POLÍTICA MT

Deputado manifesta sobre a redução no atendimento ao público do Indea de Novo Mundo

Publicados

em


.

Foto: ANGELO VARELA / ALMT

O Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea) de Novo Mundo (MT) fará o atendimento ao público, neste mês, somente por oito dias por falta de servidores. Em sessão ordinária na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), nesta quarta-feira (2), o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) falou da preocupação em relação à instituição ficar muito tempo com as portas fechadas.

O Indea é uma entidade que realiza a certificação sanitária na agropecuária mato-grossense, garante a proteção ao meio ambiente e a saúde de produtores e consumidores. Para o morador de Novo Mundo, Cleber Valsoler, é uma situação preocupante para o cidadão que compra ou vende gado sem ter a Guia de Transporte Animal (GTA) e outros documentos exigidos na legislação vigente.

Ele aponta que o servidor da unidade tirou licença prêmio e se revolta em ver a forma que o governo estadual administra a situação com o atendimento reduzido para o público. “Não está certo o governo do Estado fazer isso, o cidadão sai de um certa comunidade, chega aqui e está tudo fechado. De repente ele transporta o gado sem o GTA e de repente o órgão fiscalizador pega ele e é multado”, revolta.

Leia Também:  Pesquisa epidemiológica ajudará no planejamento das ações da Saúde

“Conforme a reclamação recebida, o Indea do polo de Novo Mundo informou que  só funcionaria em horários específicos devido o afastamento de um servidor. São serviços essenciais para os moradores do município e região. Temos que atentar que vários pecuaristas e produtores necessitam de atendimento e cumprir as exigências legais impostas”, explica Claudinei.

Em frente ao Indea do município é apresentado um comunicado com os dias de atendimento, sendo 3 e 4, 8 e 12, 14 e 17, 21 e 24 de setembro. Em caso de urgência, a unidade orienta o interessado procurar a unidade mais próxima que fica no município de Matupá (MT), a uma distância de Novo Mundo de cerca de 200 km.

Um das principais atuações do instituto está relacionado à defesa sanitária vegetal e animal, fiscalização e julgamento de processos, inspeção sanitária de produtos de origem animal e fiscalização dos recursos naturais renováveis.

 

Fonte: ALMT

Propaganda

POLÍTICA MT

Claudinei defende a implantação de Companhia Independente da PM na Vila Operária

Publicados

em


.

A Vila Operária, em Rondonópolis, é uma região que compreende mais de 100 bairros

Foto: SAMANTHA DOS ANJOS FARIAS

A Vila Operária, em Rondonópolis (MT), é uma região que abrange mais de 100 bairros e, devido a sua extensão territorial, o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL) defende a necessidade da instalação de uma Companhia Independente da Polícia Militar na região. Essa demanda faz parte da Indicação n.º 4.668/2019 do parlamentar, que, na última semana, reforçou essa matéria durante reunião remota da Comissão de Segurança Pública e Comunitária da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT). 

“A Vila Operária, de Rondonópolis, tem uma grande concentração de habitantes. Praticamente, é quase uma cidade, com população maior que a cidade de Barra do Garças. Essa Companhia Independente a ser construída é uma demanda muito antiga na Vila Operária. Eles não têm um prédio próprio, o que acaba que os policiais ficam concentrados no 5° Batalhão, que fica a uma distância de 10 a 15 km da Vila Operária”, salienta Claudinei.

De acordo com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Jonildo José de Assis, há mais de dois anos que existe um planejamento consolidado para a construção de uma companhia da PM na Vila Operária. Ele ressalta que a fase atual é de captação de recursos.

Vila Operária – Para o chefe da divisão de administração do 4° Comando Regional da Polícia Militar do Estado de Mato Grosso (PMMT), tenente-coronel Mauro Márcio Osório, se for avaliar o nível populacional e estratégico de Rondonópolis, a Vila Operária abriga mais da metade da população do município. “Então, a ideia nossa é descentralizar a atividade policial, transformando aquela Companhia Comunitária, que existe desde o ano de 2017, na Vila Operária, em uma Companhia Independente que na verdade atua como um Batalhão, mas com demandas de efetivo menor”, esclarece.

Leia Também:  Presidente da ALMT defende união com Congresso Nacional para criação de Estatuto do Pantanal

Foto: SAMANTHA DOS ANJOS FARIAS

Ele informa que, atualmente, Rondonópolis conta com cerca de 250 mil habitantes e seria interessante contar com dois batalhões, pois só existe o 5° Batalhão da PM. “Se conseguirmos concretizar a ideia, vamos conseguir atender aquela região da Vila Operária como unidade específica. Então, as guarnições de serviço não vão precisar ir até o 5° Batalhão, que fica no 4° Comando Regional, e poderá ter o atendimento mais aproximado da população”, explica Osório.

Segurança Pública – O tenente-coronel ressalta que a Vila Operária conta com unidades do Corpo de Bombeiros Militar, Companhia Ambiental e Delegacia da Polícia Judiciária Civil (PJC), que vai só faltar uma unidade da Polícia Militar para a região e será um amparo necessário para a população. Ele explica que a implantação da companhia vai permitir que o atendimento se estenda também para os municípios de São José do Povo, Guiratinga e Tesouro. “A ideia é ser a 17ª Companhia e atender a região da Vila Operária com seus mais de 90 mil habitantes e mais de 62 mil eleitores e abranger estes municípios”, enfatiza.

Osório destaca que hoje são cerca de 35 policiais militares que atendem a Vila Operária e que com a instalação da unidade policial vai favorecer para a efetivação de cerca de 50. “Na verdade, este é um anseio não só institucional, mas de toda a região da Vila Operária. A gente vê que essa unidade vai com certeza trazer um resultado positivo para a população, um atendimento mais rápido e resolução mais eficiente”, comenta.

Terrenos – Há três terrenos estratégicos que tanto o tenente-coronel e comandante-geral do 4°Comando Regional, Gleber Cândido Moreno, quanto o deputado Claudinei e o senador Wellington Fagundes (PL) já visitaram os locais, explica Osório. “A nossa intenção era colocar essa Companhia em um local estratégico, sendo uma área que fica na subida da avenida Bandeirantes, que é da União, outra na região da Coder (economia mista e municipalizada), que fica em frente à funerária e ao Corpo de Bombeiros e outro o local do antigo CSU (Centro Social Urbano), que é uma área do estado e repassada ao município, na região do Sumaré”, detalha.

Leia Também:  Deputado Claudinei e secretários do governo de MT discutem a recuperação da MT-471

Ele destaca que essas áreas favorecerão para que tanto os moradores da Vila Operária como dos três municípios tenham um acesso mais próximo para falar com a guarnição. “Nós dependemos desta parte estratégica dos políticos fazerem a intervenção e articulação para disponibilizar este espaço para erguer essa unidade tão sonhada. Na verdade, essa unidade vai estreitar o laço com a sociedade e a instituição”, conclui o Osório.  

Audiência pública – O deputado lembra que chegou a fazer uma audiência pública para abordar sobre este assunto, que contou com representantes da segurança pública, como a Secretaria de Estado de Segurança Pública de Mato Grosso (Sesp), polícias militar e civil, mas não teve a participação do prefeito municipal, José do Pátio (SD). 

“Não tivemos a participação do prefeito. Infelizmente, não se importa com a segurança pública da região que o elegeu. A Vila Operária é onde tem mais eleitores de Rondonópolis cadastrados. Não compareceu e nem nos atendeu na época para ver um terreno que poderia ser cedido pelo município. Então, a gente fica na correria por emendas estaduais e federais, acredito que a sociedade também iria ajudar. Agora vem a notícia desta emenda do senador Wellington, que é sempre parceiro das instituições de segurança pública”, pontua.

PM Vila Operária – No ano de 2001, foi criado o Núcleo de Polícia Militar, localizado na Vila Operária, onde permaneceu por 16 anos até se transformar em Companhia Independente, no ano de 2017, pelo 4° Comando Regional da Polícia Militar. Há mais de um ano, o prédio foi desocupado por não ter as condições mínimas de permanência.     

Fonte: ALMT

Continue lendo

MOMENTO POLICIAL

MOMENTO DESTAQUE

MOMENTO MULHER

MOMENTO PET

MAIS LIDAS DA SEMANA