PET

Morre Lupo, o cachorrinho do príncipe Willian e de Kate Middleton

Publicados

em


source
Príncipe George e o cãozinho Lupo
Divulgação

Príncipe George e o cãozinho Lupo


O Palácio de Kensington anunciou neste domingo (22) que morreu o cachorrinho Lupo, que pertencia à família real do príncipe William e Kate Middleton. A conta oficial no Instagram comunicou a partida do cão de estimação, da raça cocker spaniel.

“Infelizmente, no final da semana passado, nosso querido cachorro Lupo faleceu. Ele tem estado no coração de nossa família nos últimos nove anos e vamos sentir muito a sua falta”, informou o palácio, que postou a foto de Lupo. 

Lupo era presença constante nas fotos oficiais de William e Kate. O primogênito do casal, príncipe George, era muito apegado ao cãozinho. Lupo chegou à família no início de 2012 e nasceu de uma ninhada de Ella, o cachorro da família de Kate, propriedade dos pais, Michael e Carole Middleton.

Na família real, os cães são tratados com o mesmo respeito que os membros da família. Os corgis da rainha Elizabeth II têm até seu próprio menu especial.

Veja o comunicado do palácio de Kensington:


Fonte: IG PET

Leia Também:  Ao imitar feição do Gato de Botas, felino viraliza na web
Propaganda

PET

Nove coisas que você provavelmente faz no dia a dia e seu gato odeia

Publicados

em


source
gatinho
FreePik/Wirestock

Você pode ter certas atitudes que estão mais irritando do que agradando seu gato

Se o seu gatinho pudesse falar , ele diria para você parar agora com algumas atitudes que podem parecer inofensivas ou um ato de carinho, mas que incomodam demais os bichanos. 

A revista Reader’s Digest conversou com especialistas em comportamento animal e reuniu uma lista com essas atitudes bem comuns de donos de gato, mas que, na verdade, os bichinhos odeiam. Entenda o que você deve parar de fazer agora mesmo e os motivos disso.

1. Carinho na barriga

Cães geralmente gostam de carinho na barriga , mas isso pode incomodar bastante seu gato. Segundo Yvette Berke, diretora do Little Angels Project, os gatos têm a região abdominal bastante sensível e tendem a morder quem faz carinho no local como uma forma instintiva de proteger seus órgãos vitais. 

Russell Hartstein, especialista em comportamento animal, sugere fazer carinho nas bochechas e na lateral da cabeça do gato. Isso geralmente deixará o animal tranquilo e aconchegado. 

2. Mudanças na rotina

Segundo os especialistas consultados pela revista, gatos gostam de rotina. Portanto, nada de mudanças que podem parecer simples, como trocar o lugar da caixa de areia. 

Entretanto, em alguns momentos a mudança é inevitável. A chegada de um bebê ou a mudança de casa podem gerar um grande impacto para os bichanos. A dica é, como diz Sakura Davis, veterinária técnico e consultora do CatPet.club, adaptar o gatinho aos poucos a qualquer novidade. Nada deve ser feito bruscamente, da noite para o dia ou isso pode gerar um trauma no gato. 

3. Perfume e aromatizantes pela casa

Para os humanos pode ser uma delícia ter a casa perfumada ou usar aquele aromatizante em alguns cômodos, mas seu gato provavelmente não ficará feliz com isso. 

Assim como a região abdominal, o nariz do gato é extremamente sensível. “Os cheiros podem causar enjoo e até atrapalhar o apetite do animal”, comenta Davis. Se fizer questão de usar esses aromas, a sugestão é borrifar apenas em cômodos onde o animal não costuma ir e dar preferência aos mais naturais possíveis. 

Leia Também:  Casinha de cachorro com ar condicionado viraliza no Twitter

4. Música para relaxar

Como é bom chegar de um dia estressante em casa e ligar uma música em alto e bom som para relaxar. Para você, sim, mas não para seu gato. Orelhas também são bastante sensíveis e sons altos – seja música ou barulho – incomodam os bichanos. 

“Qualquer mudança relacioandas a essas áreas sensíveis (estômago, nariz e orelhas) podem causar estresse e ansiedade”, reforça o especialista em comportamento animal. “E aqui não estamos falando apenas de música. Até seu tom de voz elevado ou o choro de um bebê podem deixar os gatos nervosos”, completa. 


5. Brincar com o rabo do gato

Esse alerta é mais direcionado para quem tem crianças também em casa: não brinque com o rabo do gato! Tanto a cauda quanto o bigode, como explica um dos veterinários consultados pela revista, permitem que o animal sinta o ambiente e coisas que estão ao seu redor. Portanto, brincar o rabo do bichano será um aborrecimento e tanto para ele, que pode se tornar agressivo. 

6. Roupinhas e acessórios

Os animais podem ficar uma fofura com roupinhas e acessórios, nós sabemos, mas se tiver um gato, é melhor evitar esses itens . Essas peças costumam restringir os movimentos do pet, deixando-os desconfortáveis. 

Insistir nessa ideia, segundo Davis, pode criar um mal estar com o animal. “Eles podem criar um sentimento de ressentimento em relação ao tutor”, comenta a veterinária. E provavelmente você não quer um gatinho ressentido com você. 


7. Pegar no colo

Sim, isso também está na lista de coisas que seu gato gostaria que você não fizesse. Apenas você só quer dar um pouco de carinho ao animal, que mal há nisso? Vale entender se o gato quer esse carinho naquele momento ou se é só você quem está interessado. 

Leia Também:  Oito pitbulls super fofos que vão mudar a sua visão sobre eles

Mas calma, nada de esquecer o animalzinho. Como diz Mikel Delgado, mais um especialista em comportamento felino, se aproxime do gato e deixe que ele dê o primeiro passo. “Sabemos, através de estudos, que quando deixamos o gato tomar a iniciativa em uma interação com humano, essa interação dura mais e é mais positiva para o animal”, comenta Delgado. 

8. Insistir no banho

Não há motivo algum para insisitir em dar banhos com água e shampoo em gatos. “Gatos são muito eficientes em se limpar, a não ser que sejam obesos, idosos ou tenham alguma condição que os impeçam de fazer isso”, afirma Davis. Portanto, se seu gato é saudável, fique longe dos banhos, para o conforto do gato e o seu também – ninguém quer correr o risco de levar umas arranhadas de um gato bravo à toa. 


9. Descuidar da rotina de limpeza

Não é porque não vai dar banho no gato que pode se esquecer da rotina de higiene e limpeza dele. Os veterinários ressaltam a importância de deixar a caixa de areia limpa, por exemplo. “A rotina inadequada de limpeza pode resultar em problemas ao urinar e defecar. Recomendo limpar uma ou duas vezes por dia o local”, fala Steve Jolin, outro especialista em felinos. 

Além disso, Jolin ressalta que o tutor deve se atentar para a saúde bucal do animal. “A saúde dental é uma questão comum nos consultórios e a falta de cuidado pode levar a dor, perda de dentes e até doenças sistêmicas”, alerta. “Escove os dentes do gato diariamente para diminuir os riscos de doenças dentais”, completa. 

Fonte: IG PET

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA