NACIONAL

Mãe e filha morrem em deslizamento de terra após chuva em Florianópolis

Publicados

em


source
Chuva provocou deslizamentos em Florianópolis
Divulgação/Defesa Civil/Flavio Vieira Jr

Chuva provocou deslizamentos em Florianópolis

Duas pessoas morreram em um deslizamento de terra em Florianópolis , Santa Catarina, neste domingo (24). Em dia de chuva forte, a cidade registrou também desabamentos de um muros. As vítimas são mãe e filha, e estavam em casa quando foram soterradas. As informações são do G1.

Os bombeiros foram deslocados para o local dos desabamentos por volta das 13h20, e a ocorrência segue em atendimento. Através do Twitter, o prefeito de Florianópolis  Gean Loureiro (DEM) informou sobre as mortes e avisou sobre os alojamentos que a prefeitura disponibilizou.

“Lamento informar a morte de duas pessoas no Saco Grande por conta de deslizamento de terra. Mãe e filha. Por favor, ao sinal de qualquer perigo, abandonem a residência, temos abrigo e hotel. Por favor”, escreveu.

Você viu?

Em outros pontos da cidade, houve o desabamento de dois muros, mas ninguém ficou ferido. De acordo com a Defesa Civil, a cidade acumulou 86mm de chuva entre as 9h21 às 12h21.

Leia Também:  Deputado bolsonarista é condenado por acusar o PSOL de ligação com narcotráfico

Segundo a prefeitura, o Instituto Estadual de Educação (IEE) está sendo utilizado para abrigar famílias atingidas . Também serão disponibilizadas instalações em hotel.

“Estamos com todas as equipes de plantão, Defesa Civil, secretarias, Floram e secretarias. A preocupação agora é com deslizamentos”, disse o prefeito.

Propaganda

NACIONAL

Podcast Último Segundo: Armar população aumenta a segurança? Ouça

Publicados

em


source
Podcast Último Segundo: Armar população aumenta a segurança? Ouça
Reprodução

Podcast Último Segundo: Armar população aumenta a segurança? Ouça

Em fevereiro deste ano, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou quatro decretos que facilitam a aquisição de armamentos por pessoas comuns. Entre os detalhes do decreto estão:

  • Aumentar o limite de armas que cidadãos comuns podem ter, de quatro armas para seis;
  • Permitir o porte simultâneo de duas armas;
  • Facilitar a compra de armamentos e munições para colecionadores, atiradores e caçadores;
  • Ampliar a lista de categorias profissionais que têm direito a adquirir armas e munições.

Na prática, o recente movimento do presidente em armar a população significou a volta de uma discussão já conhecida pelo público: Armar ou não a população?

Segundo dados do DataSUS, de outubro do ano passado, as armas de fogo são responsáveis por cerca de 70% dos homicídios no país. Além disso, em dois anos de flexibilização das leis, desde que Bolsonaro foi eleito, houve um aumento de 180 mil novas armas de fogo registradas pela Polícia Federal.

Existem aqueles que concordam com as políticas armamentistas e aqueles que discordam. E a segurança pública sempre acaba sendo colocada como um dos argumentos de quem é a favor. O iG conversou com especialistas e cidadãos comuns para tentar entender como pensam as pessoas a favor e contra a liberação de armas no país. Ouça nosso podcast na sequência:

Leia Também:  STF mantém autonomia de cidades e estados para a adoção de medidas de isolamento

Você viu?





Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA