NACIONAL

Flordelis envia mensagens a deputadas pedindo ajuda e nega ter matado o marido

Publicados

em


source
flordelis
Fernando Frazão/Agência Brasil

Na mensagem, Flordelis diz que não foi julgada e nem condenada ainda e que tem o direito de responder

A deputada Flordelis mandou uma mensagem no grupo da bancada feminina da Câmara dos Deputados negando ter matado seu marido e pedindo ajuda das colegas parlamentares para não ter o mandato cassado. Flordelis foi indiciada pela morte do pastor Anderson do Carmo e pode ter seu mandato como deputada cassado. A informação foi divulgada pela CNN Brasil.

Na mensagem, Flordelis diz que não foi julgada e nem condenada ainda e que tem o direito de responder. “Não fui julgada nem condenada, fui indiciada, denunciada pela promotoria, tenho direito de lutar para provar minha inocência, mas se caçarem meu mandato estão me tirando o direito de lutar, porque vou para prisão”, afirmou a deputada.

Leia Também:  Bolsonaro retira cálculo e passa bem

Segundo a reportagem, Flordelis mandou as mensagens na madrugada de quinta para sexta-feira (28). Ela reitera por mais de uma vez que não matou o marido e que não pode perder o mandato, para não perder o foro privilegiado.

“Me deixem solta para lutar, e isso só será possível com a não cassação do meu mandato (…) “Não matei meu marido e não mandei matar”, disse a parlamentar.

A deputada ainda acusou a filha de se passar por ela, e que, portanto, ela não seria a responsável. “Minha filha confessou em juízo que pegou meu celular e escreveu e enviou as mensagens, se fazendo passar por mim para conseguir o que ela queria. Vou enviar no domingo o depoimento dela”, disse.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, marcou para próxima terça-feira (1) reuniões na Casa para definir o futuro da deputada.

Propaganda

NACIONAL

Ex-secretário da Saúde do Rio afirma que governador em exercício recebia propina

Publicados

em


source

O ex-secretário estadual de Saúde Edmar Santos disse, como parte do acordo de delação premiada, que o presidente da Assembleia Legislativa do Rio, André Ceciliano (PT-RJ), falou durante uma conversa que desviaria parte dos R$ 100 milhões, valor que foi doado pelo Legislativo para ajudar no combate a Covid-19. O dinheiro seria transferido para as prefeituras do interior com influência dos deputados da Casa. A propina seria dividida entre o então vice-governador, Cláudio Castro, que assumiu o posto de Wilson Witzel, com o ex-secretário estadual da Casa Civil André Moura (PSC).

Cláudio Castro
Divulgação/Rafael Campos

Cláudio Castro está sendo acusado de estar envolvido em esquema de propina

Segundo o documento divulgado pelo jornal O Globo, Edmar falou que esteve com Ceciliano para falar do esquema e toda a movimentação do dinheiro seria feita sob os excedentes dos duodécimos da Alerj. Por conta das dificuldades de caixa do Executivo, foi proposto pela Assembleia doar as sobras, porém, de acordo com o ex-secretário de Saúde, tudo não passou de uma manobra para que o desvio fosse realizado em meio a pandemia.

Leia Também:  Bia Kicis depõe à PF em inquérito sobre atos antidemocráticos

Edemar foi procurado por Ceciliano, conforme afirma a Procuradoria-Geral da República (PGR), pois ele queria ter certeza de que o dinheiro chegaria aos municípios “evidenciando que a estratégia tinha por objetivo maior atender aos interesses espúrios do grupo criminoso”. O esquema acontecia da seguinte forma: o dinheiro saía da Alerj e ia para a Secretaria Estadual de Saúde, depois disso, era encaminhado para os municípios específicos sinalizados por parlamentares. Segundo O Globo, foram 87 cidades beneficiadas com valores de aproximadamente R$ 1 milhão que deveriam ser voltados a construção de centros triagem, mas as obras não aconteceram em boa parte dos municípios.

Durante o depoimento, Edemar garantiu que Ceciliano falou que a propina seria dividida e que os políticos envolvidos receberiam em dinheiro vivo. Como exemplo, o ex-secretário da Saúde contou que foi chamado pelo presidente da Assembleia Legislativa para ajudar a resolver o problema do deputado estadual Márcio Canella (MDB), que teria pedido para a Alerj mandar R$ 25 milhões para Duque de Caxias, entretanto o então secretário André Moura falou ao presidente da Alerj que tinha esse valor.

Leia Também:  Bolsonaro retira cálculo e passa bem

De acordo com Edmar, Canella teria ficado “furioso” em uma reunião que aconteceu no gabinete de Ceciliano e que ele gritou que “sairia da base do governo por não ter sido atendido”. Porém, ele não afirmou que o deputado recebeu propina. Após a reunião, o deputado estadual Rodrigo Bacellar (SD-RJ) o chamou para uma conversa sobre a divisão de propina. Ceciliano teria deixado claro que André Moura e Cláudio Castro participavam do esquema ao dizer que pretendia deixar de fazer o pagamento dos dois e deixar Edmar como único beneficiário, isso se ele ajudasse a receber o dinheiro. Ele afirmou que não disse se aceitava ou não a proposta.

Ainda de acordo com Edmar, em uma conversa com André Moura, ele notou que Moura pode ser o intermediário de Witzel para receber esses recursos ilícitos. Todos os citados negaram envolvimento no esquema.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA