NACIONAL

Brasil: Um terço das armas particulares está fora do controle da PF

Publicados

em

Dados são do Fórum Nacional de Segurança Pública
Fernando Frazão/Agência Brasil

Dados são do Fórum Nacional de Segurança Pública

Ao menos uma em cada três armas de fogo de estoque particular que circulam hoje pelo país está com a documentação vencida e encontra-se, portanto, sem o devido controle do Estado, de acordo com o último relatório do Anuário da Violência, do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta terça-feira (28).

Somando os mais recentes dados do Sistema Nacional de Armas (Sinarm), gerido pela Polícia Federal, e do Sistema de Gerenciamento Militar de Armas (Sigma), de responsabilidade do Exército Brasileiro, há registro atualmente de 4,4 milhões de armas distribuídas pelo Brasil para estoque particular, em poder de civis, colecionadores, caçadores, militares e servidores públicos. Deste total, 1,5 milhão encontra-se em situação de registro irregular: aproximadamente 35% do todo. Isso significa que são armas que a PF pode acabar não sabendo onde estão ou com quem estão.

Os dados sobre armas com registro expirado são todos referentes à base de dados do Sinarm, que é o sistema responsável, sobretudo, por cadastrar os armamentos sob poder da população em geral, o que para os pesquisadores só torna a situação ainda mais preocupante, já que, sem acompanhamento, elas podem acabar parando mais facilmente nas mãos de criminosos. O Exército não divulgou levantamento parecido no Sigma. Se comparados apenas os números de registros regulares e irregulares do Sinarm, atualizados até o fim do ano passado, os expirados são, inclusive, maioria: 51% do total – ou 58%, se ignoradas as armas regulares que não são de estoque particular, ou seja, que são cedidas institucionalmente a servidores.

Os estados com maior número de cadastros expirados de arma de fogo são Rio Grande do Sul (330 mil), São Paulo (265.058), Paraná (136.547), Minas Gerais (129.970) e Distrito Federal (97.417).

“É a primeira vez que nós pedimos esses dados à Polícia Federal e nós tomamos um susto quando nos deparamos com esses números”, comenta Isabel Figueiredo, advogada e mestre em Direito Constitucional pela PUC/SP, que faz parte da equipe técnica do Fórum. “Se estivéssemos falando de 200 mil armas, já seria um cenário muito grave. E se já temos como regra uma preocupação grande com as armas legalizadas, porque todas as pesquisas mostram que pelo menos 40% delas acabam migrando para o crime organizado, essas armas “fantasma”, então, causam ainda mais preocupação. É uma situação onde, em geral, o proprietário pode não estar nem aí para aquela arma, pode doar, vender, porque acha que ela não diz mais respeito a ele, e onde ela vai parar depois? O Estado não sabe.”

Leia Também:  Polícia leva cônsul acusado de matar marido a hospital penitenciário

Levando em consideração os dados de registros ativos do Sinarm – que contempla o cidadão em geral, além de caçador por subsistência, servidor público por prerrogativa da função, empresa de segurança privada, empresa comercial, revendedores, fabricantes ou importadores, entre outras categorias –, é possível notar que houve um aumento expressivo, de 133%, entre 2017 (637,9 mil) e 2021 (1,49 milhão), no número de armas com cadastro ativo no sistema. Para a pesquisadora, o cenário, potencializado pela política pró-armamentista do presidente Jair Bolsonaro (PL), ajuda a explicar uma certa sobrecarga na Polícia Federal que, entre todas as outras atribuições, fica imbuída de gerir o cadastro desses armamentos. Hoje, não há qualquer ação para buscar e regularizar as armas com cadastro expirado, por exemplo.

“Nós temos hoje uma piora na situação de descontrole de armas. Há muito mais armas hoje no país, sem que tenha sido ampliada a capacidade estatal para dar conta disso de alguma forma, com uma estrutura mais robusta, e também por conta de um discurso político a favor do descontrole.”

No Sigma, do Exército, é possível observar também um crescimento expressivo no número de Certificados de Registro (CR) cedidos a Caçadores, Atiradores e Colecionadores (CACs). Os 63 mil em 2017 foram aumentando ano a ano e hoje já são 673,8 mil até junho de 2022: quase 1.000% a mais.

No Sinarm, por sua vez, se houve registro de 94,4 mil novas armas em 2019, o número aumentou para 177,7 mil no ano seguinte e, em 2021, 202,5 mil novos armamentos foram cadastrados – um aumento de 114,5% no período.

Isabel, que foi diretora de Ensino e Pesquisa na Secretaria Nacional de Segurança Pública entre 2011 e 2015 acrescenta ainda que, mesmo no cotidiano das investigações, há pouca preocupação por parte das polícias em descobrir a origem das armas utilizadas nos mais diversos crimes. O caso Marielle, que demandou diligências mais aprofundadas e teve grande repercussão nacional, foi um dos raros exemplos.

Leia Também:  Defesa da democracia: atos na USP terão segurança reforçada

“Há também o fato de que não há nas polícias brasileiras uma grande responsabilização pela arma, ou seja, quando observamos a investigação de um homicídio, vemos que as polícias se preocupam muito em descobrir qual arma matou a vítima, mas não se aprofundam em descobrir de onde aquela arma veio. No cotidiano das investigações não há um rastreamento das armas de fogo usadas nos crimes. E o Estado brasileiro ainda é detentor deste dado muito preocupante, de 1,5 milhão de armas que deveriam estar regularizadas e não estão. O que o Estado está fazendo em relação a isso? Nada.

Solução integrada

Como solução do problema, a pesquisadora cita ainda exemplos de países como Argentina, Peru e Guatemala, que optaram pelo modelo de uma agência civil para o controle de armas, munições, explosivos e produtos controlados. Sem as amarras trazidas pela relação paralela entre entidades autônomas, como é o caso do Brasil, com a Polícia Federal e o Exército, esses países conseguiram desenvolver políticas centralizadas que facilitam desde o processo de obtenção de licenças de posse e porte, importação, fiscalização fabril e vendas até a otimização de registros e desenvolvimento de sistemas de rastreamento.

Mas não se trata apenas de sobrecarga. Uma jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) também contribui, na visão da especialista, para este cenário de descontrole das armas no país. O entendimento, pelo menos desde 2014, desqualifica o artigo 12 do Estatuto do Desarmamento, que prevê pena de 1 a 3 anos de detenção e multa para quem for flagrado com arma de fogo de uso permitido mas em desacordo com a determinação legal ou regulamentar.

“A jurisprudência do STJ é pacífica no sentido de que o mero vencimento do registro é conduta atípica, pois não há dolo, caracterizando apenas infração administrativa que autoriza a apreensão do artefato e aplicação de multa. Na prática, não há regulamentação sobre essa possibilidade de apreensão e aplicação de multa, então isso não é feito”, explica Isabel. “Se estivéssemos falando de um crime, a preocupação (por parte da polícia) seria maior.”

O GLOBO questionou a Polícia Federal sobre os dados e, também, sobre o fato de não haver uma investigação, punição ou algum tipo de busca ativa pelos cadastros irregulares, mas até a publicação desta reportagem a instituição ainda não havia se manifestado.

Fonte: IG Nacional

Propaganda

NACIONAL

SP recebe corrida de rua na região do Pacaembu no próximo domingo

Publicados

em

Transporte também será adaptado por conta da corrida
Redação

Transporte também será adaptado por conta da corrida

A cidade de São Paulo será sede de mais uma etapa do Circuito Banco do Brasil de corridas de rua no próximo domingo (14). Com concentração, largada e chegada na Praça Charles Miller, a prova com percursos de 5 km e 10 km percorrerá vias nos arredores do estádio do Pacaembu.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), irá monitorar o trânsito nas regiões dos percursos e a SPTrans alterará o itinerário de linhas que passam pelas vias a serem interditadas.

A CET vai monitorar o trânsito nas regiões da Barra Funda e Pacaembu, no domingo (14), das 6h às 10h, para a realização de corrida de pedestres Circuito Banco do Brasil 2022.

Percursos

5 km: Praça Charles Miller, Av. Pacaembu, sentido Estádio-Marginal, Viaduto Pacaembu, retorno na Rua do Bosque, Viaduto Pacaembu, sentido Marginal-Estádio, Avenida Pacaembu e Praça Charles Miller. 10 km – (duas voltas): Praça Charles Miller, Av. Pacaembu, sentido Estádio-Marginal, Rua Margarida, Rua Marta, Largo Padre Péricles, Via Elevada Pres. João Goulart, retorno na altura da Rua Major Sertório, Rua Marta, Rua Margarida, Avenida Pacaembu, sentido Marginal, e Praça Charles Miller.

As vias que compõem o percurso da corrida serão bloqueadas a partir das 6h, com a implantação dos desvios de tráfego, com o objetivo de garantir as condições de segurança e conforto dos participantes e dos usuários do tráfego de passagem.

Alternativas

– Os veículos provenientes da Rua Alm. Pereira Guimarães com destino ao bairro de Higienópolis ou Centro da Cidade, deverão contornar o Estádio do Pacaembu, Rua Itápolis, Rua Armando Penteado, Rua Piauí, Rua Bahia e Rua Albuquerque Lins;

– Os veículos provenientes do bairro de Higienópolis com destino ao bairro de Perdizes deverão utilizar a região da Praça Buenos Aires, Avenida Angélica, Avenida Dr. Arnaldo e Rua Cardoso de Almeida;

– Os veículos provenientes da Avenida Pacaembu (sentido Marginal/Estádio) com destino à Avenida Dr. Arnaldo deverão seguir pela Avenida Mário de Andrade, Alameda Olga, Rua Tagipuru, Avenida Francisco Matarazzo e Rua Cardoso de Almeida;

– Os veículos com destino à Rua Marta, deverão seguir pela Avenida Gen. Olímpio da Silveira, Avenida Francisco Matarazzo, Rua Dona Germaine Burchard e Avenida Mário de Andrade.

A Engenharia de Tráfego da CET vai monitorar a alteração e orientar o trânsito na região, visando manter as condições de fluidez e preservar a segurança dos usuários da via.

Para informações de trânsito, ocorrências, reclamações, remoções e sugestões, ligue 156.

Recomendações

– Respeite a sinalização; – Se necessitar pedir informações, proceda de forma a não comprometer a fluidez do trânsito; – Ao avistar a canalização de orientação na pista, reduza a velocidade dos veículos para maior segurança; – Procure utilizar vias alternativas, evitando passar nas imediações da interdição.

Transporte

Em razão da corrida do Circuito do Banco do Brasil 2022, a SPTrans irá alterar o itinerário de 14 linhas de ônibus neste domingo (14), das 6h às 10h.

Leia Também:  Vídeo: clube flutuante se desprende e é arrastado para alto mar em SC

Linhas envolvidas:

975A/ 10 Vila Brasilândia – Metrô Ana Rosa* Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, acesso, Al. Olga, R. Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo e R. Cardoso de Almeida, prosseguindo normal. Volta: normal até a Rua Traipu, Rua Dr. Cândido Espinheira, Rua Min. Godoy, Rua Turiassú, Praça Marrey Júnior, Av. Antártica, Viaduto Antártica, Av. Antártica, Praça Luiz Carlos Mesquita, prosseguindo normal.

8215/10 Jd. Paulistano – Pça. do Correio 8528/10 Jd. Guarani – Pça. do Correio

Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, Acesso, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo, Av. Gen. Olímpio da Silveira, prosseguindo normal.

Volta: normal até a Rua Mário de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, prosseguindo normal.

978L/10 Term. Cachoeirinha – Term. Princ. Isabel Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, Acesso, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo, Av. Gen. Olímpio da Silveira, prosseguindo normal. Volta: normal até a Rua Mario de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, prosseguindo normal.

179X/10 Jd. Fontális – Metrô Barra Funda Ida: sem alteração. Volta: normal até a Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, Av. Mq. de São Vicente, R. Norma Pieruccini Giannotti, prosseguindo normal.

148P/10 Pedra Branca – Metrô Barra Funda Ida: sem alteração. Volta: normal até a Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, Av. Mq. de São Vicente, R. Norma Pieruccini Giannotti, R. Sérgio Tomás, R. Anhaia, R. Jaraguá, Av. Rudge, prosseguindo normal.

177H/21 Metrô Santana – Pinheiros Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, Acesso, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo, Av. Gen. Olímpio da Silveira, prosseguindo normal. Volta: normal até a Rua Mário de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, Av. Mq. de São Vicente, R. Norma Pieruccini Giannotti, R. Sérgio Tomás, R. Anhaia, R. Jaraguá, Av. Rudge, prosseguindo normal.

175P/10 Metrô Santana – Ana Rosa Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, Acesso, Al. Olga, R. Tagipuru, Rua Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo e Rua Cardoso de Almeida, prosseguindo normal. Volta: normal até a Rua Traipu, Rua Dr. Cândido Espinheira, Rua Min. Godoy, Rua Turiassu, Praça Marrey Júnior, Av. Antártica, Viaduto Antártica, Av. Antártica, Praça Luiz Carlos Mesquita, Av. Marquês de São Vicente, Rua Norma Pieruccini Giannotti, R. Sérgio Tomás, R. Anhaia, R. Jaraguá, Av. Rudge, prosseguindo normal.

Leia Também:  Polícia leva cônsul acusado de matar marido a hospital penitenciário

208M/10 Metrô Santana – Term. Pinheiros Ida: normal até o Viaduto Pacaembu, Al. Olga, R. Tagipuru, Rua Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo e R. Cardoso de Almeida, Rua Tácito de Almeida, prosseguindo normal. Volta: normal até a R. Cardoso de Almeida, Rua Turiassu, Rua Traipu, Av. Gen. Olímpio da Silveira, Rua Rosa e Silva, Alameda Barros, Rua Gabriel dos Santos, Av. General Olímpio da Silveira, Rua Mário de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, Av. Mq. de São Vicente, R. Norma Pieruccini Giannotti, R. Sérgio Tomás, R. Anhaia, R. Jaraguá, Av. Rudge, prosseguindo normal.

178A/10 Metrô Santana – Lapa Ida: sem alteração. Volta: normal até a Av. Mário de Andrade, R. Pedro Machado, Av. Antártica, Pça. Marrey Júnior, Av. Antártica, Viad. Antártica, Av. Antártica, Pça. Luiz Carlos Mesquita, Av. Mq. de São Vicente, R. Norma Pieruccini Giannotti, prosseguindo normal.

408A/10 Machado de Assis – Cardoso de Almeida Sentido único: normal até a Rua Aracaju, Pça. Vilaboim, retorno, Pça. Vilaboim e Rua Piauí, prosseguindo normal.

874T/10 Ipiranga – Lapa Ida: normal até a Av. Gal. Olímpio da Silveira, Rua Mário de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Acesso, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto e Rua Lincoln Albuquerque, prosseguindo normal.

Volta: sem alteração 875A/10 Aeroporto – Perdizes Ida: normal até a Av. Gal. Olímpio da Silveira, Rua Mário de Andrade, Rua Lopes Chaves, Rua Brig. Galvão, Av. Pacaembu, Retorno sob Viad. Pacaembu, Av. Pacaembu, Acesso, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo e Rua Cardoso de Almeida, prosseguindo normal.

Volta: sem alteração

719R/10 Rio Pequeno – Metrô Barra Funda Ida: sem alteração Volta: normal até a Av. Mário de Andrade, Al. Olga, Rua Tagipuru, Rua Dr. Adolpho Pinto, Av. Francisco Matarazzo, Av. Gen. Olímpio da Silveira, prosseguindo normal.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI