POLICIAL

ex-Servidor público é preso acusado de embriagar e estuprar duas adolescentes numa chácara na Capital

Publicados

em

Ex-servidor público comissionado da prefeitura de Cuiabá C.H.M.S. foi preso nesta quarta-feira (22) por estuprar duas adolescentes.

Os abusos ocorreram quando o suspeito ainda ocupava a Secretaria de Governo Municipal, em março deste ano.

O servidor utilizava de sua função pública para conquistar os familiares das vítimas. Na data do abuso, no dia 11 de março, o servidor teria embebedado duas menores – que são primas – e cometido os abusos em uma chácara do assentamento Monte Sinai, mesmo local onde foi preso nesta quarta-feira.

A prisão foi realizada após autorização da Justiça, que levou em consideração as investigações da Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

As investigações iniciaram em março, quando o suspeito estuprou das adolescentes de 12 anos, ocasião em que disse que levaria as meninas para ver uma vaga de emprego de menor aprendiz.

No dia dos fatos, com autorização da família, o suspeito buscou as duas primas em casa e as levou para um curso de menor aprendiz.

Leia Também:  Covardia: Homem de 33 anos é preso em Lucas do Rio Verde MT acusado de agredir uma bebê de 04 anos

Na saída do local, o suspeito passou em um supermercado atacadista, onde comprou bebida alcoólica que ofereceu para as menores, tipo “ice”, dizendo ser sem álcool.

Ele então levou as menores para uma chácara no assentamento Monte Sinai, na região do bairro Altos da Glória, local onde teriam ocorrido os abusos.

As vítimas ficaram desacordadas no local e quando acordaram estavam com os zíperes das roupas abertos. O suspeito ainda pediu para que as adolescentes tomassem banho antes de levá-las para casa.

Após a comunicação dos fatos, foi dado início as diligências, sendo solicitado os exames periciais das menores, que deram positivo para conjunção carnal, porém negativo para uso de algum tipo de droga, indicando somente a ingestão de álcool.

As investigações seguem em andamento para possível identificação de outras vítimas, uma vez que o suspeito utilizava do cargo e da confiança das famílias para chegar até as vítimas e praticar os abusos.

Outro lado

A prefeitura de Cuiabá se manifestou por meio de nota sobre o caso. No comunicado, esclareceu que o suspeito foi exonerado de suas funções no dia primeiro de abril:

Leia Também:  Polícia Rodoviária Federal prende em flagrante motorista transportando 200 quilos de cocaína nos pneus de um caminhão em Rondonópolis no Mato Grosso

“O alvo de apuração policial exerceu cargo comissionado perante à Secretaria Municipal de Governo ocupando a função de assessoria;
Reforça que qualquer ato praticado fora de suas atividades administrativas no exercício do cargo de assessor são de completa responsabilidade do investigado;
O ex-servidor foi exonerado na data de 01/04/2022, conforme publicação na Gazeta Municipal;
O Executivo lamenta o ocorrido e reforça o compromisso de colaborar com a apuração instaurada.”

 

Otavio Ventureli(da Redação com Assessoria e GD)

POLICIAL

Mãe implora a presença de médico em UTI para acompanhar filho que sofreu acidente e recebe um “não”

Publicados

em

Aline Botelho, mãe de Lucas Botelho, de 18 anos, fez um desabafo nas redes sociais após o Hospital e Maternidade Santa Marcelina, em Sapezal, no Mato Grosso, não disponibilizar um médico para acompanhar seu filho em uma transferência para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do município até Cuiabá.

Lucas sofreu um grave acidente de moto na noite de quarta-feira (22) em Sapezal e chegou ao hospital desacordado, com sangramento no ouvido, febre e vômito. Segundo a mãe, a transferência era para ter ocorrido às 20h.

No post da denúncia, Aline afirma ter conseguido uma ambulância às 23h do mesmo dia para transferi-lo para a capital, porém um médico se negou a acompanhar Lucas e disse que só iria a partir das 7h30 da manhã do dia 24, quase 12 horas após o acidente.

Desesperada, a mãe entrou em contato com o prefeito de Sapezal Walcir Casagrande (PL), que “fez pouco caso”, segundo Aline, e a mandou fazer o que ela quisesse.

“O hospital não é do município e a responsabilidade é deles”, respondeu o prefeito enquanto a mãe aguardava desesperada pela remoção de Lucas.

Leia Também:  Polícia Civil cumpre 10 mandados em operação para apurar roubo de defensivos em Campo Verde

“Estou aflita com a situação do meu filho, é triste demais ver alguém nessa situação e o nosso prefeito fazer pouco caso”, desabafou Aline. “Estou de todas as formas implorando por ajuda nesse momento”.

Com a negativa de atendimento ao seu filho, Aline colocou o carro da família a venda na Internet na tentativa de custear o tratamento de Lucas em uma UTI.

De acordo com informações, Lucas foi transferido para a capital e está internando no Hospital Municipal de Cuiabá (HMC) e ainda aguarda uma vaga na UTI.

 

Otavio Ventureli(da redação com GD)

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA

Botão WhatsApp - Canal TI
Botão WhatsApp - Canal TI