POLÍCIA FEDERAL

PF prende funcionário da CEF por fraude no auxílio emergencial

Publicados

em


Rio de Janeiro/RJ – Nesta terça-feira, 13/10, a Polícia Federal prendeu em flagrante um funcionário de uma agência da Caixa Econômica Federal, no Leblon, Zona Sul do Rio, por fraude no auxílio emergencial do Governo e desvio de verbas cartorárias da CEF, para pagamentos de contas pessoais.

A ação contou com o apoio do Núcleo de Inteligência da instituição bancária, que, junto com a PF, já investigava o servidor desde o pagamento da 1ª parcela do auxílio, após perceber algumas movimentações suspeitas.

O homem foi conduzido à Superintendência Regional da Polícia Federal no Rio de Janeiro, onde foi lavrado o Auto de Prisão em Flagrante por desvio de verbas do auxílio emergencial.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Rio de Janeiro

[email protected] | www.pf.gov.br

(21) 2203-4404 / 4405 / 4406 / 4407

Leia Também:  PF apreende eletrônicos contrabandeados no âmbito da Operação Hórus e Programa VIGIA
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF investiga irregularidades em contratação realizada por Órgão público no Espírito Santo

Publicados

em


Vila Velha/ES – A Polícia Federal deflagrou hoje (20/10) a Operação “Folha de Conto”, com o objetivo de investigar o desvio de recursos públicos por empresa contratada pelo DNIT para a prestação de serviços de supervisão das obras na BR 262, no Espírito Santo.

A operação contou com a participação de cinco policiais federais, sendo realizado o cumprimento de um mandado de busca e apreensão, em Belo Horizonte/MG, na sede da empresa investigada.

 

ENTENDA O CASO

 

De acordo com as investigações, a empresa contratada pelo DNIT apresentava ao Órgão comprovantes de serviços prestados com informações falsas. As medições dos serviços de fiscalização eram fraudadas através da inserção de dados falsos sobre a quantidade de prestadores de serviços da empresa e o número de veículos empregados no trabalho.

Após identificação de irregularidades na execução do contrato, foi realizada fiscalização que emitiu Nota Técnica estimando um prejuízo de cerca de R$ 615 mil (a preço inicial) causado pela empresa investigada junto à autarquia contratante.

Leia Também:  PF cumpre sete mandados no Rio de Janeiro na 77ª Fase da Operação Lava Jato

Apura-se ainda, se as testemunhas dos fatos investigados foram ameaçadas para que prestassem informações inverídicas à Polícia Federal.

CRIMES INVESTIGADOS

Se comprovadas as informações até o momento levantadas, os investigados responderão pelo delito de peculato, art. 312 do Código Penal , cuja pena varia de 2 (dois) a 12 (doze) anos de reclusão, e ameaça, art. 147 do Código Penal, cuja pena varia de (01) um a 6 (seis) meses de detenção.

Art. 312 – Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio:

Pena – reclusão, de dois a doze anos, e multa.

Art. 147 – Ameaçar alguém, por palavra, escrito ou gesto, ou qualquer outro meio simbólico, de causar-lhe mal injusto e grave:

Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa.

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Espírito Santo

Telefone: (27) 3041-8051/8029

 

*** O nome da operação é um trocadilho com folha de ponto, pois na verdade a empresa investigada apresentava folha de ponto com informações falsas à autarquia federal contratante do serviço, ou seja, incluía nas medições encaminhadas ao órgão público contratante folhas de ponto de funcionários que não estavam de fato prestando serviços no local.

Leia Também:  PF apura irregularidades na contratação de alimentação hospitalar em Macapá/AP

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA