POLÍTICA MT

Cinco frentes combatem incêndios no Pantanal com apoio de seis aeronaves

Publicados

em


.

Cinco frentes de trabalho da força-tarefa da Operação Pantanal II atuam diretamente para conter o incêndio que atinge o Pantanal mato-grossense. As áreas que recebem ações estão localizadas nas proximidades do SESC Porto Cercado, Parque Estadual Encontro das Águas e na região da Estrada Transpantaneira.

Seis aeronaves são utilizadas para monitorar e reconhecer os novos focos de calor. Duas delas foram enviadas nesta quarta-feira (09.09) para possibilitar o lançamento de aproximadamente 30 mil litros de água nas frentes dos incêndios que avançam da porção Sul do Parque Encontro das Águas e nas proximidades de Porto Jofre, em Poconé (distante 102 km de Cuiabá).

A região do Parque Encontro das Águas foi considerada uma das frentes prioritárias pelo plano operacional, coordenado pelo Comitê Temporário Integrado Multiagências de Coordenação Operacional de MT (Ciman/MT).

“É importante destacar que essas cinco frentes de combate são estabelecidas por meio de monitoramento aéreo, por validação das imagens de geomonitoramento e pelas equipes terrestres. Só então os objetivos estratégicos são traçados. Só é possível alcançar as cinco frentes de combate aos incêndios florestais por causa da integração das forças da otimização dos recursos, e da deliberação conjunta que chamamos de comando unificado”, explica o tenente-coronel Bombeiro Militar, Dércio Santos da Silva, coordenador-geral do Ciman/MT.

Leia Também:  Investimentos do FCO Empresarial atingem 98% dos municípios de MT

Do total de 136 pessoas atuando no combate às chamas, 37 são militares do Corpo de Bombeiros Militar de mato Grosso, 33 militares da Marinha do Brasil, 21 funcionários do SESC, 15 do ICMBio, 14 do IBAMA, 12 militares do CBM de Mato Grosso do Sul e quatro servidores da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema).

Frentes de trabalho no Pantanal

Veja os locais que possuem Comandos contra incêndios: 

Sesc Porto Cercado – Contém um complexo de ecoturismo da Estância Ecológica Sesc Pantanal, localizado em Poconé, às margens do Rio Pantanal. Equipes estão utilizando o contrafogo (queimada controlada de uma área para frear a propagação de um incêndio de grandes proporções), com o objetivo de proteger a extremidade leste da Reserva.

Transpantaneira setor norte – Equipes terrestres são empregadas na continuidade do combate ao incêndio na região da Fazenda Rosário, Rio Alegre e de proteção das pontes da Transpantaneira. Aeronaves de combate a incêndios florestais auxiliam no monitoramento de novos focos de calor. 

Leia Também:  Comissão derruba veto a projeto para proteção às mulheres durante a pandemia

Parque Estadual encontro das Águas – Equipes utilizam a técnica do contrafogo no talhão formado entre a transpantaneira, a estrada da Fazenda São João e a área queimada, além do combate ao fogo na região. 

Transpantaneira setor Sul – Combate direto ao fogo com aeronaves Airtractor do IBAMA, no entorno da Fazenda Santa Rosa, e ações de vigilância e proteção das pontes de madeira. 

Terra indígena Guató – Atuação dos brigadistas do IBAMA utilizando Aeronave do PrevFogo.

Operação Pantanal II

A operação foi deflagrada no dia 7 de agosto, e desde então empenha esforços para proteção da maior planície alagável do mundo. A região abriga o Parque Encontro das Águas, e Porto Jofre, conhecidas como a maior concentração de onças pintadas do mundo.

 

Fonte: GOV MT

Propaganda

POLÍTICA MT

Mato Grosso alcançou 96% das metas do Progestão 2019

Publicados

em


.

Mato Grosso alcançou 96,7% das metas do Progestão em 2019, um programa desenvolvido pela Agência Nacional de Águas (ANA) de incentivo financeiro para os estados. O uso dos recursos disponibilizados no programa é de aplicação exclusiva nas ações de gestão das águas, regulação de seus usos e fortalecimento da gestão integrada, descentralizada e participativa.

O programa baseia-se no pagamento por alcance de metas estabelecidas. As metas federativas são definidas pela ANA e as metas de gerenciamento de recursos hídricos em âmbito estadual definidas pelo Conselho Estadual de Recursos Hídricos (Cehidro).

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT) é a responsável pela implantação do Programa no Estado. O atendimento dos critérios de avaliação de cada uma destas metas corresponde à 10% do valor total do repasse, podendo o estado receber proporcionalmente caso não cumpra integralmente uma das metas.

Mato Grosso aderiu ao 1º ciclo do Programa em 2013, por meio do Decreto nº 1815, de 20/06/2013. O 2º Ciclo iniciou em 2017 com término em 2021. O resultado das metas do 2º ciclo foi de 97,5% em 2017, 99,2% em 2018 e 96,7% em 2019.

Leia Também:  Investimentos do FCO Empresarial atingem 98% dos municípios de MT

Estas informações constam no Boletim Progestão, lançado em setembro pela Coordenadoria de Ordenamento Hídrico, da Superintendência de Recursos Hídricos da Sema e que visa a transparência de dados e ações do setor.  O objetivo é que estes boletins sejam trimestrais, sendo no início reproduzido em maior número devido ao volume de informações acumuladas.

Valor Recebido

No 1º ciclo (2013-2017) a Sema recebeu R$3,72 milhões e no 2º ciclo 2,78 milhões, de 2017 até o momento. Os recursos foram recebidos devido ao bom desempenho das metas pelo governo de Mato Grosso e são empregados exclusivamente em ações de recursos hídricos.

Entre estas ações estão compras de materiais essenciais, contratação de serviços, realização de seminários e capacitação, fortalecimento de Bacias Hidrográficas e da Superintendência de Recursos Hídricos, compra de software e de equipamentos específicos para vistoria e fiscalização.

Tanto as metas como os investimentos são pilares para a gestão de recursos hídricos e contribuem para a implementação da Política Estadual de Recursos Hídricos. A Pasta também atua na prevenção de eventos hidrológicos críticos, fornecendo informações à Defesa Civil e prefeituras sobre monitoramento dos rios, chuva e qualidade das águas, entre outros.

Leia Também:  Tamanduá vítima de incêndios florestais é atendido em posto de resgate na Transpantaneira

Os recursos também são usados para elaborar os Planos de Bacias que norteiam as ações de gestão de recursos hídricos, implementar os projetos do Plano Estadual de Recursos Hídricos, regular a utilização racional da água por meio da outorga e incentivar a gestão participativa por meio do CEHIDRO e Comitês de Bacias.  

“Os resultados obtidos positivamente quanto ao Progestão mostram que a parceria entre a SEMA e a ANA está funcionando em perfeita harmonia, seguindo os preceitos da política de recursos hídricos de realizar a gestão de forma integrada, descentralizada e participativa”, destaca o superintendente de Recursos Hídricos Luiz Henrique Noquelli.

O superintendente também destaca o comprometimento dos técnicos que estão envolvidos com a execução dos programas. “O repasse financeiro recebido da ANA tornou possível uma melhoria na gestão de recursos hídricos de Mato Grosso, permitindo executar projetos que até então estavam apenas no planejamento. Essa parceria também viabilizou uma garantia de contrapartida da SEMA, para incrementar as ações na gestão estadual. É um programa vital para a boa gestão da água”, afirmou.

Fonte: GOV MT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA