NACIONAL

Corpo de idosa é trocado e enterrado por outra família em MG; entenda

Publicados

em


source
senhora de blusa rosa, colar e óculos
Reprodução Redes Sociais

O corpo de Leonora de Jesus Celestina foi enviado a outro local

Em Belo Horizonte ( MG ), os familiares de uma idosa de 91 anos, que morreu na última segunda-feira (11), aguardavam o corpo para o velório  e levaram um susto ao saber que a idosa já havia sido enterrada em outro cemitério e em uma cova destinada ao parente de outra família. As informações são do jornal  O Tempo .

Nesta terça-feira (12), enquanto a família de Leonora de Jesus Celestina aguardava a chegada do corpo dela no Cemitério da Saudade, foram comunicados de que ela havia sido enterrada no Cemitério da Consolação, em uma cova coletiva.

“A gente ficou preocupado e ligou para a funerária. Foi quando eles disseram que havia tido um probleminha e não estavam localizando o corpo da minha avó e pediram pra gente ir no hospital novamente. No hospital falaram que o corpo dela tinha sumido. Quando depois nos foi informado que o corpo dela já tinha sido sepultado um dia antes, às 12h45”, disse o neto de Leonora, Jaílson Rocha.

De acordo com ele, a avó foi internada após uma parada cardíaca e, apesar dela ter testado negativo para a Covid-19 , ela foi internada em uma área destinada a atendimento de pessoas com a doença. Desse modo, o hospital onde a idosa ficou internada também não teria deixado que a família reconhecesse o corpo.

Após o enterro da mulher no cemitério errado, outras duas pessoas também foram enterradas na cova coletiva. Dessa maneira, para fazer a exumação do corpo, era necessária a autorização dessas duas outras famílias, que só foi conseguida nesta quarta-feira (13).

Leia Também:  Hospitais particulares também ficarão sem oxigênio, diz prefeito de Manaus

“É um descaso. O sentimento de tristeza. Ela deixou um filho de 66 anos, doente, com problemas de saúde e ele está arrasado. Ela deixou três filhos e vários netos”, afirma.

Duas famílias machucadas

A família de Leonora descobriu que o corpo de Fernando Jesus Reis, de 68 anos, foi enterrado no lugar do dela. E a família de Fernando também ficou surpresa ao saber que o corpo do homem ainda estava no hospital, apesar de pensarem ter o enterrado na segunda.

Em nota, o Hospital São Francisco de Assis disse que houve um equívoco por parte da funerária responsável pelo translado do corpo, quando foi retirado do hospital. O São Francisco de Assis disse que, ao identificar o problema, se reuniu com os familiares e afirmou que a funerária “assumiu a responsabilidade informando que adotará as ações necessárias para remediar o ocorrido, arcando com todas as despesas”. 

Veja a nota do hospital na íntegra:

Em relação a troca de corpos de pacientes com Covid-19 questionada no dia 12 de janeiro de 2021, terça-feira, a Fundação Hospitalar São Francisco de Assis (FHSFA) esclarece que realmente houve um equívoco por parte da Funerária Emirtra no recolhimento do corpo para deslocamento ao local do enterro.

Leia Também:  Bombeiros combatem incêndio em Santa Cruz, no Rio de Janeiro; veja imagens

Quando o paciente vai a óbito, é feita a identificação para o mesmo e essa identificação o acompanha em todas as etapas, seguindo todos os processos sistêmicos da Fundação. Todas as etapas são registradas e conferidas por meio de protocolos para garantir a segurança da informação. Neste caso específico, foi identificado que não  houve a devida conferência por parte da Funerária o que, infelizmente, ocasionou na troca dos corpos.

Após tomar conhecimento do ocorrido, a alta gestão da Fundação prontamente realizou uma reunião com os envolvidos para solucionar o problema e acolhimento dos familiares. Na ocasião, a Funerária Emirtra assumiu a responsabilidade informando que adotará as ações necessárias para remediar o ocorrido, arcando com todas as despesas.

Ressaltamos que a Fundação é uma instituição filantrópica com atendimento exclusivo ao Sistema Único de Saúde (SUS), e, em seus 10 anos de atuação, nunca passou por uma situação como essa justamente por seguir criteriosos protocolos de segurança. Uma dessas medidas é a opção para as famílias de pacientes que falecem com a Covid-19 reconhecerem os corpos dos seus entes queridos seguindo diversas medidas de segurança.

Apesar de não ter nenhuma responsabilidade sobre o triste fato ocorrido, a Fundação lamenta muito e se solidariza com as dores dos familiares. Sabemos que é um momento de muita tristeza e o enterro faz parte do processo de luto.

Propaganda

NACIONAL

Deputada Carla Zambelli tem publicação no Twitter marcada como enganosa

Publicados

em


source
zambelli
Reprodução

Publicação em questão

O Twitter colocou um aviso em publicação da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) em que usa a tag “informações enganosas e potencialmente prejudiciais relacionadas à Covid-19″. O texto é sempre utilizado pela plataforma para alertar para publicações que são feitas sem comprovação científica. O intuito é diminuir as fake news na plataforma.

Zambelli compartilhou um vídeo em que o jornalista Alexandre Garcia fala sobre um estudo que teve como objeto o uso da cloroquina e de outros medicamento sem eficácia comprovada no chamado  “tratamento precoce” contra a Covid-19.

Na publicação, a deputada também escreveu: “The American Journal of Medicine” “traz em sua primeira edição de 2021 um estudo que comprova a eficácia do tratamento precoce na evolução da Covid-19”.

Você viu?

Uma reportagem do UOL mostrou que a a revista em questão tem pouco prestígio e está na 928ª posição no ranking de revistas científicas feito pela Scimago. 

Instituições prestigiosas como a Organização Mundial de Saúde também publicaram estudos que apontaram a ineficácia da cloroquina.

Nos últimos dias, o Twitter também sinalizou uma publicação de mesmo teor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que também tinha um vídeo com a participação de Alexandre Garcia.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA