NACIONAL

Pazuello confirma avanço por vacinas da Pfizer, mas diz que está “em negociação”

Publicados

em


source
Ministro da Saúde Eduardo Pazuello
Euzivaldo Queiroz/ Ministério da Saúde

Ministro da Saúde Eduardo Pazuello

Após afirmar a membros da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), na tarde desta quarta-feira, que gostaria de fechar contrato com a Pfizer ainda hoje, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou em vídeo que tema ainda está em negociação. Segundo ele, “a partir de agora a gente segue nos trâmites de fazer esse contrato o mais rápido possível.”

O ministro elogiou o cronograma apresentado pela farmacêutica, mas não deu detalhes sobre os números. Segundo fontes, a estimativa é a entrega de cerca de 9 milhões de doses até junho, cerca de 30 milhões até setembro e aproximadamente 60 milhões de doses até dezembro.

— Estamos discutindo a possibilidade da contratação da vacina da Pfizer que hoje se torna uma realidade a partir do projeto de lei que passou pelo Senado e pela Câmara. Vamos fazer uma divulgação conjunta de um documento mostrando que estamos nessa fase de negociação — disse o ministro no vídeo divulgado pela pasta, acrescentando:

Leia Também:  Em depoimento à CPI, Wajngarten alegará que defendeu a compra de vacinas em 2020

— A proposta de cronograma que está sendo apresentada é uma boa proposta e a partir de agora a gente segue nos trâmites de fazer esse contrato o mais rápido possível. Agradeço a equipe da Pfizer que está disponível conosco e vamos juntos cumprir essa missão, vacinar o povo brasileiro.

A representante da Pfizer, que participou da reunião por vídeo, afirma que a farmacêutica está muito feliz por ” dar continuidade a essas negociações para que a gente possa trazer nossa vacina à população brasileira.”

Você viu?

Mais cedo, Pazuello havia afirmado que gostaria de concluir a compra do imunizante ainda nesta quarta.

—  Hoje eu quero fechar a Pfizer—  disse.

A pasta divulgou uma nota na qual Pazuello garantia a “estabilidade” no cronograma de entregas de vacinas contra a Covid-19 a partir deste mês. Segundo ele, já a partir dessa semana a Fiocruz e o Instituto Butantan estabilizarão a produção nacional.

Leia Também:  CPI da Covid: Novo foco será na recusa de 70 milhões de doses da Pfizer

— Já temos contratos alinhados para adquirir a vacina russa Sputnik V. O projeto de lei aprovado ontem pela Câmara facilitou as negociações com Pfizer e Janssen— disse.

Procurada pelo GLOBO, a Pfizer afirmou que a comunicação sobre as negociações da vacina ocorrerá através do Ministério da Saúde.

Propaganda

NACIONAL

‘Queiroga com certeza será reconvocado à CPI’, diz Omar Aziz

Publicados

em


source
 'Queiroga com certeza será reconvocado à CPI', diz Omar Aziz
Reprodução

‘Queiroga com certeza será reconvocado à CPI’, diz Omar Aziz

O senador e presidente da CPI da Covid , Omar Aziz (PSD-AM), se posicionou sobre o depoimento do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, como a “grande decepção” da comissão até o momento. Em relação as falas pouco objetivas, Aziz reiterou que Queiroga “com certeza” será reconvocado. As falas foram reproduzidas em uma entrevista no YouTube para o canal do historiador Marco Antônio Villa.

O motivo que levou o presidente da comissão em buscar uma nova audiência para ouvir Queiroga é a constante contradição entre as diretrizes do Ministério da Saúde e as políticas públicas do governo Bolsonaro .

Queiroga declarou inúmeras vezes que não se pronunciaria em seu depoimento pois não havia um protocolo de tratamento para a covid-19 elaborado pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec).

Renan Calheiros declarou no último sábado (08) que a estratégia adotada pelo cardiologista comandante do Ministério da Saúde de não responder objetivamente as perguntas é uma outra maneira de “não falar a verdade”.

Leia Também:  Em depoimento à CPI, Wajngarten alegará que defendeu a compra de vacinas em 2020

Aziz ratificou o posicionamento de Calheiros ao declarar que “a gente perguntava se ele era a favor da cloroquina – e ele não citava a palavra cloroquina, falava em ‘fármacos’ -, ele jogava para a Conitec”.


O presidente da CPI argumentou que o posicionamento de Queiroga visa “não magoar o chefe” e que as contradições existentes dão base para que o ministro seja reconcado”.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA