POLÍCIA FEDERAL

PF investiga saque fraudulento em FGTS

Publicados

em


.

Goiânia/GO – A Polícia Federal deflagrou hoje (17/09) a Operação Adikia, objetivando combater fraude do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço de valores que deveriam ser destinados a construção de casas habitacionais em Teresina/PI.

Cerca de 60 policiais federais estão dando cumprimento a 15 mandados judiciais expedidos pela Justiça Federal de Anápolis/GO, sendo 14 mandados de busca e apreensão e 1 mandado de prisão, além de mandados de sequestro de imóvel em condomínio de luxo e veículos automotores, avaliados em aproximadamente 2 milhões de reais.

 A investigação identificou que um então advogado e principal investigado (atualmente com suas inscrições na Ordem dos Advogados de Goiás e São Paulo canceladas) ingressou com ação judicial, utilizando-se de uma falsa representação (atuando sem procuração) e, com argumentos fictícios e fraudulentos, obteve a transferência de aproximadamente R$ 5 milhões para uma conta judicial em Corumbá de Goiás/GO. Posteriormente, foram transferidos para a conta bancária dele, sendo os valores pulverizados, a partir de então, para diversas outras contas.

 A presente etapa da operação contribuirá com a identificação de outros possíveis autores e partícipes que eventualmente colaboraram com o crime principal, bem como com o destino dado aos recursos públicos ilicitamente apossados, seja por meio de transferências para terceiros, aquisição de bens ou incorporação patrimonial.

Leia Também:  PF, ação conjunta, apreende veículos carregados com cigarros paraguaios

Será realizada coletiva de imprensa às 10h00, no auditório da Superintendência Regional da Polícia Federal em Goiás.

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Goiás

[email protected] | www.pf.gov.br

(62)3240-9607

(62)99216-6260

 

***O nome de operação faz alusão à personificação da injustiça, representada na mitologia grega por uma Deusa.

 

Mandados de Busca e Apreensão em Goiás:

– 9 em GOIÂNIA

– 1 em ITUMBIARA

– 1 em ANÁPOLIS

 

1 Mandado de Prisão em Goiânia

 

Mandados de Busca e Apreensão em São Paulo:

– 1 em SÃO JOSÉ DO RIO PRETO

– 1 em CARDOSO

– 1 em VOTUPORANGA

 

Bens Sequestrados

– 1 casa de luxo em condomínio fechado (1.250 milhões);

– 1 chácara em Aparecida de Goiânia/GO;

– 3 caminhões ( 2 ano 2019 – 350 mil cada; 1 ano 2010/11 – 150 mil);

– 1 BMW X6 (110 mil)

 

 

 

Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF desarticula associação criminosa voltada à exploração e ao comércio ilegal de diamantes

Publicados

em


.

Vilhena/RO – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (24/9) a denominada Operação Crassa, que tem como tem como objetivo desarticular organização criminosa dedicada à exploração e ao comércio ilegais de diamantes extraídos ilegalmente da Terra Indígena Roosevelt, em Rondônia.

Estão sendo cumpridos 53 mandados de busca e apreensão em 7 diferentes estados da federação e no Distrito Federal, todos expedidos pela 3ª Vara Criminal da Subseção Judiciária de Rondônia. Além das buscas, foi determinado pelo juízo o sequestro de bens imóveis.

Para o cumprimento dos mandados, foi mobilizado um efetivo de cerca de 150 policiais federais, distribuídos entre os estados de Rondônia, Mato Grosso, Minas Gerais, Paraná, Piauí, Roraima, São Paulo e o Distrito Federal.

A investigação teve início em 2018, com a prisão em flagrante de três indivíduos em posse de diversas pedras de diamante, que haviam se deslocado de São Paulo a Rondônia para adquiri-las. Na ocasião, admitiram que os diamantes eram da Reserva Roosevelt.

Durante as investigações, houve êxito na identificação do esquema criminoso, que conta com a participação de garimpeiros, lideranças indígenas, financiadores do garimpo, avaliadores, comerciantes e intermediadores, que estabelecem a conexão entre os fornecedores e o mercado consumidor nacional e internacional.

Leia Também:  PF deflagra Operação Garrote contra o desvio de verbas públicas na Saúde

Dentre os crimes investigados estão organização criminosa, usurpação de bens da União e lavagem de dinheiro.

O termo Crassa remete ao estado bruto dos diamantes, tendo sido identificado no início das investigações a referência Bruto ao lado dos contatos relacionados a garimpeiros e intermediários do comércio ilegal do mineral na agenda dos indivíduos presos em flagrante.

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal em Rondônia/RO

Contato (69) 3216-6242

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA