de transmissão, considerando que o vírus rábico é inerente a animais silvestres, como os morcegos hematófagos (que se alimentam de sangue). Logo, a interrupção se torna possível somente em casos de raiva transmitida de outros mamíferos para os humanos.

Ele ressalta que se trata de uma doença evitável, cuja prevenção pode ser feita por meio da vacina antirrábica, e considera "imoral que pessoas morram pela raiva ainda hoje."

Pompei lembra, porém, que, na região amazônica, a população ribeirinha vive em propriedades rurais no meio da floresta e tem menos proteção diante dos morcegos. "Esse projeto visa a avaliar pontos como custo, dificuldade de acesso (o único meio de transporte é fluvial), tempo, recursos e a metodologia, que é uma vacinação intradérmica em dois pontos e em duas doses: no dia 0 e depois de sete dias."

"A partir daí, o Ministério da Saúde e outros atores envolvidos vão analisar a implementação de uma ação proativa que permita proteger a população antes que a raiva ocorra em outras localidades do Pará e em estados que têm a mesma realidade. Dessa forma, a população estará imunizada, mesmo que venha a ser agredida", acrescenta.

Pompei destaca também que 30% dos habitantes da área abrangida pelo projeto já haviam sido atacadas por morcegos. "Muitas vezes, as pessoas são agredidas e, pela distância e dificuldade de acesso à profilaxia, isso se torna um problema grave. Consideramos que a raiva é uma doença que tem 100% de letalidade. Há alguns casos muito raros de tratamento, mas com sequelas gravíssimas", ressalta.

Leia mais:  Desnutrição pode levar à morte; entenda a condição e saiba as principais causas

Sintomas

A raiva é uma doença infecciosa fatal, transmitida pelo Lyssavirus, presente na saliva de mamíferos, como cães, gatos, bois e morcegos. O mamífero se alimenta do sangue de outros animais, inclusive de humanos, e se transforma em um vetor de contágio. Segundo a Opas, a maioria dos cerca de 60 mil casos que ocorrem no mundo todos os anos é transmitida por animais domésticos, embora haja casos específicos, como os da região amazônica.

A doença tem um período de incubação, que varia de acordo a localização, extensão e profundidade da mordida, do arranhão ou outro tipo de contato com a saliva do animal infectado e também da proximidade da lesão em relação ao cérebro e a troncos nervosos. Outro fator levado em conta é a concentração de partículas virais inoculadas e cepa viral.

Os sintomas relacionados à doença, que duram em média de 2 a 10 dias, são os seguintes: mal-estar geral, pequeno aumento de temperatura, anorexia, cefaleia (dor de cabeça), náuseas, dor de garganta, entorpecimento, irritabilidade, inquietude e sensação de angústia. O paciente também pode apresentar hipersensibilidade e formigamento na região do corpo afetada, bem como alterações de comportamento e inchaço dos nódulos linfáticos.

Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
publicidade

Momento Saúde

Desnutrição pode levar à morte; entenda a condição e saiba as principais causas

Publicado

source

Minha Saúde

A desnutrição é uma condição muito comum e que pode ser fatal. Por isso, ela deve ser diagnosticada rapidamente e tratada da forma adequada. Mas afinal, o que caracteriza esse distúrbio?

Leia também: Caso de jovem que perdeu movimento das pernas expõe riscos de dieta restritiva

desnutrição arrow-options
shutterstock

A desnutrição deve ser diagnosticada em tempo hábil para evitar complicações sérias e até mesmo a morte

A desnutrição é um estado físico de nutrição desequilibrada. Quando pensamos na doença, geralmente atribuímos à falta de calorias, proteínas ou outros nutrientes. Isso ocorre frequentemente em áreas do mundo sem acesso adequado a alimentos e água potável.

No entanto, também ocorre a supernutrição. Nesse caso, o problema é causado pelo excesso de calorias sem nutrientes. Essas pessoas geralmente não consumem alimentos nutritivos na quantidade suficiente, como frutas, verduras, grãos integrais, proteínas magras, feijão, laticínios com pouca gordura, nozes e sementes.

Isso pode resultar em deficiências de vitaminas, minerais ou proteínas. Nos Estados Unidos, isso é comumente observado. Há um paradoxo no país entre a fome e o excesso de peso, que ocorre principalmente em áreas de insegurança alimentar e empobrecimento.

Leia mais:  Desnutrição pode levar à morte; entenda a condição e saiba as principais causas

Leia também: Cinco sinais de que você está desidratado

A desnutrição em crianças, especialmente nas menores, pode levar a um crescimento atrofiado, atrasos no desenvolvimento e mais doenças, devido à má função imunológica.

Desnutrição pode ocorrer por diversos fatores

Também existem casos de desnutrição clínica, o que ocorre quando um paciente hospitalizado fica desnutrido. Há muitas razões pelas quais alguém no hospital pode não estar recebendo nutrição suficiente. Por exemplo, se o corpo requer mais nutrição do que o normal.

Ou quando o corpo não é capaz de absorver os nutrientes que ingerem. Por isso, alguns pacientes precisam receber nutrição através de um tubo inserido no estômago ou mesmo nutrição intravenosa, onde o trato digestivo é completamente contornado.

É importante que a desnutrição seja diagnosticada em tempo hábil. Quando um paciente hospitalizado fica desnutrido, seu tratamento médico e sua recuperação são afetados. Além disso, a desnutrição aumenta o risco de morte, o tempo de permanência e os custos com saúde. Sendo assim, o ideal é que os hospitais identifiquem o problema dentro de 24 horas após a admissão do paciente.

Leia mais:  Energético e álcool: mistura pode ser perigosa para o coração

A desnutrição também pode ser resultado de um distúrbio alimentar . A doença pode ser causada ainda por falência de órgãos, infecção grave ou trauma físico, como um ferimento na cabeça. A desnutrição ocorre frequentemente na população idosa, especialmente naqueles com demência ou doença de Alzheimer.

Leia também: Entenda o que é a fome oculta, como pode afetar seu filho e qual o tratamento

Além disso, a perda de dentes e outros problemas dentários, a perda de apetite e o declínio funcional são fatores que contribuem para a desnutrição entre as pessoas dessa faixa etária. Com informações da Academia de Nutrição e Dietética.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Saúde

ANS suspende temporariamente a venda de 39 planos de saúde

Publicado

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) suspendeu temporariamente a venda de 39 planos de saúde de 12 operadoras, em todo o país, devido a reclamações feitas pelos consumidores no terceiro trimestre deste ano. Esses planos já atendem a 1,4 milhão de pessoas que não serão afetadas. A proibição da venda começa a valer a partir de 9 de dezembro.

A medida, divulgada hoje (5), faz parte do Monitoramento da Garantia de Atendimento da agência, que acompanha o desempenho do setor.

Além das suspensões, a ANS informou também que liberou a comercialização de 11 planos de saúde de sete operadoras. Eles haviam sido impedidos de serem vendidos anteriormente, mas melhoraram os resultados e, com isso, poderão voltar a ser vendidos para novos clientes a partir da próxima segunda-feira (9), desde que não estejam com a comercialização interrompida por outros motivos.

Veja aqui a lista dos planos com a comercialização suspensa.  

Acesse aqui a lista de planos reativados.

Matéria modificada às 15h37 para correção de informação. A ANS revisou de 56 para 39 o número de planos de saúde suspensos e de 15 para 11 o número de planos liberados.

Saiba mais

Leia mais:  Estudo inédito avalia saúde nutricional das crianças brasileiras
Edição: Maria Claudia
Fonte: EBC Saúde

Comentários Facebook
Continue lendo

Envie sua denúncia

Clique no botão abaixo e envie sua denuncia para nossa equipe de redação
Denuncie

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana