NACIONAL

Mizael Bispo se entrega após decisão do STJ que revogou prisão domiciliar

Publicados

em


source
Mizael Bispo foi condenado pelo assassinato de Mércia Nakashima
Reprodução/TV Record

Mizael Bispo foi condenado pelo assassinato de Mércia Nakashima

O policial militar aposentado Mizael Bispo de Souza se entregou neste sábado (5) após uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que revogou a prisão domiciliar dele. Condenado a 22 anos de prisão pelo assassinato da ex-namorada e advogado Mércia Nakashima , Mizael cumpria pena em casa por conta da pandemia da Covid-19 , doença causada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Em agosto deste ano, o ex-PM deixou a penitenciária de Tremembé, no interior paulista, por decisão do próprio STJ.

Com a revogação da decisão, Mizael se entregou no presídio militar Romão Gomes, na zona norte da capital, de acordo com reportagem da TV Globo. PMs do local, no entanto, não o receberam sob a justificativa de que PMs expulsos e demitidos não podem mais ficar no local.

Leia Também:  Polícia apreende R$ 70 mil em notas falsas em gráfica clandestina

A defesa de dele alegou que ele continua no quadro da corporação, como PM aposentado, mas não houve consenso na recepção do presídio militar. Ele foi levado para uma delegacia próxima, fez exame de corpo de delito e retornou para o presídio militar, onde espera transferência para Tremembé.

Propaganda

NACIONAL

Ação de Defensorias e MPs cobram lista de vacinados contra Covid-19 em Manaus

Publicados

em


source
Vacinação em Manaus
EUZIVALDO QUEIROZ/PAWE COMUNICA / EUZIVALDO QUEIROZ/PAWE COMUNICA Newsletters

Vacinação em Manaus

As Defensorias Públicas do Estado do Amazonas (DPE-AM) e da União (DPU), em conjunto com os Ministérios Públicos Federal (MPF), Estadual (MPE), de Contas (MPC) e do Trabalho (MPT), entraram com um pedido na Justiça Federal, na quinta-feira (21), para obrigar a prefeitura de Manaus a informar a lista de pessoas que receberam a vacina contra a Covid-19 diariamente.

A campanha de vacinação na capital do Amazonas ainda está suspensa após a suspeita de irregularidades na distribuição e aplicação da vacina, com pessoas fora do grupo prioritário sendo vacinadas.

Segundo a ação protocolada, o governo municipal deve entregar à Justiça Federal o nome das pessoas imunizadas até às 19h de cada dia, além de publicar informações como nome, CPF e local de vacinação no site da prefeitura até às 22h.

Em caso de descumprimento, os órgãos pedem a aplicação de uma multa de R$100 mil por dia em nome do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante). A Justiça ainda vai analisar o pedido.

Leia Também:  Servidor preso por roubo de 8 mil seringas é achado morto em presídio

De acordo com G1, o MPF fez o pedido depois que a prefeitura não entregou as informações na noite de quinta (21). Apesar disso, Almeida afirmou em coletiva que a lista foi entregue atendendo todos os pedidos do órgão.

“Essa informação está com os órgãos de controle, nós entregamos a lista de todas as pessoas vacinadas, com CPF, todas as suas qualificações, qual a unidade de saúde que trabalha, qual sua profissão, qual seu envolvimento com o trabalho de combate à covid-19”, declarou o prefeito.

O governo estadual já havia se posicionado sobre o caso na quarta-feira (20), informando que não se responsabilizaria pelo controle da vacinação . Em nota, o governo do Amazonas afirmou que o controle sobre a distribuição das doses é uma atribuição de cada prefeitura.

Fraude nas filas

A suspensão da campanha foi definida pelas secretarias de Saúde de Manaus e do Amazonas, após uma reunião na noite de quarta-feira (20). Fotos e relatos de parentes de empresários locais sendo vacinadas repercutiram. Eles foram acusados de furar a fila da vacina.

Leia Também:  Na cidade de São Paulo, 43% dos moradores dizem que a qualidade de vida piorou

As denúncias foram encaminhadas para as autoridades. A Prefeitura de Manaus diz que não há irregularidades.

Segundo o governo do estado , a suspensão da vacinação ocorre para replanejamento da campanha. O Executivo estadual afirma que o objetivo é discutir os critérios que definirão quais profissionais de saúde e de quais unidades têm prioridade para receber as primeiras doses, já que não há quantidade suficiente para todos.

Após a definição dos critérios, as unidades de saúde deverão enviar a lista nominal dos profissionais, com o setor em que cada um trabalha, para a Secretaria da Saúde de Manaus reprogramar a vacinação.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA