Momento Destaque

PF investiga fraudes na emissão de laudos para registro e porte de armas de fogo

Publicado

source
Dois homens com armas de fogo na cintura arrow-options
Wikimedia Commons
A Polícia Federal está fazendo buscas em 130 locais

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (24) uma operação que investiga a emissão de laudos fraudulentos para registro e porte de armas de fogo . De acordo com comunicado, há fortes indícios de falsidades ideológicas na emissão de laudos, além de formação de quadrilhas.

Leia também: Christian: homem, jovem, negro e morto pela polícia

Segundo a PF, 130 locais recebem equipes de fiscalziação. A operação ocorre simultaneamente em 72 locais. Essa é considerada a maior fiscalização de instrutores de armamento e tiro já realizada no estado de São Paulo.

A investigação teve início em fevereiro de 2019 após análise de dados inseridos no Sinarm e laudos apresentados nos pedidos de registro de arma de fogo.

“Para obtenção dos laudos, o interessado em adquirir ou portar arma de fogo pagava valores fora dos usuais praticados no setor”, afirma o comunicado.

A operação, segundo a PF, visa garantir que o serviço prestado por estes profisisonais credenciados esteja em plena conformidade com as normas vigentes, assim como identificar eventuais desvios ou fraudes na emissão de laudos de capacidade técnica para aquisilção de armas de fogo.

“É de suma importância que os interessados em adquirir arma de fogo tenham o adequado conhecimento para utilização e manuseio seguro do armamento pretendido. O profissional responsável por avaliar e atestar esse conhecimentoé o instrutor credenciado pela Polícia Federal. Daí a relevância de que sua atividade seja exercida dentro dos rigorosos parâmetros normativos vigentes”, afirma a PF.

Leia também: MP pede à Justiça que réus do caso Marielle fiquem em presídios separados

A operação é realizada pela Delegacia de Controle de Armas e Produtos Químicas em conjunto com o Grupo de Armamento e Tiro da Superintendência Regional de Polícia Federal.

Comentários Facebook
publicidade

Momento Destaque

Coreme divulga segunda chamada para o Programa de Residência Médica

Publicado

A lista de segunda chamada está disponível no site da prefeitura

A Comissão de Residência Médica de Lucas do Rio Verde (Coreme) divulgou nesta quarta-feira (19) a segunda chamada para o Programa de Residência Médica. Dos candidatos, seis foram aprovados e 24 classificados para a especialização em Medicina de Família e Comunidade.

A lista de segunda chamada está disponível no site da prefeitura, no link:

 https://www.lucasdorioverde.mt.gov.br/arquivos/publicacoes/698/2_chamada_2020.pdf.

A Comissão de Residência Médica de Lucas do Rio Verde informa que o programa tem duração de dois anos e os médicos aprovados receberão a bolsa ofertada pelos Ministério da Educação e Saúde e bolsa de incentivo da Secretaria Municipal de Saúde no valor de R$ 8 mil. A proposta do programa é formar profissionais com conhecimentos e habilidades em prevenção, diagnóstico precoce, tratamento e recuperação dos agravos mais frequentes, buscando altos índices de resolutividade na Atenção Primária a Saúde.

As dúvidas referentes ao processo seletivo poderão ser sanadas por e-mail: [email protected] ou por telefone (65) 3548-2304.

Fonte: Prefeitura

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento Destaque

Crise EUA x Irã: O esboço de uma guerra de inteligência

Publicado

Para debater a recente questão entre os EUA e Irã é importante começar avaliando o passado político e diplomático que envolve os dois países ao longo da história. EUA, outras potências e Irã, assinaram, ainda durante o Governo Obama, um acordo para impedir o país do oriente médio desenvolvesse programa nuclear contra Israel – uma meta pública do Governo iraniano.

Esse acordo não previu nenhuma cláusula de restrição ao Irã, no que diz respeito à expansão do regime Xiita para outros países, em particular para aquela área do Oriente Médio, em que o Irã tem interesse em expandir a sua atuação. Esse fato acabou levando o presidente Donald Trump a adotar várias medidas tentando fazer o Irã limitar a sua atuação fora do seu território. Porém, não era a interação do Irã fazer isso.

Com o decorrer do tempo, os EUA viram que os bilhões de dólares investidos e as facilidades econômicas concedidas ao Irã durante a gestão Obama, estavam sendo menos utilizados para benefício da população iraniana e mais para preparação de armamentos capazes de transformar o país em uma potência militar. Esta medida conferiria ao Irã o poder de influenciar, através de uma agenda revolucionária, ações no Líbano, na Síria, no Iraque e em outros países da região.

Enxergando além da aparência diplomática, o governo americano deixou o acordo e iniciou pressões econômicas mais fortes contra o Irã, que perdeu fôlego na sua própria sobrevivência econômica. Essa medida impões ao Irã a opção de sentar à mesa para negociar novos termos ou para limitação do seu próprio expansionismo político na região ou, contrariamente aos EUA, frear o expansionismo Iraniano.

O general Qassem suleimani, considerado a segunda pessoa mais forte do país, entendeu que o mais adequado para o Irã seria criar uma série de ações belicosas, por parte do Irã, para através delas buscar um acordo com os EUA que fosse mais favorável ao Irã. E como disse o próprio presidente americano Donald Trump, o Irã nunca ganhou uma guerra, mas sempre venceu todas as batalhas diplomáticas e sempre fez os melhores acordos.

O que aconteceu com isso é que ele passou a iniciar uma série de ações que viessem de alguma forma a forçar aos EUA a essa posição. Então foram iniciados uma série de atentados contra navios americanos e outros navios na região. A derrubada de um drone americano fora da área do Irã. E entre outras ações, a preparação para ser feita uma nova Benghazi no Iraque.

Acompanhamos na imprensa a invasão dos seguidores do general Solimani na área verde onde está a embaixada americana. Buscando verificar um mínimo de resistência para lá criar um novo Benghazi. Esse era um plano que todos sabiam. E sendo feito isso eles tomariam a embaixada americana e os reféns americanos. E tentariam forçar, dessa maneira, aos EUA que negociassem a libertação dos seus cidadãos e dos reféns por conta de uma política menos severa com o Irã, particularmente nas restrições econômicas.

Ao notar esse plano, logicamente conhecido e amplamente divulgado, o Presidente americano Donald Trump entendeu que esta negociação, próxima e futura, deveria ser feita com reféns já obtidos pelo Irã e que o país deveria ser paralisado através de uma ação enérgica de liquidação e morte desse general.
Esse olhar histórico é fundamental para entendermos que isso é uma guerra política muito mais travada no campo da inteligência do que propriamente na configuração de ações armadas. Ações armadas apenas conduzidas para pressionar por um acordo.

Feita a intervenção americana, em minha opinião, até bastante cirúrgica, apenas com a morte do general, sem danos colaterais, o efeito foi o levante, primeiramente, dos seguidores do general no próprio Irã e em seguida a busca forçada por apoio da Europa na condenação do atentado americano. Logicamente que o que está em jogo não é exatamente a morte do general, mas sim toda uma política, uma geopolítica de dominação do Oriente Médio.

Nesse jogo de inteligências, a Europa acabou entendendo que se ela seguisse numa linha de condenação Americana deporia contra Si, tendo ao final, que aceitar o aumento do preço do petróleo e as consequências do fortalecimento econômico do Irã. Uma atitude, tomada muito rapidamente em termos políticos, que obrigou o Irã a moderar suas reações.

É primordial ressaltar a política de negociação leonina que Donald Trump adota, desde que iniciou a gestão. Sendo este, o ano da corrida à reeleição, contar com o apoio popular massivo, não obstante às tentativas democratas de encontrar irresponsabilidade no ato do Presidente, o próprio partido Democrata não cogitou a situação como antiamericana particularmente.

Por Carlos Barbieri – Analista político e economista

 

Comentários Facebook
Continue lendo

Momento MT

Momento Nacional

Momento Esportes

Momento Entretenimento

Mais Lidas da Semana