NACIONAL

Delegado tentou obstruir investigações contra Cristiane Brasil e Pedro Fernandes

Publicados

em


source
brasil
Lúcio Bernardo Junior/Câmara – 21.6.16

Filha de Roberto Jefferson, Cristiane Brasil teve posse no Ministério do Trabalho barrada


Uma reportagem do jornal Meia Hora do Rio de Janeiro, com base nas informações veículadas pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, sobre operação Catarata II, deflagrada na manhã desta sexta-feira (11), que expediu  mandados de prisão contra Cristiane Brasil, ainda pendente, e Pedro Fernandes, revelou que o  delegado da Polícia Civil do Rio Mario Jamil Chadud tentou obstruir a investigação.


Mario e o seu filho, Flávio Salomão Chadud, estão entre os cinco alvos de mandado de prisão preventiva. O MP denúncia o delegado por ter sido responsável pela retirada de documentos , computadores e dinheiro em espécie da sede da empresa Servlog Rio,  do seu filho Flavio e da nora Marcelle Chadud, no Shopping Downtown, na Barra da Tijuca, com o intuito de obstruir a investigação durante a primeira fase da operação. 

Leia Também:  Bancada da bíblia se profissionaliza para acabar com o aborto legal no Brasil

A investigação teve início em 2019 após Controladoria Geral do Estado (CGE) identificar fraudes em pregões eletrônicos na Fundação Leão XIII, que foram vencidos de forma fraudulenta pela empresa Servelog, que corrompeu a disputa pelas licitações . O delegado e os demais investigados são acusados de  crimes de organização criminosa, fraudes licitatórias, peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de capitais e obstruir investigação criminal.  

Propaganda

NACIONAL

Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%

Publicados

em


source
undefined
Agência Brasil

Estudo da FGV aponta que pandemia provocou queda de renda de 20,1%

Rio – O primeiro trimestre da pandemia de covid-19, declarada oficialmente em 11 de março, ocasionou uma perda média de 20,1% na renda dos brasileiros, baixando o valor de R$ 1.118 para R$ 893 mensais. No cálculo, consideram-se mercados formal e informal e também a parcela de trabalhadores sem emprego.

No período, o coeficiente de Gini, usado para mensurar o nível de desigualdade social, aumentou 2,82%. Os apontamentos constam da pesquisa Efeitos da pandemia sobre o mercado de trabalho brasileiro, coordenada pelo economista Marcelo Neri, da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Conforme demonstra o estudo, observa-se que tanto a queda média na renda como o índice Gini atingiram nível recorde quando analisadas variações da série histórica, iniciada em 2012. Enquanto os mais pobres viram a renda encolher 27,9% – de R$ 199 para R$ 144 -, o impacto foi de 17,5% – de R$ 5.428 para 4.476 -, entre os 10% mais ricos do país.

Leia Também:  Covid-19: Prefeitura do Rio de Janeiro aumenta multa por aglomerações

Os pesquisadores atribuem a queda de mais de um quarto da renda à redução da jornada de trabalho, que foi de 14,34% na média nacional, e a outros fatores, como a própria diminuição na oferta de vagas. A taxa de ocupação, isto é, a parcela da força de trabalho que possui um emprego, também caiu 9,9%.

O estudo afirma que a situação pesou mais entre indígenas, analfabetos e jovens de 20 a 24 anos. De acordo com os pesquisadores, mulheres foram mais afetadas, com 20,54% de queda na renda, contra 19,56% dos homens.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA