NACIONAL

Líder dos caminhoneiros dispara contra governo Bolsonaro: ‘São negacionistas’

Publicados

em


source
Wallace Landim é um dos principais entusiastas da paralisação prevista para o dia 1º de novembro
Youtube/Reprodução

Wallace Landim é um dos principais entusiastas da paralisação prevista para o dia 1º de novembro

Uma das principais lideranças da greve dos caminhoneiros em 2018, Wallace Landim, conhecido como “Chorão”, afirma que a atual situação está pior do que no governo Michel Temer, e acusa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de não se importar com as reivindicações propostas pela categoria.

Landim, que é o presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava), diz que um dos objetivos da greve prevista para o dia 1º de novembro é a luta contra o aumento no valor dos combustíveis nas refinarias e o “negacionismo” do governo.

“Fazemos reivindicações da categoria há três anos, e o governo não fez nada. A categoria está no limite”, disse Chorão, em entrevista ao site ‘Metrópoles’, neste domingo (17).

“[Vamos] lutar pela nossa sobrevivência, porque temos a informação de que a gasolina ia subir mais 8% até dezembro. Eles [o governo] não estão preocupados com o trabalhador, são negacionistas”, completou.

Leia Também:  Ex-PGR, Rodrigo Janot deve deixar sua filiação ao Podemos para 2022

Na quarta-feira (13), a Câmara dos Deputados aprovou o projeto que muda o cálculo da tributação a fim de se alcançar uma redução nos preços dos combustíveis.

Leia Também

A proposta, que agora corre no Senado, prevê que o tributo seja aplicado em cada estado sobre o valor médio dos últimos dois anos para baratear o preço da gasolina.


Atualmente, esse imposto aplicado nos combustíveis tem como referência o preço médio da gasolina, do diesel e do etanol nos 15 dias anteriores em cada estado. Isso significa que, a cada 15 dias, o preço é revisto de acordo com pesquisa de preços nos postos. Sobre esse valor, são aplicadas as taxas de cada combustível. Segundo Chorão, no entanto, a resolução é ineficiente.

“A proposta que está sendo feita pelo governo é nada mais do que transferência de responsabilidade para os governadores. Não vai adiantar a longo prazo”, contou.

Leia Também:  'Noivinha do Aristides': entenda o termo que está sendo relacionado a Bolsonaro

Propaganda

NACIONAL

“Literatura e poesia desestruturam os canalhas”, diz Kakay sobre novo livro

Publicados

em


source
 Kakay defende que o fascismo,
Reprodução

Kakay defende que o fascismo, “especialmente o bolsonarista”, roubou a esperança e o sonho do Brasil

Notório  crítico da atuação jurídica e política da Operação Lava Jato, o advogado criminalista e  colunista do iG  Antônio Carlos de Almeida Castro , o Kakay, lança hoje, em Brasília, o  livro “Muito Além do Direito” – que será um compilado de seus principais artigos publicados desde 2015. Ao iG, Kakay explica que a coletânea tem como propósito ser “um retrato dessa época mais angustiante que passamos na pandemia, onde escrevi muito”.

Importante voz no meio do direito, Kakay ressalta que seu livro abordará temas para além da legislação brasileira. “Falo sobre direito, mas muito mais sobre questões institucionais”. Como exemplo, o criminalista cita um de seus artigos publicados em 2010.

Na época, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) disputavam as eleições presidenciais e o aborto pautava o debate público. Kakay aproveitou a oportunidade para, então, escrever sobre o tema. “No final da campanha da [ex-presidente] Dilma Rousseff e do José Serra, eles fugiam da questão do aborto. Fiquei muito impressionado com isso. Pela primeira vez, duas pessoas de esquerda disputavam a presidência e eles fugiam do assunto. Fiz um artigo que se chamou ‘Eu fiz três abortos’ e teve muita repercussão”.

“Não é por acaso que Kakay tem tanto êxito e tanto cliente: é por comptência. Quando a esta se acrescenta simpatia, tem-se a explicação do sucesso” – Fernando Henrique Cardoso, ex-presidente da República

Reprodução

“Muito Além do Direito”, novo livro do advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida Castro

Logo de cara, a capa do livro – com uma bandeira do Brasil costurada, com remendos e parcialmente suja – já transmite ao leitor a defesa de um dos principais argumentos de Kakay: “A necessidade de resgatar símbolos e cores”.

“Quando comecei a fazer muitos artigos mais fortes contra este governo fascista que está ai, resolvi escrever uma coisa e fui muito criticado pela esquerda: a necessidade de resgatar símbolos e cores. Acho que o fascismo, especialmente o bolsonarista, roubou a estrutura do país. Roubou a esperança, roubou o sonho. E não podemos permitir que ele roube as nossas cores. Pensei em fazer uma capa com uma bandeira costurada, como se fosse um resgate da nossa cidadania. Um resgate enquanto nação”, explica o advogado.

Leia Também:  'Noivinha do Aristides': entenda o termo que está sendo relacionado a Bolsonaro

“Apesar da diferença de idade, minha amizade com Kakay vem desde o seu tempo de estudante e líder estudantil na Universidade de Brasília. Suponho ter sido eu o responsável por sua primeira atuação na tribuna do Supremo Tribunal Federal, quando o nomeei advogado dativo de um jovem acusado de participação na aventura de estudantes que pretendiam invadir um quartel de Buenos Aires; sua expedição era pedida pela Argentina. Na vitoriosa advocacia, Kakay tem sido cidadão atuante em prol da democracia, seja no exercício profissional, seja no invejável estilo de sua pena em qualquer escrito” – J. P. Sepúlveda Pertence, jurista e ex-presidente do STF

Segundo Kakay, esse ‘sequestro’ da simbologia passa pelo campo ideológico. Para ele, “a direita sempre sequestra esses símbolos” e passa a usá-los de modo a exaltar este “moralismo cívico”. “Acho que temos que enfrentar esse campo sem moralismo e sem essa noção de civismo, que é uma noção fascista”.

Ao mencionar o campo da direita, o criminalista menciona o ex-ministro e pré-candidato a presidência da República Sergio Moro (Podemos) e defende que o ex-juiz é, em partes, pior que o presidente Jair Bolsonaro (PL).

Leia Também

Leia Também

Leia Também

“Sobre o Moro, a única coisa que concordo com sua esposa [Rosângela Moro], é quando ela diz que Sergio e Bolsonaro são a mesma pessoa. Ou seja, Moro é quem propiciou, em boa parte, a eleição e a ascensão de Bolsonaro ao poder. O Moro, sob certo aspecto, é até pior que o Bolsonaro, porque ele tem alguma estrutura no pensamento dele. Bolsonaro não tem nenhuma, é impressionante a fragilidade intelectual dele. Mas acho que temos que ter uma preocupação, pois Moro vai tentar costurar esse resgate a direita. Que não seria um resgate, seria continuar a fazer uma usurpação do que existe de identidade nacional. Muito mais que símbolo e cor, eles destruíram a identidade nacional”, avalia Kakay.

“Antônio Carlos de Almeida Castro, uma inteligencia que se fez marca – o nosso Kakay. Brilhante, combatuvo e corajoso advogado e intelectual de grande talento. Personalidade inconfundível, amigo leal, afetuoso, talento e sensibilidade que transbordam para a poesia e as artes, a música e a magia pessoal, humana, virtudes morais e idealismo político” – José Sarney, ex-presidente da República e decano da Academia Brasileira de Letras

Advogado de ‘quatro presidentes da República, mais de 90 governadores, dezenas de senadores, ministros [de Estado] e deputados federais’, Antônio Carlos também explicou como encontrou tempo para conciliar o direito junto ao consumo e a prática da poesia. Entre seus autores preferidos, destacam-se Mia Couto, Manoel de Barros e Fernando Pessoa – este último, na visão do criminalista, autor do “maior livro que existe, o Livro do Desassossego”.

Leia Também:  Capes: Presidente da entidade nega crise após a saída de 52 pesquisadores

“A poesia faz parte do livro todo, pois todo artigo têm, no mínimo, duas poesias. No começo da pandemia, resolvi fazer uma recitação de poesia. Estava em casa, fiquei um ano e meio dentro de casa e lia poesias no final da tarde. Fiz pequenos grupos que chamam-se ‘Poesias no final da tarde’. Isso cresceu, hoje em dia [o grupo] possui mais de mil pessoas que recebem quase que diariamente essas poesias. E todo artigo meu, praticamente, começa e termina com uma poesia. Isso é algo que gosto”, revela Antônio Carlos.

“Kakay é uma dessas forças da natureza, sempre surpreendendo, superando-se; Em primeiro lugar, mineiríssimo e amigo de todas as horas. Advogado único, porque poeta, amante das artes e da beleza, da vida e apaixonado por tudo que faz, nos tribunais e nas ruas, na justiça e na política, sempre com coragem. Foi dos primeiros a percorrer o Brasil alertando e denunciando o caráter político da chamada Lava Jato. Implacável na defesa das prerrogativas dos advogados e do devido processo legal. Um brasileiro. Um cidadão do mundo” – José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil no governo Lula

Durante o decorrer do livro, é possível ler pequenas manifestações de importantes figuras políticas a respeito de Kakay, como Fernando Henrique, Sarney, José Carlos Dias e José Dirceu. “Faço uma brincadeira, que na verdade não é uma brincadeira, é sério, que se você tiver pouco tempo para ler o livro, leia a manifestações destas pessoas que há um conteúdo legal”.


Desafiado a resumir a mensagem de seu livro em apenas uma frase, Antônio Carlos de Almeida Castro definiu a publicação do compilado de artigos como “a resistência necessária, com firmeza e destemor, mas também com literatura e poesia que desestruturam os canalhas”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA