Polícia Federal

PF investiga desvio de recursos públicos do auxílio federal para enfrentamento ao Covid-19

Publicado


.

Manaus/AM – A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta terça-feira (30/6), a Operação Sangria, inaugurando a fase ostensiva de inquérito policial, por meio do qual são investigados fatos relacionados a possíveis práticas de crimes, como pertencimento a organização criminosa, corrupção, fraude a licitação e desvio de recursos públicos federais.

A ação de hoje visa cumprir mandados judiciais expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo 20 mandados de busca e apreensão e 8 de prisão temporária, e conta com a cooperação do Ministério Público Federal (MPF), da Controladoria Geral da União (CGU) e da Receita Federal do Brasil (RFB).

No inquérito, constam provas e indícios, revelando o desvio de recursos públicos federais, os quais eram destinados ao sistema hospitalar estadual, em razão da emergência de saúde pública provocada pelo novo coronavírus. O desvio das verbas federais mencionadas ocorreu mediante fraude na contratação de empresa para fornecimento de respiradores.

Evidenciou-se o direcionamento da compra para empresa, cuja atividade era/é a comercialização de vinhos. Os ventiladores mecânicos hospitalares entregues ao Estado do Amazonas, pela referida empresa, não possuíam as especificidades técnicas necessárias para a adequada utilização no tratamento médico. Ademais, foi detectado o superfaturamento do preço do equipamento.

Laudo pericial produzido pela PF constatou que, se considerado o valor máximo de mercado dos equipamentos, o sobrepreço praticado em cada unidade dos ventiladores mecânicos adquiridos corresponderia a mais de R$ 60 mil, ou seja, 133,67% a mais em relação ao valor de mercado, totalizando a quantia de quase R$ 2 milhões sob suspeita de desvio.

Além disso, a investigação policial identificou que a verba pública federal transferida à empresa contratada foi, em seguida, remetida à conta bancária no exterior, pertencente a uma outra pessoa jurídica, aparentemente de fachada, havendo indícios de possível prática de crime de lavagem de dinheiro.

Os indiciados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação, peculato, pertencimento à organização criminosa e lavagem de dinheiro, e, se condenados, poderão cumprir pena de até 30 anos de reclusão.

O nome da operação é uma alusão às suspeitas de que uma revendedora de vinhos tenha sido utilizada para desviar recursos públicos que deveriam ser destinados ao sistema de saúde.

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Amazonas

Fone: (92) 3655-1548

E-mail: [email protected]

Comentários Facebook
publicidade

Polícia Federal

PF prende suspeito de atuar na logística do garimpo em terra indígena ianomâmi

Publicado


.

Boa Vista/RR – A Polícia Federal prendeu em flagrante, nesta sexta-feira (3/7), um suspeito de atuar na logística aérea para apoio a atividades de mineração ilegal em reserva indígena ianomâmi e de ser proprietário de garimpo na região.

O homem foi preso em Boa Vista/RR com mais de dois quilos de ouro, durante o cumprimento de um mandado de busca, expedido pela 2ª Vara da Justiça Federal em Roraima.

O inquérito policial apura a abertura de pistas clandestinas localizadas no município de Alto Alegre/RR, das quais dependeriam as atividades ilícitas relacionadas ao garimpo que ocorreria na reserva indígena, bem como as atividades clandestinas de radiofonia e transporte irregular de combustível e dos próprios garimpos. As investigações seguem em andamento.

O suspeito, que já foi alvo de outras quatro ações da Polícia Federal, possui uma condenação pelo crime de genocídio e poderá responder, em razão da prisão de hoje, pelo crime de usurpação de patrimônio da União, com pena de até 5 anos.

O preso foi encaminhado ao sistema prisional, onde permanece à disposição da Justiça.

 

Comunicação da Polícia Federal em Roraima.
Contato: (95) 3621-1500
[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

Polícia Federal

PF prende suspeito de participar de diversos assaltos a agências dos Correios no ES

Publicado


.

Vila Velha/ES – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira, 3/7, após dez meses de investigação, a Operação Aplicativo Francês, com o objetivo de cumprir mandado de prisão, expedido pela Justiça Federal de Vitória, em face de assaltante dos Correios. A operação contou com a participação de dez policiais federais.

A ordem judicial foi cumprida na residência do envolvido, localizada no bairro das Laranjeiras, no município da Serra. O investigado também responde por crime de homicídio.

ENTENDA O CASO

O cidadão, de 20 anos, participou de roubos a agências dos Correios do Espírito Santo, entre setembro de 2019 e abril de 2020. Até o momento, foi comprovada sua participação em quatro roubos neste período, quais sejam, Serra Sede (26/09/2019), Mimoso do Sul (22/10/2019), Marataízes (07/11/2019) e Alegre (11/11/2019). Ele também é suspeito de coordenar a ação criminosa, providenciando veículos e armas de fogo, sem entrar na agência em três outros roubos: Aracruz (09/01/2020 e 17/03/2020) e João Neiva (14/04/2020).

Boa parte dos participantes destes crimes já se encontram presos e as diligências continuam para identificar os últimos assaltantes envolvidos nos casos.

CRIMES INVESTIGADOS

O investigado responderá pelo crime de roubado qualificado, previsto no art. 157, § 2º, incisos II e V, e §2º-A, inciso I do Código Penal, cujas penas somadas poderão chegar a 16 anos de reclusão por cada roubo.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana