NACIONAL

Polícia Federal deflagra no Pará a segunda fase da Operação Ouro Fino

Publicados

em


source

Agência Brasil

pf
Agência Brasil

Polícia Federal deflagra no Pará a segunda fase da Operação Ouro Fino

A Polícia Federal (PF) está dando sequência à segunda fase da Operação Ouro Fino, que tem por objetivo o combate à exploração ilegal de ouro no Pará. De acordo com os investigadores, as ações, retomadas ontem (12), visam ao sequestro de aproximadamente R$ 14 milhões em bens.

Até o momento, foram apreendidos mais de 44 quilos de ouro.A PF informa que as ações da Ouro Fino decorrem da Operação Verde Brasil 2, que abrange “um conjunto de atividades estruturadas focadas na proteção e preservação da Amazônia e demais biomas”.

Além dos policiais federais, a operação conta com a colaboração de militares e fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Santarém, no Pará.

Leia Também:  Vaca fica presa em telhado e é salva por bombeiros em Santa Catarina

Em nota, a PF diz que a missão consiste na inutilização de máquinas e destruição de pistas de pouso usadas para abastecimento de garimpos clandestinos situados na Reserva Biológica Maicuru, localizada dentro da área paraense conhecida como Renca (Reserva Nacional do Cobre e seus Associados), região que é considerada inóspita e de difícil acesso.

Nesta fase da operação, os investigadores tentam identificar a cadeia criminosa que está envolvida com exploração ilegal de ouro, o que inclui, além da extração, o processamento e a comercialização do metal – crimes que estão previstos pelas leis 8.176/91 (usurpação de bem da União) e 9.605/98 (lavra clandestina).

Os infratores podem pegar penas que, somadas, podem ser superiores a cinco anos de detenção.

Propaganda

NACIONAL

Em debate vazio, candidatos à prefeitura de SP mostram propostas; veja como foi

Publicados

em


source
Debate de candidatos à prefeitura de SP é marcado por ausência de candidatos
Arte iG

Debate de candidatos à prefeitura de SP é marcado por ausência de candidatos

Os pleiteantes ao cargo de prefeito da cidade de São Paulo participaram de debate nesta segunda-feira, no canal ConecTV, em encontro esvaziado devido à ausência dos quatro candidatos mais bem colocados nas pesquisas: Celso Russomano (Republicanos), Bruno Covas (PSDB), Guilherme Boulos (PSOL) e Márcio França (PSB).

Participaram do debate os candidatos Jilmar Tatto (PT), Andrea Matarazzo (PSD), Arthur do Val (patriotas), Joice Hasselman (PSL), Marina Helou (Rede) e Orlando Silva (PCdoB). O debate teve cinco blocos. 

Logo no início, a candidata Joice Hasselman (PSL) mostrou postura agressiva, criticando a ausência dos pleiteantes que figuram as quatro melhores colocações nas pesquisas.

“Quem foge de debate é frouxo, é covarde”, disse. Segundo a candidata, Russomano não compareceu ao debate para não explicar o “calote” em garçons e a delação da Odebrecht; Covas  por ter viajado; Boulos por medo de debater; e França, por “tremer ao ouvir meu nome”.

Leia Também:  Policial é morto durante assalto na Zona Leste de São Paulo

O candidato Jilmar Tatto, do PT, iniciou sua apresentação reforçando que conta com o apoio do ex-presidente Lula, e também alegou que Russomano e Covas fugiram do debate.

Segurança pública

A questão da segurança foi o principal ponto tocado pelo candidato do Patriotas. Segundo Arthur do Val, os prefeitos não podem ser “reféns de políticas ideológicas”, como, segundo ele, foi Bruno Covas (PSDB).

“Nós vamos transformar a GCM em polícia municipal. Temos que acabar com essa história de policial tendo vergonha de policial”, disse. O candidato também prometeu acabar com os bailes funks, segundo ele, com um “caminhão de água que derruba o traficante ou quem está fazendo o pancadão, danificando o equipamento de quem está atrapalhando o sono do trabalhador.

Educação

Jilmar Tatto (PT), foi perguntado sobre educação, e prometeu voltar com o passe livre estudantil “que Covas e Doria acabaram”, afirmou. Tatto afirmou ainda que irá voltar com o período de quatro horas de integração do bilhete único, que foi reduzido pela metade. “Uma maldade do mesmo nível daquela proposta do Russomano, de fazer o povo pagar por quilometragem”, complementou.

Em resposta, Joice Hasselman disse defender que todas as crianças retornem às salas de aula, desde que os pais queiram. “Aula em tempo integral. Criança vai ter aula em casa, com internet de qualidade, todas com tablet na mão, dois, três, até quatro professores na sala de aula.”

Leia Também:  Pastora viraliza ao mandar "meter mão na cara e pisar no pescoço de filho"; veja

Saúde

Perguntado sobre saúde, Mattarazo (PSD) afirmou que é preciso melhorar a questão de gerenciamento, como marcar consultas online e presencialmente. “Porque as UBSs ou Ama não podem trabalhar 7 dias por semana, 24 horas por dia?” Faremos os hospitais públicos fazerem os exames durante a madrugada. 

Esportes
O ex-ministro dos esportes do governo Lula, Orlando Silva (PcdoB), afirmou que criará o Bolsa Atleta. “Quando o atleta não tem recursos, o poder municipal pode ajudar. São Paulo é um celeiro de atletas. Eu quero trabalhar o esporte para todos, inclusive para as mulheres, com políticas específicas, incluindo também a terceira idade.”

Saneamento básico

Marina Helou, do Rede Sustentabilidade, reforçou a necessidade de um investimento expressivo em saneamento básico. “Cada real que investimos em saneamento, são 4 reais na saúde economizados.”

“São mais de 2 milhões de pessoas na cidade de São Paulo que convivem com esgoto não tratado. No meu governo, saneamento básico será prioridade absoluta. Podemos investir em obras descentralizadas, que gerem novas tecnologias de biocombustão, construir um plano factível para que tenhamos um plano”, alegou a candidata.

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA