POLICIAL

Secretaria de Saúde vai disponibilizar ambulância de apoio para pacientes vindos de Manaus

Publicados

em


Reprodução

Clique para ampliar

Um vôo da Força Aérea Brasileira  que vai levar pacientes de Manaus-AM para Uberaba-MG fará uma parada para abastecimento no aeroporto Marechal Rondon às 16h neste domingo (24). A Prefeitura de Cuiabá, por meio da Secretaria Municipal de Saúde -SMS vai disponibilizar uma ambulância de suporte avançado no local, caso haja alguma intercorrência durante o pouso técnico.

De acordo com informações enviadas para a SMS, o vôo sairá de Manaus às 14h, com 18 pacientes de COVID-19 em estado moderado, com o uso de oxigênio. Eles estarão acompanhados por 2 médicos e 4 enfermeiros. A previsão de chegada em Uberaba é 19h20, hora de Brasília.

A secretária municipal de Saúde, Ozenira Félix disse que caso seja necessário, também disponibilizará leitos de retaguarda nos hospitais de referência para COVID-19 da capital. “Este é um momento difícil para todos os brasileiros, sem exceção. Estamos vivendo uma pandemia, que atingiu a todos e precisamos trabalhar juntos para sairmos desta situação. Estamos colocando a nossa estrutura à disposição para estes pacientes caso haja algum problema durante a viagem. Felizmente estamos em condições de ajudar, pois ainda temos vagas nos nossos hospitais. Nossa missão é salvar vidas e não vamos medir esforços para isso”, concluiu.

Leia Também:  Por medidas de Biossegurança, Procuradoria reforça disponibilidade de atendimento via WhatsApp

Propaganda

POLICIAL

Mães relatam alívio por filhos conseguirem aplicação de medicamento de alto custo

Publicados

em


Gustavo Duarte

Clique para ampliar

Davi Lucca Maia Rodrigues, 6 meses, nasceu com hipoplasia do coração esquerdo, uma anomalia muito grave que compromete a oferta de sangue para o coração, que a mãe dele, a vendedora Roseli Barbosa Maia, descobriu no quinto mês de gestação. Segundo ela, ainda na gravidez, o médico que a acompanhou no pré-natal disse que seu filho teria que nascer em outra capital porque senão, não viveria mais do que duas horas após o parto. “Tive muita fé e com 6 dias de vida dele, fomos para São Paulo fazer uma cirurgia, uma bandagem nos ramos pulmonares e a colocação de um stent na válvula do coração”, conta Roseli. Durante a internação do filho, ela foi orientada pelo cardiologista que o filho deveria ser medicado com a imunoglobulina Palivizumabe, medicamento de alto custo (em média R$ 5 mil a dose no mercado) que ajuda o sistema imunológico da criança a se prevenir contra doenças respiratórias.

Ao retornar para Cuiabá, Roseli continuou o tratamento cardiológico do filho e, com o início da sazonalidade do vírus sincicial respiratório (VSR), conseguiu os encaminhamentos necessários junto ao cardiologista Alessandro Gonçalves, que atende no Centro de Especialidades Médicas (CEM), da Secretaria Municipal de Saúde, e deu entrada no pedido para aplicação da imunoglobulina em seu filho, que recebeu a primeira das cinco aplicações na quarta-feira (24). “Foi muito rápido! Entrei com o pedido segunda-feira passada (15) e hoje ele já está tomando a vacina. Fiquei muito feliz de ter conseguido. Tudo o que for para ajudar a saúde do meu filho é bem-vindo”, disse esperançosa de que o filho não terá que enfrentar novas internações.

Leia Também:  Um dia após morte do tio, Pinheiro lamenta falecimento de sua tia também pela COVID-19

Quem já passou pela experiência com o filho de ter a assistência da aplicação do Palivizumabe por parte da Secretaria Municipal de Saúde é a dona de casa Enielza dos Santos, mãe de Elias dos Santos Magalhães de Souza, 1 ano e 11 meses. Em 2020, ele recebeu cinco doses da imunoglobulina de forma totalmente gratuita e, neste ano, ele tomou sua primeira e última dose, uma vez que a aplicação pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é garantida até a idade em que Elias está atualmente. 

De acordo com Enielza, o filho já nasceu com cardiopatia e foi submetido à cirurgia aos 10 meses de idade. Desde então, ele passou a sempre sofrer com gripes e resfriados. “Qualquer ventinho que ele pegava já ficava gripado. Ele não conseguia respirar, se debatia. Era desesperador!”, recorda. Mas ela também relembra que, logo que o filho passou a tomar a imunoglobulina Palivizumabe pela rede municipal de Saúde, o filho nunca mais sofreu com isso. “Parece que tirou com a mão. Depois da primeira dose, ele nunca mais ficou gripado. Olha, é Deus em primeiro lugar e depois o medicamento”, agradece a mãe de Elias. 

Leia Também:  Secretária de Saúde e equipe técnica se reúnem com Estado para solicitar doses de vacinas pendentes

Desde 2019, Cuiabá passou a ser um polo de aplicação da imunoglobulina Palivizumabe. Antes, o medicamento somente era ofertado na rede estadual. Ele é destinado para crianças nascidas com idade gestacional menor ou igual a 28 semanas (até 28 semanas e 6 dias) com idade inferior a 1 ano (até 11 meses e 29 dias) ou crianças com idade inferior a 2 anos (até 1 ano, 11 meses e 29 dias) com doença pulmonar crônica da prematuridade, displasia bronco pulmonar ou doença cardíaca congênita com repercussão hemodinâmica comprovada.

A médica da família Renata Amoroso, que atua na aplicação do Palivizumabe em Cuiabá, explica que a imunização ocorre nos meses de maior circulação do vírus sincicial respiratório (VSR) que, conforme estudos do Ministério da Saúde, vai de março a julho, no Centro-Oeste brasileiro. Mais do que a aplicação do remédio, o atendimento também compreende uma consulta, onde é feita a pesagem da criança, a ausculta do coração, entre outras avaliações. 

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA