TCE MT

Ouvidoria do TCE-MT recebe 112 chamados em 15 dias de trabalho remoto

Publicado


.

A Ouvidoria do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) recebeu 112 chamados em 15 dias de trabalho remoto, que está sendo realizado por prevenção aos riscos de contaminação pelo novo coronavírus (COVID-19). 

De 18 de março até a última sexta-feira (3), período em que am os trabalhos presenciais do TCE-MT e MPC estão suspensas, a Ouvidoria recebeu 112 chamados, sendo 51 finalizados por não cumprir requisitos de admissibilidade, 57 protocolados como denúncia e encaminhado para instrução técnica e 4 estão em análise. Os chamados foram feitos por e-mail ou pela ouvidoria online (acesse aqui). 

De acordo com o conselheiro e ouvidor-geral do TCE-MT, Isaías Lopes da Cunha, o resultado é positivo e a Ouvidoria tem o papel de avançar e estimular o controle social, além de integrar as demais ouvidorias municipais. 

“Estamos há um mês trabalhando na Ouvidoria-geral do TCE-MT, dando continuidade aos trabalhos e queremos avançar e contribuir para a melhoria na administração pública”, afirmou o conselheiro. 

Em relação ao trabalho remoto, praticado na maioria dos órgãos públicos e empresas privadas em virtude do isolamento social por prevenção aos riscos de contaminação pelo novo coronavírus, o conselheiro Isaías Lopes da Cunha avaliou que está sendo positivo. 

“Avançar nesse sentido passa pela mudança de cultura. No trabalho remoto, os colaboradores não têm o chefe direto monitorando seus horários e não podem ter o contato pessoal para tirar alguma dúvida naquele instante. Neste modo de trabalho, o telefone e o aplicativo whatsapp são ferramentas importantes para aproximar os colegas de trabalho e é nesse sentido que é importante avançar também no uso da tecnologia de informação e da comunicação”, disse. 

Atualmente, a Ouvidoria conta com seis canais para a população entrarem em contato: Ouvidoria Online (acesse aqui), Disque Ouvidoria, Telefone, e-mail, correspondência e presencial. 

A Ouvidoria é o espaço indicado para o cidadão registrar suas críticas, elogios, reclamações, sugestões, reivindicações, pedidos de informações e denúncias sobre os serviços prestados pela administração pública municipal e estadual.

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook
publicidade

TCE MT

Prefeitura de VG deve divulgar contratações emergências para combate à Covid-19

Publicado


.

O Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) determinou à Prefeitura de Várzea Grande, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, que divulgue todas as contratações ou aquisições emergências para o combate ao novo coronavírus (Covid-19) no prazo de 48 horas. A medida cautelar, publicada no Diário Oficial de Contas desta quinta-feira (28), foi concedida pela conselheira Jaqueline Jacobsen.

A Representação de Natureza Interna, com pedido de medida cautelar, foi proposta pela Secretaria de Controle Externo de Saúde e Meio Ambiente do TCE-MT, que apontou falta de transparência nas contratações emergenciais da Secretaria de Saúde de Várzea Grande. Em consulta ao Portal Transparência e no sítio eletrônico do Executivo Municipal, a equipe técnica constatou a inexistência de publicidade dos contratos emergenciais para aquisição de bens e serviços relacionados ao enfretamento da Covid-19.

Na decisão, a relatora determinou ainda que sejam divulgados no site da Prefeitura de Várzea Grande informações relacionadas ao nome do contratado, número da inscrição na Receita Federal, prazo contratual, objetos e quantidades licitados, valor e prazos individualizados dos itens contratados, número do processo de contratação ou aquisição, fonte de custeio da contratação, razão da escolha da empresa e da justificativa do preço contratado, bem como contrato e documentos de empenho, liquidação e pagamento.

Jaqueline Jacobsen salientou que a ampla transparência nas contratações tem respaldo nas Leis Federais 13.979/2020 e 12.527/2017, bem como que a demora em sua efetivação pode acarretar novas contratações sem a regular prestação de contas, resultando em dano irreparável e de difícil reparação aos cofres da municipalidade.

“A Lei de Acesso à Informação tem sido considerada como um marco alcançado pela governança eletrônica, tornando possível o acesso da população à informação acerca dos gastos públicos, o que, evidentemente, tende a desburocratizar a máquina pública, consolidando o exercício do controle social”, sustentou a relatora.

O Julgamento Singular N° 404/JJM/2020 ainda será analisado pelo Tribunal Pleno, que decidirá pela homologação ou não da medida cautelar.

 

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
(65) 3613 7559

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook
Continue lendo

TCE MT

Pleno homologa medida cautelar que suspendeu dispensa de licitação de Rondonópolis

Publicado


.

Por unanimidade, o Pleno do Tribunal de Contas de Mato Grosso (TCE-MT) homologou, na sessão plenária remota de terça-feira (26), a medida cautelar que suspendeu, temporariamente, a dispensa de licitação nº 38/2020 da Prefeitura de Rondonópolis. A contratação previa o montante de R$ 597 mil para compra de produtos de limpeza destinados ao combate à pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

Relatada pelo conselheiro Ronaldo Ribeiro, a Representação de Natureza Interna, com pedido de medida cautelar, foi proposta pelo Ministério Público de Contas (MPC) por indícios de sobrepreços que podem superar 400% e indicativos de que a dispensa de licitação da prefeitura desobedeceu a dispositivos constantes da Lei n.º 13.979/2020, no que concerne à apresentação de justificativa plausível quanto aos valores de referência utilizados para a contratação.

O objeto da dispensa tratou da aquisição de materiais de limpeza como água sanitária, desinfetante, detergente, sabão em pó, sabonete líquido, limpador, saco para lixo de 100 litros e saco para lixo hospitalar.
Em seu voto, o relator assinalou que o Executivo Municipal apresentou somente um orçamento base, uma vez que o outro que foi juntado posteriormente encontra-se rasurado. “Portanto, inutilizável para tão relevante ato administrativo que é a formação da cesta de preços aceitáveis. Ressalta-se, ainda, que o único orçamento utilizado foi o da empresa que posteriormente sagrou-se vencedora da dispensa”, apontou.

Ainda conforme Ronaldo Ribeiro, além da insuficiência de orçamentos juntados à instrução processual, a partir da reanálise, por parte do MPC, dos valores praticados em lojas virtuais especializadas no fornecimento dos objetos contratados, restou demonstrado que os valores apurados referentes a determinados itens contratados estão acima dos praticados no mercado.

“No caso em análise, o periculum in mora consiste na iminente possibilidade do sobrepreço se transformar em superfaturamento com a realização de pagamentos à empresa, haja vista que a adjudicação e a contratação já foram efetivadas”, sustentou.

A medida cautelar homologada na sessão desta terça-feira havia sido concedida no Julgamento Singular N° 367/RRO/2020, publicado no Diário Oficial de Contas (DOC) de 15 de maio.

Clique aqui e confira o vídeo completo do julgamento.

Secretaria de Comunicação/TCE-MT
(65) 3613 7559

Fonte: TCE MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana